Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – G1 (SP) - Primeira mulher trans do país a retificar documentos fala sobre processo: 'Vitória'

Publicado em: 20/09/2017
Transativista Angela Lopes conseguiu realizar o procedimento sem a necessidade de cirurgia de resignação sexual

Uma vitória". Foi assim que a transativista Angela Almeida Lopes, de 43 anos, definiu o dia em que recebeu seus novos documentos em São Carlos (SP), 12 anos atrás. Segundo o juiz Paulo César Scanavez, que proferiu a sentença, ela foi a primeira mulher trans no Brasil a mudar o nome do registro civil sem a necessidade de cirurgia de resignação sexual.
 
Neste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que pessoas transgênero podem mudar o sexo no RG mesmo sem a operação.
 
A novela “A Força do Querer”, exibida pela Globo, tem retratado a questão. No folhetim, o transgênero Ivana se sente desconfortável com seu nome de registro e procura uma maneira de fazer a mudança na documentação. Assim, Ivana passa a se chamar Ivan.
 
Processo

Em entrevista ao G1, a transativista de São Carlos explicou como foi o processo para alteração do nome que, atualmente, exige o laudo de um psicólogo ou psiquiatra.
Em alguns casos, a Justiça pode solicitar a hormônioterapia, lembrou a assessora de Políticas Públicas LGBT de Araraquara, Filipe Brunelli, que dá orientação sobre os procedimentos. A Defensoria Pública também oferece atendimento gratuito no processo de retificação de nome.
Angela contou que decidiu mudar o nome quando trabalhava em um cartório. Ela já tinha feito as adequações corporais que achava condizentes para a mulher que se tornou. O nome utilizado, porém, era o mesmo registrado na identidade e aí começaram os conflitos.
 
Segundo ela, o juiz entendeu que havia um constrangimento social. “Havia a questão do dano moral, social e constrangimento público, então você supera essa questão da operação, que é uma questão íntima e pessoal de cada um”, explicou a transativista.
 
Sentimento de libertação

Para Angela, o nome é um dos instrumentos mais importantes para a projeção social, para a autoestima e a ascensão social da pessoa trans.
 
Ser chamada por um nome que não condiz com o gênero com o qual se identifica é constrangedor, ressaltou Brunelli.

“Imagina uma mulher toda feminina com o nome masculino. Ela vai passar por constrangimentos em lojas, no currículo. Cria-se um ambiente hostilizador, constrangedor, em que a pessoa passa a ter problemas psicológicos".

Nome social e retificação

O nome social também é um direito a que pessoas trans possam recorrer. A diferença é que ele não omite o nome de registro civil, que continua exposto no documento.

No caso da retificação, existe uma alteração de nomes e o antigo deixa de existir. Novos documentos são emitidos. “O nome social é usado enquanto a pessoa não faz alteração no registro civil. Depois que ela ganha na Justiça o direito da resignação de nomes, ela passa a usar o RG e todos os documentos são alterados”, explicou Brunelli.

Para Angela, a alteração pode facilitar, por exemplo, na procura por uma vaga no mercado de trabalho. “O nome é um dos principais empecilhos para a ascensão social de pessoas trans. A pessoa que não tem o nome retificado dificilmente passa em entrevistas de emprego", afirmou.

Inspiração

A transativista contou que o nome Angela é inspirado na personagem  ngela Vidal, interpretada por Claudia Raia, da novela ‘Torre de Babel’ (1998). Na época, a transativista estava se encontrando e procurava um nome forte.
“Eu não queria uma identidade qualquer, vim de uma época em que a violência era autorizada. Eu precisava de uma identidade que me desse uma conotação de sobrevivência e de poder. A personagem da novela era uma mulher forte, poderosa e até com requintes de crueldade, porque às vezes, para você enfrentar a sociedade, precisa devolver certas agressões na mesma moeda", disse.

Deixe seu comentário
 
 
370009

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 128.045.156
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Senado aprova projeto que legaliza situação de servidores de cartórios

LEIA MAIS