Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Reprodução assistida é tema de destaque no Seminário Atualizações Normativas no Registro Civil

Publicado em: 15/12/2017
São Paulo (SP) - Durante o evento de Atualizações Normativas no Registro Civil, promovido pela Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen SP), e pela Arpen Brasil no dia 15 de dezembro, no Hotel Braston, foi realizado um amplo painel para debater o tema da Reprodução Assistida e sua regulamentação com base no Provimento nº 63 editado pela Corregedoria Nacional de Justiça.
 
Na mesa principal estiveram presentes Deborah Ciocci, juíza de Direito Titular da 3ª Vara da Família e das Sucessões do Fórum Regional do Jabaquara (SP); Marcelo Salaroli de Oliveira, diretor da Arpen SP; João Aguirre, presidente do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFam SP); Marcio Evangelista Ferreira da Silva, juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça.



Mediador do tema, o registrador Marcelo Salaroli de Oliveira, iniciou o painel cumprimentando a todos, e passando a palavra para Deborah Ciocci. “Primeiramente gostaria de agradecer a equipe organizadora por ter me convidado. Estudo esse assunto faz bastante tempo, e não sabia como abordá-lo com os senhores. Então preferi escolher uma coisa rápida, porque parece fácil, mas é um trabalho muito longo”, disse.
 
“A medicina avança rápido, mas em questão de reprodução assistida é um assunto ainda novo. O primeiro bebê de proveta nasceu em 1978, então esse assunto é muito recente, e provoca várias dúvidas”, iniciou a juíza de Direito Titular da 3ª Vara da Família e das Sucessões. Deborah ressaltou que a técnica tem provocado uma revolução na sociedade. E com o novo provimento, aliado ao trabalho dos registradores civis, é possível visualizar o respeito crescente entre todos.
 
Segundo a palestrante, no Brasil há poucos bebês frutos da reprodução assistida, cerca de 8 mil. Comparando com os nascimentos totais do País, um índice de apenas 0,3%. “Hoje, com o apoio do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e com o Provimento nº 63 ficou muito mais simplificado essa maternidade de intenção. O fato de não precisar mais comprovar quem é o doador, podendo ser anônimo, facilita muito o problema”, disse.
 
Ainda segundo a palestrante “quanto mais possuímos norma, é mais fácil atender a população sem discriminação. Antes do Provimento nº 63 tivemos uma discussão com especialistas de bioética, tinha algumas decisões para servem vistas. Já havia o Provimento nº 52 que regulava o registro de nascimento de reprodução assistida, porém o problema é que solicitava o nome do doador. Esse provimento mostrou essa licitude dos tratamentos e facilidade”.
 
Além disso, a juíza destacou que a novidade maior do Provimento 63 é a questão da gestação da substituição, já que agora é possível haver duas mães ou dois pais, e tudo ser feito diretamente no cartório. “A sociedade já está reconhecendo essa maneira simples. O CNJ ajudou na reprodução assistida, facilitando o serviço  para a população, e prestando serviço de cidadania”, finalizou.


 
Em seguida, a palavra foi passada para o juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça Márcio Evangelista Ferreira da Silva, que destacou a necessidade de facilitar, e levar um poder simbólico ao registrador civil. “Queríamos ajudar o registro civil, para que o registrador pudesse fazer os atos mais tranquilo, sem receio que estivesse praticando algo errado. Assim podendo trazer empoderamento para esta categoria”, disse.
 
“Na ideia de reformular o provimento, eu ouvi os corregedores, associações e o Conselho Federal de Medicina. Ainda há fatos que precisam ser amadurecidos, como por exemplo a inseminação caseira”, disse o magistrado. “A barriga de aluguel ainda gera problemas; a regulamentação comercial poderia colocar um ponto final nisso. Porém, a situação vai se alinhando pouco a pouco”, comentou o Evangelista.
 
Na sequência, João Aguirre enfatizou a importância dos registradores civis, em todo o processo de regulamentação das novas famílias, constatando que são eles que tem contato direto com as pessoas, e por isso precisam ter instrumentos para a regularização desses casos. “São vocês registradores que tem a preocupação e solidariedade com as famílias. É no dia a dia e com a prática que sabemos como isso está funcionando. O provimento 63 dá um poder maior à categoria”, completou.


 
“Caberá ao registrador avaliar se se trata ou não de uma fraude isto já está no artigo 12 do provimento. Então se presumir se é má fé, vai estar com vocês. Mas temos que pensar sempre na solidariedade, no altruísmo”, declarou o presidente do IBDFam-SP.
 
Além disso, João Aguirre ressaltou que ainda há questões que precisam ser trabalhadas, e que durante o tempo será mais claro perceber o que precisa ser corrigido e acrescentado, cabendo aos registradores civis fazer com que essas novidades cheguem ao dia a dia das pessoas, e que elas também sejam ouvidas.
 
Marcelo Salaroli de Oliveira encerrou o painel enfatizando a importância do provimento 63 e a segurança que ele propiciou para a regulamentação das situações reais vividas pela população que recorre aos cartórios.


Fonte: Assessoria de Imprensa Arpen/SP
Deixe seu comentário
 
 
235753

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 123.851.790
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Corregedoria Nacional de Justiça debate Provimentos 62 e 63 em Seminário Estadual da Arpen/SP

LEIA MAIS