Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

IBDFAM: Revista Científica do IBDFAM traz decisão comentada sobre reconhecimento incidental de união estável no processo de inventário 

Publicado em: 08/11/2018


Além dos artigos científicos e jurisprudência selecionada, a Revista IBDFAM Famílias e Sucessões também possui uma seção de decisão comentada. Na edição 28, Fernanda Tartuce, presidente da Comissão de Processo Civil do IBDFAM, comentou o “Recurso Especial 1.685.935-AM - Reconhecimento incidental de união estável em inventário”, julgado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A advogada afirma que o reconhecimento incidental de união estável merece elogios por contemplar valores importantes como a economia processual e a instrumentalidade. Por outro lado, ela reforça que a possibilidade de reconhecimento incidental da união estável alegada por um dos potenciais herdeiros, no curso do procedimento especial de inventário, é controvertida na jurisprudência. No plano normativo, a lei não trata do tema explicitamente.

“Vale apontar que o tema costuma gerar polêmica. Quando alguém que se diz ex-companheiro (a) alega a existência de união estável em um processo de inventário, os herdeiros, geralmente familiares do falecido, costumam negar a ocorrência”, diz.

Por isso, no cenário atual, de acordo com Fernanda Tartuce, há divergência em alguns casos em que os magistrados aceitam promover a análise da alegada união estável nos autos do inventário, enquanto em outros feitos os juízes remetem a discussão a um processo autônomo. “Se aprovada, a norma material deixará evidente a possível consideração de suficiência da prova documental para aferir a ocorrência”, ressalta.

A advogada explica que o acórdão do STJ foi indicado como fundamento para a apresentação, por parte de um senador da República, do Projeto de Lei n. 8.686/2017. “A proposta visa a inserir no artigo 1.723 do Código Civil o § 3º com o seguinte teor: ‘A união estável poderá ser reconhecida no inventário desde que comprovada por documentos incontestes juntados aos autos do processo’”, finaliza.

Para conferir a decisão comentada por Fernanda Tartuce na íntegra e outros destaques da edição 28, assine agora a Revista Científica do IBDFAM.

Fonte: IBDFAM
Deixe seu comentário
 
 
848752

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 124.964.322
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Jornalista e professor da USP, Clóvis de Barros ministrará palestra no XX Congresso Brasileiro de Direito Notarial e de Registro 

LEIA MAIS