Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Artigo - A Decisão do STF em Reconhecer aos Transgêneros o Direito à Alteração de Prenome e Sexo, diretamente no Registro Civil - Por Carlos Magno Alves de Souza

Publicado em: 16/03/2018
Em 01 de março de 2018, no julgamento da ADI 4275, o plenário do Supremo Tribunal Federal – STF, por maioria de votos, decidiu pelo reconhecimento aos transgêneros que assim o desejarem, independentemente da cirurgia de transgenitalização, ou da realização de tratamentos hormonais ou patologizantes, o direito à substituição de prenome e sexo, diretamente no registro civil.
 
A referida decisão logo ganhou espaço na mídia, gerando grandes discussões acerca de suas repercussões na socidade brasileira, notadamente, no mundo acadêmico e entre os profissionais do Direito que de certo modo, ainda, estão assimilando os efeitos práticos do mencionado julgamento.
 
Aqueles favoráveis ao entendimento esposado pelo STF comemoraram a decisão, sustentando que o julgado está em consonância com o princípio da dignidade da pessoa humana, na medida em que coíbe o preconceito e a discriminação à opção gênero, decorrente do direito fundamental de autodeterminação.
 
Noutra banda, há aqueles que defendem que a referida decisão apresenta incongruência com o ordenamento jurídico vigente e acarreta insegurança nas relações humanas. Apontam, por exemplo, que a pessoa cisgênero para poder alterar apenas o nome, como regra, necessita justificar as suas razões e buscar a via judicial, ao passo que o transgênero consegue alterar o sexo e prenome, imotivadamente, diretamente no Registro Civil.
 
Outra crítica que se faz é que, com a alteração do sexo e do prenome, outra pessoa pode ser levada a erro, por exemplo, no casamento de pessoa cisgênero com pessoa transgênero, na hipótese do primerio desconhecer essa situação de fato, será impossível a geração de filhos
biológicos sem que se recorra a métodos de reprodução assisitida, sendo o casamento passível de anulação por vício de vontade, nos termos dos arts. 1550, III, 1556 e 1557, I, do Código Civil.
 
Sem embargo disso, deixando essa discussão de favoráveis e contrários para segundo plano, uma vez que a decisão já foi tomada, é imperioso trazer ao debate a discussão acerca de seu cumprimento, tendo em vista os seus efeitos vinculante e erga omnes. Esse é o dilema vivenciado pelos Oficiais do Registro Civil que, em razão da falta de uma norma regulamentadora que os oriente, encontram-se com dificuldades em aplicar na prática o entendimento do STF, sem perder de vista a necessidade de tutelar a segurança jurídica dos atos por eles praticados, por tratar-se de dever de ofício.
 
Nesse contexto, em que pese o STF ter decidido que o direito à substituição do sexo e prenome, diretamente no Registro Civil, independe de qualquer meio de prova, é possível asseverar que para a realização do ato em cartório são necessários o preenchimento de dois requisitos: um de ordem subjetiva e outro de ordem objetiva.
 
DO REQUISITO DE ORDEM SUBJETIVA: PESSOA TRANSGÊNERO
 
O ordenamento jurídico nacional, em matéria de registros públicos, admite duas modalidades de gênero, o masculino e o feminino. Aliás, há quem defenda a existência de outras espécies de gêneros, tais como, os bigêneros e pangêneros, todavia, essas classificações não encontram correspondente amparo normativo, de modo que na certidão do registro civil, obrigatoriamente, constará o sexo masculino ou feminino. Não obstante, compreende-se como cisgênero a pessoa que possui identidade de gênero correspondente à sua característica genética. Ao passo que o transgênero, possuindo a genética de um determinado gênero, identifica-se e se exterioriza como o gênero oposto.
Aliás, vale esclarecer que gênero e sexualidade não se confundem. Desse modo, tanto o cisgênero quanto o transgênero podem ser hetero, homo ou bissexuais.
 
É certo que o transgênero é termo que abrange toda pessoa com identidade de gênero do sexo oposto, independentemente da cirurgia de transgenitalização, da realização de tratamentos hormonais ou patologizantes. Todavia, para que o transgênero busque alterar o sexo e prenome nos Registros Públicos, é fundamental que essa identidade de gênero do sexo oposto esteja minimamente exteriorizada, caso contrário o indivíduo será compreendido como cisgênero.
 
É sabido que ao cisgênero não é permitido requerer ao Registro Civil a alteração de sexo e prenome, em razão disso não há como afastar análise da condição de transgênero pelo Oficial de Registro que deve buscar observar elementos mínimos de exteriorização. Cuida-se de análise de ordem subjetiva, que poderá apresentar situações de maior ou menor complexidade, a depender do caso concreto. De fato, não há como estabelecer critérios objetivos, por exemplo, o tipo de roupa, a tonalidade da voz ou corte de cabelo, entretanto, como bem ponderou o eminente Ministro Celso de Mello, havendo suspeita de prática fraudulenta ou abusiva, “caberá ao oficial do registro civil das pessoas naturais a instauração do processo administrativo de dúvida”.
 
DO REQUISITO DE ORDEM OBJETIVA: DOCUMENTOS APRESENTADOS EM CARTÓRIO
 
Conforme narrado acima, a alteração do prenome e do sexo decorrem do direito de autodeterminação dos transgêneros, com base no princípio da dignidade da pessoa humana, de modo que dispensa-se a produção de provas para essa finalidade. Contudo, o ordenamento jurídico brasileiro impõe aos Oficiais do Registro Civil, dentre outros, o dever de zelar pela segurança jurídica dos atos que pratica, nos termos do art. 1o, caput, da Lei no 8.935/94.
 
Assim sendo, enquanto o CNJ ou Corregedorias Estaduais não normatizam o tema, levando-se em consideração a eficácia erga omnes e vinculante da referida decisão, é recomendável que sejam exigidos em cartório os seguintes documentos:
I – Requerimento formulado pelo(a) interessado(a) na alteração do prenome e sexo;
II – Cópia autenticada do RG;
III – Cópia autenticada do CPF;
IV – Cópia autenticada do título de eleitor ou certidão equivalente emitida pela Justiça Eleitoral;
V – Declaração de residência(s) dos últimos 10 (dez) anos;
VI – Certidão de nascimento ou casamento;
VII – Certidões de antecedentes criminais emitidas pelas polícias federal e estadual, nos locais
em que o interessado manteve domicílio nos últimos 10 (dez) anos;
VIII – Certidões dos distribuidores cíveis e criminais das Justiças Estadual e Federal, emitidas
nos locais em que o interessado manteve domicílio nos últimos 10 (dez) anos.
 
Desta feita, com base nesses documentos é realizada a retificação no assento do registro civil, devendo constar na respectiva certidão, obrigatoriamente, os números do RG, CPF e do título eleitoral, de forma a evitar eventuais tentativas de fraude.
 
Posteriormente, munido da nova certidão de registro civil, o(a) interessado(a) deve providenciar junto aos órgãos competentes a atualização de seus documentos, todavia, sem a modificação da correspondente numeração cadastral.
 
É importante ressaltar que a alteração se dá somente em relação ao sexo e ao prenome, não se admitindo a supressão de sobremone, com exceção do agnome familiar. Este, em razão de tratar-se de alcunha que tem a função diferenciar os membros de uma mesma família, por
exemplo, “fulano de tal filho” (sobrinho, neto, junior, segundo, etc), por força do princípio da veracidade registral, uma vez modificado o prenome do(a) interessado(a), o referido agnome deve ser suprimido do nome modificado. Todavia, se com a modificação do prenome, o nome completo do(a) interessado(a) passar a ser idêntico a de outro familiar, deve ser inserido o agnome correspondente, por exemplo, “fulana de tal filha”. Além disso, em decorrência da alteração do prenome e sexo do(a) interessado(a), é possível que seja realizada a averbação, também, no assento de nascimento de seu filho, se for o caso, que no campo filiação deverá constar o novo nome do(a) interessado(a).
 
Na hipótese do(a) interessado(a) tratar-se de pessoa casada, o Oficial de Registro deve providenciar a devida anotação no assento de nascimento correspondente.
 
Finalizando, resta dizer que o todo procedimento deve ficar arquivado em pasta própria na serventia extrajudicial, sendo proibido constar na certidão emitida pelo cartório qualquer informação que viole o direito à intimidade do(a) interessado(a), de maneira que a certidão de
inteiro teor somente pode ser fornecida mediante requerimento do(a) próprio(a) registrado(a) ou em decorrência de ordem judicial.
 
1 Carlos Magno Alves de Souza é Oficial do Registro Civil das Pessoas Naturais do Subdistrito de Brotas – Comarca de Salvador/BA e Vice-Presidente da Associação dos Registradores Civis das Pessoas Naturais do Estado da Bahia – ARPEN/BA; Especialista em Direito Notarial e
Registral pela Universidade Anhanguera; e Especialista em Direito Público pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Deixe seu comentário
 
 
56748

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 128.668.823
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Na entrevista da semana, João Aguirre fala sobre o importante papel dos cartórios na consolidação da cidadania

LEIA MAIS