Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Direito das Sucessões: grupo de discussão visa reformar legislação vigente

Publicado em: 14/10/2016
“A sucessão dá-se por lei ou por disposição de última vontade”, prevê o artigo 1.786 do Código Civil (Lei 10.406/02). A partir da legislação vigente, o Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM) criou um grupo de discussão do Direito das Sucessões, coordenado pelo advogado Mário Luiz Delgado. O objetivo é estabelecer um estatuto capaz de propor uma reforma na seara sucessória. Os eixos centrais da mudança são: Código Civil ou Estatuto; Liberdade ou proteção à família; Cônjuge e companheiro e Simplificação e desjudicialização. A equipe que promoverá os debates é composta de cinco subdivisões, todas elas dirigidas por membros do IBDFAM.

Para Mário Luiz Delgado, presidente da Comissão de Assuntos Legislativos do IBDFAM e coordenador do grupo de discussão, a reforma se faz necessária “porque muitas das disposições legais, atualmente vigentes, não acompanham a evolução da sociedade. Basta citar o exemplo da Sucessão Testamentária, completamente alheia às novas tecnologias. Além do mais, são inúmeras as controvérsias que hoje grassam entre os tribunais pátrios, causando instabilidade e insegurança jurídica aos jurisdicionados e à cidadania de modo geral”, defende.

Ele também cita as questões que envolvem a sucessão do cônjuge e do companheiro, as restrições e os limites que podem – ou não – ser opostos à Legítima, a própria ordem da vocação hereditária e as formalidades burocratizantes que ainda prevalecem nos processos de inventário.

O jurista revela que a intenção é convocar os associados do IBDFAM, para que “nos ajudem a debater se a pretendida reforma do Direito das Sucessões deve ser feita no âmbito do Código Civil ou elaborando-se um estatuto próprio”. Delgado explica que, a opção por um Estatuto das Sucessões – caso seja esse o caminho metodológico adotado – tem a vantagem de se compatibilizar com a iniciativa anterior do IBDFAM de elaborar o Estatuto das Famílias. “Mas, repito, a questão ainda não foi deliberada. Na opção pelo regime próprio, o passo seguinte será discutir a sua eventual fusão com o projeto voltado para as famílias, dando origem, quiçá, ao Estatuto das Famílias e das Sucessões”, reitera.
Diante da quase finalização da decisão do Supremo Tribunal Federal a respeito da concorrência sucessória entre cônjuge e companheiro, Delgado afirma que a decisão do STF elimina uma das grandes polêmicas no meio jurídico, no que se referia ao tratamento díspar entre União Estável e Casamento. “Concordando ou não com o Supremo, fato é que não mais discutiremos se o companheiro deve ser ou não equiparado ao cônjuge. O que viermos a deliberar, em relação ao cônjuge, se aplicará ao companheiro, evitando-se, assim, as acaloradas discussões que certamente surgiriam nesse temário”, completa.

OS GRUPOS

I – Sucessão em geral (coordenado por João Aguirre):
 “Coube-me a honrosa incumbência de coordenar o Grupo I, em que trataremos de temas polêmicos como, por exemplo, acerca da legitimação para suceder dos filhos socioafetivos ou se o prazo para a concepção da prole eventual deve ser cogente ou dispositivo; ou, ainda, se deve ser regulamentado o prazo e o dies a quo para o ajuizamento da ação de petição de herança”, explica o advogado João Aguirre, presidente do IBDFAM/SP.

II – Sucessão Legítima (coordenado por Ana Luiza Nevares): “O grupo coordenado por mim é o que vai defrontar com a ordem de vocação hereditária. Ou seja, vamos enfrentar aqueles a quem o legislador deve destinar a herança em caso de não existir testamento e aqueles que devem ser herdeiros necessários. A Sucessão Legítima é aquela estabelecida pelo legislador. Portanto, iremos estudar a nova perspectiva da família e, dentro dela, quem devem ser as pessoas prioritariamente tuteladas na Sucessão Hereditária, se deve existir uma herança necessária para determinados parentes e quais tipos de direitos sucessórios o legislador deve prever. Em resumo, vamos refletir sobre como se deve dar a sucessão hereditária através da previsão do legislador, garantindo um espaço de autonomia para o testador”, afirma a advogada Ana Luiza Nevares.

III – Sucessão Testamentária (coordenado por José Fernando Simão): “O Grupo III tem por objetivo rever a noção de testamento e tentar flexibilizar as formas testamentárias. Será a conjugação das ideias de segurança jurídica e a liberdade de testar que nos nortearão”, revela o advogado José Fernando Simão, diretor nacional do IBDFAM.

IV – Inventário e Partilha (coordenado por Flávio Tartuce): “O Grupo IV vai analisar propostas para tornar o processamento do inventário mais ágil e efetivo, observando criticamente os dispositivos vigentes do Código Civil de 2002 e do Novo Código de Processo Civil (CPC/2015). Devemos debater a ampliação das hipóteses de desjudicialização”, diz o advogado Flávio Tartuce, vice-presidente da Comissão de Direito das Sucessões do IBDFAM.

V – Consolidação e Sistematização (coordenado por Mário Delgado): “Temos a responsabilidade de receber todas as sugestões elaboradas pelos demais grupos e reuni-los em um único texto, com a linguagem própria do processo legislativo, para, depois de aprovado nas nossas instâncias internas, remetermos ao parlamento”, declara o advogado Mário Delgado.

Em tempo: em breve, os associados do IBDFAM serão convidados a participar de uma pesquisa sobre o tema. O objetivo é contar com a contribuição de todos para que ideias e sugestões integrem os debates. O questionário será disponibilizado em nosso site. 

Fonte: IBDFAM
Deixe seu comentário
 
 
521346

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 132.957.782
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

CGJ-SP publica modelo de Ficha para Cartórios que querem realizar Apostilamento da Haia – Prazo de 5 dias

LEIA MAIS