Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Lei dos Cartórios deve mudar para justificar o seu nome

Por Marco Antonio de Oliveira Camargo
Publicado em: 28/07/2016
Encontra-se em análise no Congresso Nacional um Projeto de Lei [1] que visa coibir o uso indevido do nome "cartório" por empresas e pessoas que não possuam delegação estatal para a realização dos serviços públicos de notas e registro. Um projeto que merece ser apoiado por todos os formadores de opinião. O mérito da iniciativa está em proteger o interesse público, sendo importante ressalvar, que de modo algum, promove beneficio ou vantagem econômica para os próprios cartórios.

O deputado Rômulo Gouveia (PSD-PB), com a apresentação deste interessante projeto, buscou evitar que o cidadão comum possa vir a ser enganado por empresários e prestadores de serviço que indevidamente se apossam de uma marca conhecida e que através do uso indevido do nome "cartório", venham a ter ganhos econômicos onerando desnecessariamente os usuários do serviço público prestado pelos tabelião de notas e oficiais de registro.

O citado PL 4978/2016 simplesmente visa alterar a Lei 8935/94 (Lei dos Cartórios — regulamento do artigo 236 da CF), suprindo uma omissão que nela existe, para incluir disposição expressa sobre a denominação do local onde se prestam os serviços, ou seja, pretende-se fazer constar no texto legal que a designação “cartório” é de uso privativo das serventias extrajudiciais, para identificar o local ou o espaço físico onde são prestados os serviços notariais e de registro.

O texto atual da referida Lei 8.935/94, com mais de 3,5 mil palavras, efetivamente não contém uma única vez o termo cartório. Tal palavra, entretanto, foi acrescida ao título da lei para melhor identificar o dispositivo. O codinome “Lei dos cartórios” consta da publicação disponível no Portal da Legislação do Governo Federal (conforme emhttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8935.htm).

O uso desta designação é tradicional em nosso país. Se tal denominação não foi recepcionada pela Constituição Federal de 1988 e Lei regulamentadora, isso se explica por uma questão histórica. À época de sua elaboração, os cartórios brasileiros não contavam com o mesmo nível de aprovação popular que existe atualmente; não existiam concursos para provimento dos cartórios (raras exceções, que efetivamente ocorriam, apenas confirmam a regra) e era comum a transmissão da titularidade para pessoas que não possuíam competência e mérito para tanto.

Assim era o passado que a nova Constituição não desejava preservar. Mas atualmente a realidade é muito diferente. Existe pesquisa feita pelo instituto Datafolha que indica existir alto grau de satisfação e confiança da população em relação aos cartórios. A Anoregsp, que fez realizar tal pesquisa [2], tem em sua página na internet os resultados deste trabalho de pesquisa onde consta que a imagem dos cartórios em geral é positiva. Por contar com grande aprovação popular é compreensível a razão pela qual empresas prestadoras de serviços de intermediação busquem apropriar-se do nome que remete à instituição. Os exemplos são vários, vale reproduzir alguns:Cartório Postal, Cartório Mais, Cartório Expresso, Rede Cartório Fácil, Cartórios – Serviços cartoriais especializados de Sergipe.

Esta profusão de oferta pública de prestação de serviços do ramo cartoráriopor despachantes e intermediários tem sidos motivo de apreensão pelas autoridades fiscalizadores do serviço. O Conselho Nacional de Justiça, que por expressa determinação legal, exerce a função de fiscalizar e orientar a correta prestação do serviço público representado pelas atividades próprias dos cartórios extrajudiciais, em data recente, foi provocado para se manifestar sobre o tema.

Ao analisar o problema, em atendimento ao requerido formalmente pelaCorregedoria Geral do Estado de Sergipe (Consulta 0004185-86-2015.2.00.000), o CNJ fez publicar um acórdão [3] que em sua ementa contém a expressa recomendação para que os Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal iniciem a elaboração de proposta de projeto de lei para regulamentar a utilização dos termos cartório e cartório extrajudicial.

No referido procedimento, em seu voto, aprovado por unanimidade pelos demais conselheiros, o conselheiro relator Gustavo Tadeu Alkmim,  manifestou sua preocupação com a utilização indevida do termo "cartório" e "Cartório Virtual" por prestadores de serviços que não possuem a delegação estatal para a prática dos atos notariais e de registro, por entender que seria de real importância a edição de norma a regulamentar o uso do nome cartório, fez a recomendação acima mencionada e transcrita na ementa do decidido.

Inquestionavelmente a iniciativa do deputado Rômulo Gouveia mostrou-se muito oportuna. Por uma feliz coincidência, tal proposta, apresentada ao Congresso Nacional em data anterior à recomendação feita, além de atender o interesse público, veio a representar exatamente o atendimento desta orientação do Conselho Nacional de Justiça.

Efetivamente, já se deu início à solução do problema indicado naquele procedimento. Cabe ao Congresso Nacional, quiçá auxiliado pela Corregedoria Geral da Justiça dos Estados e do Distrito Federal, além do próprio Conselho Nacional de Justiça, decidir pelo mérito da proposta, analisar eventual necessidade de aperfeiçoamento de redação e, conforme se espera e deseja, ver aprovado o aperfeiçoamento do texto da Lei 8935, preservando assim o interesse do público que não mais será induzido a erro ao buscar os serviços públicos de notas e de registro.

[1] Na data em que se redige este artigo o citado projeto de lei encontra-se em fase de análise pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), com prazo para Emendas de 5 sessões à partir de 04/07/2016. A reprodução do inteiro teor do Projeto de Lei referido segue adiante transcrita: // PROJETO DE LEI Nº --- , DE 2016 - (Do Sr. Rômulo Gouveia) / Acrescenta dispositivo à Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994, que “Regulamenta o art. 236 da Constituição Federal, dispondo sobre serviços notariais e de registro. (Lei dos cartórios)” / O Congresso Nacional decreta: /Art. 1º Esta lei delimita a utilização da palavra cartório para identificar o local ou o espaço físico onde são prestados os serviços notariais e de registro. / Art. 2º A Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 43A: / “Art. 43A. A designação “cartório” é de uso privativo das serventias extrajudiciais, para identificar o local ou o espaço físico onde são prestados os serviços notariais e de registro. / § 1º É vedado à pessoa física ou jurídica: / I - utilizar os termos cartório ou cartório extrajudicial no seu nome empresarial, firma, denominação ou nome fantasia; / II - fazer qualquer menção aos termos cartório ou cartório extrajudicial para descrever seus serviços, materiais de expediente, de divulgação e de publicidade, na internet ou em qualquer outro meio eletrônico, digital, impresso, de som ou imagem. / § 2º A inobservância ao disposto neste artigo sujeitará o infrator às seguintes sanções, sem prejuízo daquelas previstas na Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990: / I - advertência por escrito da autoridade competente; / II - multa de R$ 2.000,00 (dois mil reais) por infração, dobrada a cada reincidência. / Art. 3º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. / (sua justificativa e o próprio teor do projeto podem conferidas em:http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2081848 )
[2] Resultada da pesquisa realizada tem seu acesso possível no seguinte endereço eletrônico: http://www.anoregsp.org.br/index.php?pG=X19leGliZV9ub3RpY2lhcw==&in=MTEz )
[3] Acórdão publicado no site do Colégio Notarial do Brasil Seçao de São Paulo, em data de 21 de junho de 2016 - sob o título: Pedido de providências. Prestação de serviço cartorial “on-line”. Utilização indevida dos termos “cartório” e “cartório extrajudicial”. Necessidade de regulamentação. Improcedente. Acesso: http://www.cnbsp.org.br/?pG=X19leGliZV9ub3RpY2lhcw==&in=MTIzODg=&filtro=1

Marco Antonio de Oliveira Camargo é tabelião de Notas e Oficial de Registro Civil no distrito de Sousas - Campinas (SP). Colunista do Blog do Colégio Notarial do Brasil – Conselho Federal.

Fonte: ConJur
Deixe seu comentário
 
 
799276

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 131.436.606
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Pedido de Providências - REGISTROS PÚBLICOS - Cena Comunidade Evangelica Nova Aurora

LEIA MAIS