Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Diário de Notícias - Casamento homossexual é permitido pela Constituição cabo-verdiana - especialistas

Publicado em: 17/07/2017
A Constituição de Cabo Verde permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, defenderam hoje vários especialistas, num debate sobre o tema, em que as organizações de defesa dos direitos LBGBT não estiveram presentes.

No debate sobre o tema "LGBT: uma questão de amor, fé, lei ou poder?", promovido pela Parallax Produções, conclui-se também que os artigos do Código Civil que proíbem o casamento entre pessoas do mesmo sexo são inconstitucionais.

A discussão surge depois de o secretário-geral do partido no poder (MpD) e deputado, Miguel Monteiro, se ter posicionado "200% contra" o casamento entre pessoas do mesmo sexo, sustentado a sua posição com passagens da Bíblia, e depois de o primeiro-ministro ter dito que este assunto não está na agenda política do Governo.

Odair Varela, especialista em comunicação e um dos participantes na iniciativa, defendeu a fiscalização da constitucionalidade de dois artigos do Código Civil, que é anterior à Constituição da República, considerando como "hipótese mais interessante" a intervenção do Provedor de Justiça.

"É preciso endereçar uma carta ao Provedor de Justiça a solicitar a promoção da verificação da constitucionalidade dessas normas. Não é fácil, mas é um caminho", disse.

Odair Varela defendeu que esta deve ser uma bandeira dos cabo-verdianos enquanto sociedade e não apenas da comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero (LGBT), que, segundo disse, não está organizada.

Para o sociólogo Adilson Semedo, apesar de Cabo Verde ser estruturalmente um Estado secular, a sociedade não o é e vive uma moral "muito fundamentada na religião", o que gera problemas de funcionamento.

Assinalando que não é a religião que regula o funcionamento do Estado, mas a Constituição, considerou que esta é "uma questão de direito que não está na agenda política apenas por motivos eleitoralistas".

O professor da Universidade Pública de Cabo Verde (UNICV) lembrou que o país ratificou as principais convenções internacionais sobre esta matéria, o que considerou uma "incongruência clara" a "forma hipócrita" como a classe política tem tratado o assunto.

Outro dos participantes, o deputado da Oposição (PAICV) e jurista Clóvis Silva sustentou que o que está em causa "é o cumprimento da Constituição" e lembrou que Cabo Verde herdou o seu Código Civil de Portugal, onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo já é permitido.

Atendendo a que o Código Civil em vigor é anterior à independência do país, o jurista entende que a aprovação da atual Constituição em 1992 deveria ter revogado automaticamente as normas que ditam que o casamento deve ser celebrado apenas entre pessoas de sexo diferente.

Ainda assim, admitiu que a classe política não "está em condições" de tomar a decisão de promover esta revisão legislativa por receio das consequências numa sociedade "muito religiosa".

Presente na plateia, a também jurista e ex-ministra da Administração Interna Marisa Morais sustentou que o tema tem que ser discutido "com base na Constituição que diz que "todos têm direito a contrair casamento".

A socióloga Eurídice Monteiro, por seu lado, denunciou a falta de envolvimento neste debate de organizações como a Comissão Nacional de Direitos Humanos e Cidadania (CNDHC) e do Instituto Cabo-Verdiano de Igualdade e Equidade de Género (ICIEG), sustentando que tem que ser a sociedade civil a abraçar esta causa.

Durante o debate foi ainda levantada a possibilidade de realização de um referendo sobre o tema, o que suscitou a oposição generalizada dos participantes.

A organização convidou para o debate além do próprio deputado Miguel Monteiro, que não marcou presença, representantes religiosos e de outras organizações públicas e privadas.

Ausente esteve também Anita Barros, presidente da Associação Gay de Cabo Verde, que tinha sido anunciada como um dos oradores.

Fonte: Diário de Notícias
Deixe seu comentário
 
 
528785

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 115.617.235
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Arpen-SP comunica o falecimento de Daniel de Freitas Moreira, marido de Lara Lemucchi

LEIA MAIS