Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

TJ/SP: Alesp aprova projeto que altera destinação das taxas judiciárias

Publicado em: 03/07/2018
E, PL e PJ buscam melhorias à prestação jurisdicional.
 
A Assembleia Legislativa aprovou, na quinta-feira (28), o PL 305/18 que modifica para 60% o valor arrecadado com as taxas judiciárias que devem ser destinados ao Fundo Especial de Despesas do Tribunal de Justiça de São Paulo. Essa reivindicação, antiga do Judiciário paulista, exigiu intenso trabalho de relacionamento e esclarecimento com os parlamentares, aprimorando a convivência harmônica entre o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.

O PL 305/18, encaminhado à Alesp pelo governador Márcio França, contou com o apoio do presidente daquela Casa, Cauê Macris, e relatoria dos deputados Roque Barbiere (Comissão de Constituição e Justiça/CCJ) e Gilmar Gimenes (Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento).

O PL altera a lei 11.608/03 (que dispõe sobre a taxa judiciária), dobrando a participação do TJ no montante arrecadado. Além disso, outros 10% são revertidos para pagamento de diligências de oficiais de Justiça e serão mantidos.

Segundo o presidente do TJSP, desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, a importância da aprovação desse PL não está restrita ao atendimento das necessidades e demandas atuais. “Podemos comemorar mais um passo importante na concretização da independência financeira do Poder Judiciário paulista e isso nos dará condições de aprimorar a prestação jurisdicional. Investiremos, cada vez mais, na atividade-fim, que é a distribuição de justiça, sempre dentro dos preceitos constitucionais da razoável duração do processo, sem nos esquecermos das condições de atendimento aos jurisdicionados e de trabalho dos servidores e magistrados que dão o melhor de si em todas as unidades judiciais do Estado.”

Além da reunião com o Colégio de Líderes na qual o presidente Pereira Calças expôs as necessidades do TJSP, os juízes assessores da Presidência Leandro Galluzzi dos Santos e Marco Fábio Morsello e o juiz diretor da 1ª Região Administrativa Judiciária (1ª RAJ), Régis de Castilho Barbosa Filho acompanharam pari passu a tramitação do PL.

Fonte: TJ/SP
Deixe seu comentário
 
 
335680

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 122.381.919
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo - De 2010 a 2018: a discussão brasileira sobre uma lei geral de proteção de dados – Por Bruno R. Bioni

LEIA MAIS