Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – O Globo (RJ) - Decisão do STF abre caminho para pai biólogico e afetivo registrarem mesmo filho

Publicado em: 26/09/2016
Processo iniciado em 1978 só teve resolução nesta quinta-feira

BRASÍLIA – O Supremo Tribunal Federal (STF) bateu o martelo nesta quinta-feira em uma disputa judicial que já durava 38 anos e deu a um homem o direito de ser reconhecido oficialmente pelo pai biológico. Nascido de um relacionamento extraconjugal da mãe, ele obteve o direito de herdar os bens do pai genético, junto com os outros filhos que o pai tinha no casamento oficial. Também hoje, o tribunal fixou uma tese que abre a possibilidade de uma pessoa ter em registro civil o nome do pai biológico e do pai afetivo.

“A paternidade socioafetiva, declarada ou não em registro público, não impede o reconhecimento do vínculo de filiação concomitante baseado na origem biológica, com os efeitos jurídicos próprios”, declarou o tribunal. O texto aprovado em plenário não menciona explicitamente a possibilidade de dois pais em um registro, mas ministros do STF fazem essa interpretação. Se os cartórios se recusarem a fazer esse tipo de certidão, pode ser necessário haver nova regulamentação sobre o assunto.

A tese é fruto do julgamento concluído na quarta-feira, quando uma mulher obteve o direito de estampar no registro civil o nome do pai biológico e, como consequência, receber pensão alimentícia e herdar os bens dele. A mulher foi criada pelo marido da mãe, que revelou à filha somente na juventude que ela tinha outro pai. A filha recorreu à justiça para substituir o nome do pai socioafetivo pelo biológico na certidão de nascimento.

O STF atendeu o pedido. Segundo os ministros, o pai de sangue não pode se eximir das responsabilidades, mesmo quando o filho tiver sido criado e assumido oficialmente por outro homem. A tese tem repercussão geral – ou seja, os juízes de todo o país precisarão decidir da mesma forma em processos desse tipo.

Na sessão de hoje, o ministro Dias Toffoli chegou a sugerir que alguém só pode ser considerado pai se houver o registro formal em cartório. No caso, se o pai biológico aparecesse depois, seria possível haver um registro com dois pais. Mas prevaleceu a tese de que o pai socioafetivo pode ocupar essa posição mesmo que não seja pai oficialmente.

— A paternidade biológica ou socioafetiva não precisa ser formalizada. É possível a existência a dupla paternidade — afirmou Lewandowski, que recebeu o apoio da maioria do plenário.

No mesmo julgamento, o tribunal esclareceu que as obrigações da paternidade biológica continuam inexistentes no caso de adoções formais. Ou seja, o pai adotante passa a ser o pai de fato, interrompendo qualquer dever de assistência do pai genético. O mesmo acontece nos casos de reprodução assistida com o uso de banco de sêmen.

O processo analisado hoje pelo STF relata o drama de Antonio Carlos Risola. A mãe dele, Isolina, era casada com José da Silva Barbosa e teve um caso extraconjugal com Vicente Risola. Segundo o depoimento de testemunhas, o marido não a impedia de namorar, porque ele era “mais velho e cansado” e, “diante da impossibilidade física de ter relação sexual, fechava os olhos para o romance”. Ainda de acordo com o processo, Isolina era “moça nova e bonita” e passou a se relacionar com Vicente, “um homem vistoso e abastado”.

Quando Antonio Carlos nasceu, José e Vicente registraram o garoto, que passou a ter duas certidões de nascimento. Segundo testemunhas, o marido sabia que não era o pai, mas não questionou judicialmente. Vicente, por sua vez, tinha uma relação afetiva com o garoto. No testamento, Vicente tratou o filho como “afilhado” e pediu para os filhos do casamento oficial darem toda a assistência a Antonio Carlos. O pedido não foi atendido.

Antonio Carlos entrou com ação na justiça em 1978 para ser reconhecido como filho de Vicente. Como o antigo Código Civil estabelecia que os filhos nascidos no casamento eram presumidamente biológicos, a não ser que o pai questionasse isso judicialmente, os tribunais se recusaram a reconhecer Vicente como pai, mesmo com todas as evidências do processo. O antigo Código Civil também considerava ilegítimos os filhos tidos fora do casamento.

O caso chegou ao STF em 1986. Depois de sucessivas idas e vindas, o capítulo final da história só foi escrito na tarde desta quinta-feira, quando o plenário reverteu a decisão de instâncias inferiores e permitiu que Antonio Carlos fosse considerado herdeiro de Vicente.

A demora no desenrolar da história impediu que o final fosse feliz: hoje, Vicente, José e Antonio Carlos já morreram. Portanto, eventuais herdeiros do rapaz poderão receber os bens de Vicente. Segundo o processo, as sucessivas derrotas judiciais deixaram Antonio Carlos deprimido e, em junho de 1991, ele se suicidou. Ao votar, o ministro Edson Fachin lamentou a demora na solução do caso.

— Diz-se que, às vezes, a justiça tarda e falha. Mas, se tardar, não deveria falhar. A petição inicial data de 30 anos atrás. Quem sabe agora o tribunal estará fazendo justiça ao caso concreto — afirmou Fachin.

Ao votar, a relatora, ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, afirmou que o atual Código Civil não faz distinção entre os filhos tidos no casamento ou fora dele. Diante das evidências do processo, a ministra declarou o vínculo familiar entre os dois.

— Não vejo como se deixar de reconhecer vínculo de paternidade entre o filho e o verdadeiro pai — afirmou.

Para Anderson Schreiber, advogado e professor de Direito Civil da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), a orientação dada pelo STF foi acertada e pode ter desdobramentos para além da paternidade.

— Quando falamos em multiparentalidade, falamos tanto do pai quanto da mãe. Embora a decisão não tenha expressamente tratado de mães, ela se aplica também à maternidade — aponta Schreiber. — Uma outra questão que o Supremo não detalhou, mas que também é uma consequência lógica dessa decisão é: se o filho morre antes dos pais e se ele tem direito a herança dos dois pais, os dois pais também têm direito a herança do filho. Agora como divide essa herança, que, anteriormente, era baseada em 50% para a mãe e 50% para o pai? É um problema a se resolver. A decisão do Supremo dá um norte e cria um novo paradigma do direito de família. Tem uma série de repercussões, como essa, que vamos ter que discutir caso a caso na medida que elas surjam.

Fonte: O Globo
Deixe seu comentário
 
 
794056

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 128.049.887
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Etnia do índio poderá ser incluída na identificação civil

LEIA MAIS