Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Fim do casamento infantil na África Ocidental e Central pode levar 100 anos, alerta UNICEF

Publicado em: 09/11/2017
A menos que os progressos sejam acelerados, o fim do casamento infantil na África Ocidental e Central levará mais de 100 anos, com consequências profundas para milhões de meninas e forte impacto na prosperidade da região, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no fim de outubro (24).

A África Ocidental e Central inclui seis dos dez países com maior prevalência de casamento infantil no mundo: Níger, República Centro-Africana, Chade, Mali, Burkina Faso e Guiné.



A menos que os progressos sejam acelerados, o fim do casamento infantil na África Ocidental e Central levará mais de 100 anos, com consequências profundas para milhões de meninas e forte impacto na prosperidade da região, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) no fim de outubro (24).

O relatório revela que, devido ao rápido crescimento populacional e à alta prevalência do casamento infantil, mesmo que a atual taxa de declínio dessa prática seja duplicada, não seria o suficiente para reduzir o número anual de meninas casadas.

“Não podemos continuar permitindo que tantas meninas prejudiquem sua saúde, educação e infância”, disse Fatoumata Ndiaye, diretora-executiva adjunta do UNICEF, em comunicado à imprensa. Ela acrescentou que “seguindo as taxas atuais, nosso relatório mostra que levará mais de 100 anos para eliminar o casamento infantil na região — como isso é aceitável?”.

As novas projeções, lançadas durante uma reunião de alto nível em Dakar, capital do Senegal, lançam luz para uma região onde as meninas enfrentam o maior risco de se casar na infância.

Embora a prevalência do casamento infantil na África Ocidental e Central tenha diminuído ao longo das últimas duas décadas, o progresso foi desigual. Segundo os dados apresentados, quatro em cada dez meninas são casadas antes dos 18 anos e, destas, uma em cada três antes dos 15 anos.

A África Ocidental e Central inclui seis dos dez países com maior prevalência de casamento infantil no mundo: Níger, República Centro-Africana, Chade, Mali, Burkina Faso e Guiné.

O relatório também ressalta que o progresso é possível com uma combinação correta de estratégias, como capacitar meninas, mobilizar famílias e comunidades para mudar atitudes e comportamentos, prestar serviços adequados àquelas que estão casadas ou em situação de vulnerabilidade, além de estabelecer leis e políticas consistentes para proteger e promover os direitos das meninas.

Em cinco países da região — Gâmbia, Guiné-Bissau, Togo, Gana e Ruanda, os declínios variaram de 40% a 60% nos últimos 25 anos.

Quanto mais uma menina permanece na escola, menor será a chance de ela se casar antes dos 18 anos e ter filhos durante a adolescência, afirma a agência.

“Colocar meninas na escola deveria ser nossa prioridade”, disse Ndiaye. “Não só porque prepara as meninas para a vida, mas também ajuda a levantar suas famílias, suas comunidades, seus países para fora da pobreza”.

Fonte: Onu BR
Deixe seu comentário
 
 
662295

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 116.840.852
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Arpen-SP elege por aclamação nova Diretoria para o biênio 2018-2019

LEIA MAIS