Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – El País - Mulheres portuguesas não se divorciam como as outras

Publicado em: 13/03/2017
A lei do país permite que o homem volte a se casar 120 dias antes de sua ex

Graças a uma brecha na lei, Carolina Beatriz  ngelo foi a primeira portuguesa que votou. Era o ano de 1911, quando apenas homens maiores de 21 anos e chefes de família tinham o direito de ir à urnas, mas a cirurgiã era viúva e, por isso, mostrou que era ela quem mandava na casa. A Justiça lhe deu razão, ela votou, e, antes que a moda pegasse, os legisladores apressaram-se para mudar a lei.
A discriminação legal e real da mulher portuguesa é muito semelhante à que acontece em outros países desenvolvidos; há muito tempo, elas já podiam divorciar-se, mas só em caso de adultério do marido "com escândalo público", enquanto o marido podia separar-se sempre que quisesse; e, se a esposa matasse o marido, as penas eram mais severas do que se acontecesse o contrário. Hoje em dia, a discriminação é vista, sobretudo, no trabalho, porque a mulher ganha menos por uma função igual (23% menos, de acordo com os últimos estudos), enquanto o Código Civil vá se livrando dessas discriminações. Há alguns meses, o Parlamento aprovou que os casais de lésbicas possa, fazer tratamentos de fertilidade no país (antes iam para a Espanha), um ano depois da aprovação da adoção por casais homossexuais.

O último objetivo neste caminho sem fim para reduzir as diferenças por motivos de sexo foi descoberto pelo Bloco de Esquerda. De acordo com a lei de 1967, referendada em 1977, já na democracia, a mulher divorciada pode voltar a se casar 300 dias depois; o prazo já seria curioso por si só, mas é ainda mais porque os legisladores de então estabeleceram um prazo diferente para os homens se casarem novamente: 180 dias, quase a metade.

Em um país que se divorcia como poucos, os prazos são uma coisa importante. De acordo com a Fundação Francisco Manuel dos Santos, Portugal tem 73,7 divórcios para cada 100 casamentos, e não é incomum que haja pessoas com três ou até quatro divórcios.

Sandra Cunha, deputada do Bloco de Esquerda, espera que o Parlamento aprove por unanimidade a unificação dos prazos. Cunha entende que os prazos eram diferentes naquela época por "razões de decoro social" no caso de a mulher ficar grávida após o divórcio, mas "hoje isso não faz nenhum sentido". Embora argumente que o Estado não deveria se meter em questões íntimas, o Bloco defende que seja mantido o prazo de 180 dias entre os dois casamentos, não tanto pelo decoro, mas por questões burocráticas, e das discussões sobre a divisão de móveis, discos, plantas e gatos.

Fonte: El País
Deixe seu comentário
 
 
169600

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 112.416.157
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – G1 - MP quer que análise de recurso contra expedição de certidão de óbito de Eliza seja cassada

LEIA MAIS