Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Normativa mínima é tema de debate entre registradores e o desembargador Ricardo Dip no Conarci

Publicado em: 09/10/2017

Recife (PE)
-
Uma normativa mínima para os cartórios e seus respectivos benefícios e problemas. Este foi o tema debatido na manhã de sexta-feira (06.10), segundo dia do Congresso Nacional do Registro Civil (Conarci 2017), e que teve Gustavo Renato Fiscarelli e Karine Boselli, diretores da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), debatendo o tema com o presidente da Seção de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), desembargador Ricardo Henry Marques Dip. Clique aqui e veja as fotos.
 
Ao apresentar o palestrante, Karine Boselli ressaltou as qualidades do palestrante. "Doutor Dip é um grande doutrinador e influenciador na área de registros públicos. Portanto debater com ele e até mesmo uma honra para mim", disse.
 
Dip iniciou sua fala relembrando como se deu a indicação para conduzir este estudo, realizada pela então corregedora nacional de justiça, ministra Nancy Andrighi, que o incumbiu de criar uma normativa mínima para o Registro civil. "Comecei a dialogar com os diretores da entidade, entre eles Calixto Wenzel, com o objetivo de criar um modelo mais simples para balizar aquilo que está de acordo com a lei, porque entendo que há certas dissonâncias entre a Lei Federal e as normas estaduais”. Segundo Dip, o excesso de normas está invadindo a autonomia das atividades, e tornando o serviço burocrático.
 
Ao responder a questionamento dos debatedores do tema, sobre como os registradores devem atuar, submetendo-se às tantas normas e que as vezes são até contraditórias, o desembargador pontuou. "Não podemos cercear a liberdade das funções dos notários e registradores, pois eles devem ter as mesmas liberdades jurídicas de um juiz, já que ambos tratam do Direito, por isso a importância de uma normativa mínima", e completou. “Infelizmente isso acontece porque não há estabelecida uma normativa completa e mínima. O problema é quando os direitos individuais começam a tomar forma de lei. Por isso é necessário que haja o limite para o bem da ordem civil”.
 
Dip citou como exemplo a responsabilização disciplinar de um oficial, mesmo que este não tenha cometido ato de infração. "Infelizmente hoje vemos notários e registradores pagarem por erros de escreventes, mesmo estando de férias. Isso com certeza impossibilita seu trabalho" disse. Dip também relembrou o projeto por ele conduzido, sobre palestras online relacionadas ao Registro Civil. "O projeto “Despertar da Cidadania” é um grande sucesso, porque ele sempre foca nos atuais avanços do Direito da família, para os quais os registradores civis precisam estar preparados”, afirmou.
 
O magistrado também aproveitou para falar do seu carinho e admiração pela atividade extrajudicial. "Sou o magistrado que mais ama o extrajudicial. Infelizmente até mais do que muitos notários e registradores que aqui estão. Vejo o Registro Civil como a instituição mais importante do extrajudicial, sendo ela a atividade social mais linda. Entretanto fico triste ao ver que muitos não dão o devido valor", lamentou.
 
Ao final de sua exposição, o palestrante fez questão de lembrar aos oficiais presentes que, mesmo após a aprovação da lei do ofício da Cidadania, sua principal tarefa é o Registro Civil. "Nunca devemos nos esquecer que a principal natureza de vocês são os atos básicos da vida de qualquer cidadão, independente dos serviços que vierem a prestar", finalizou
 

Fonte: Assessoria de Comunicação da Arpen-BR
Deixe seu comentário
 
 
903358

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 117.285.676
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Ofício da Cidadania é foco central na abertura do Conarci 2017 em Recife

LEIA MAIS