Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

CONARCI debate o novo regramento nacional de mediação e conciliação

Publicado em: 13/09/2018
Foz do Iguaçu (PR) – O juiz de direito paulista Alberto Gentil de Almeida Pedroso e o presidente da Associação dos Notários e Registradores do Estado do Paraná (Anoreg/PR), Angelo Volpi Neto, subiram ao palco do Congresso Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (CONARCI), que está sendo realizado na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, para debaterem o segundo tema do encontro, que tratou sobre “Mediação e Conciliação”.


 
O magistrado paulista iniciou sua fala destacando o fato do Brasil ser um País extremamente litigioso, com mais de 100 milhões de processos em tramitação, com cerca de 200 milhões de pessoas – praticamente sua população em conflito. Diante dessa realidade e da falta de condições de dar conta de tamanha demanda “faz-se necessária uma ruptura no modelo tradicional de prestação jurisdicional”.
 


Segundo Gentil, no processo não estão refletidos efetivamente os problemas das pessoas “e, na maioria das vezes, este se encerra com a sentença, mas o problema permanece”. “As pessoas não conseguem sentar para resolver seus problemas, tamanho o grau de litigiosidade que nossa sociedade vive”, disse Gentil, fazendo referência à própria formação dos profissionais da área, totalmente voltada ao litígio e ao processo.
 
Ao abordar o Provimento nacional que regulamentou a prática de mediação e conciliação por notários e registradores, o magistrado o considerou democrático, abrindo a possibilidade de entrada da atividade nesta atribuição. “O serviço extrajudicial é dotado de competência e qualidade para dar efetividade a este novo serviço”.
 
Segundo Alberto Gentil, todas as especialidades extrajudiciais podem atuar em qualquer tipo de casos de mediação e conciliação, principalmente o registro civil “por ser o único braço do Estado em diversos municípios do País. O juiz também destacou que a regulamentação relativa aos emolumentos “merece uma reflexão mais aprofundada, por não serem condizentes com o grau de exigência e estrutura demandados dos serviços extrajudiciais”, mas que estes devem ser trabalhados em legislação estadual específica que permita uma justa cobrança para a prestação deste serviço. “A regulamentação foi um primeiro passo, agora são precisos os aprimoramentos que certamente virão”, disse.
 
Já o presidente da Anoreg/PR destacou a origem histórica dos procedimentos de mediação e foi enfático ao criticar a excessiva regulamentação estipulada pelo Provimento nº 67 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). “A lei de mediação e conciliação diz que este é um ato extrajudicial, e o Judiciário regulamentou nossa atuação de forma judicial, fugindo totalmente do espírito da Lei”, afirmou.


 
Angelo Volpi também lamentou a cultura do litígio, originada desde o início da preparação dos profissionais da área do Direito. “Em síntese, a mediação e a conciliação vem para solucionar um problema de comunicação, já que as pessoas não conseguem mais se respeitarem, colocarem-se no lugar do outro e, de forma conciliatória, buscarem uma composição. Por isso a necessidade de um terceiro imparcial para, por meio das técnicas corretas, buscar conduzi-las a um caminho de solução de conflitos”, disse.


 
Por fim, o presidente da Anoreg/PR também se posicionou a respeito da possibilidade de todas as atribuições façam todos os atos de conciliação e mediação. “Esta disputa é algo secular em nossa atividade, mas que temos que superar. A lei fala sobre nos limites de sua competência, mas isso é muito vago e distante da prática. Tenho comigo que há espaço para todos e não vejo problema que todos façam todos os tipos de mediação e conciliação em suas unidades”, finalizou.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa

Deixe seu comentário
 
 
930743

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 123.834.623
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Cases de sucesso entre cartórios e órgãos públicos são destaques no CONARCI

LEIA MAIS