Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Juristas – Casamento homoafetivo aumenta 10% no Brasil, enquanto união entre homem e mulher recua, aponta IBGE 

Publicado em: 08/11/2018


Os brasileiros estão se casando menos e se divorciando mais, segundo as Estatísticas do Registro Civil 2017, divulgadas nesta quarta-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com os dados, em 2017, o Brasil registrou 1.070.376 casamentos civis, com redução de 2,3% em relação a 2016. No entanto, os casamentos homoafetivos tiveram aumento de 10%, passando de 5.354 para 5.887, com destaque para o avanço de 13,8% no Centro-Oeste.

Para a advogada Chyntia Barcellos, membro da Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), esse aumento entre casais homoafetivos é reflexo da consolidação das conquistas de direitos, como a equiparação da união estável pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em 2011, e a possibilidade do casamento pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em 2013.

“É preciso considerar o período de adaptação depois dessas mudanças. Aos poucos, percebemos a mudança  de comportamento, até mesmo cultural, fazendo com que as pessoas se sintam mais empoderadas, especialmente em Goiás, pela cultura machista e ruralista que temos”, opina Barcellos.

Ela ainda destaca que outras conquistas relativas aos direitos LGBTI+ fortalecem cada vez mais os casais homoafetivos e provocam neles a necessidade de formalização dos seus vínculos. “Além disso, temos a questão da maior aceitação da família, do local de trabalho na concessão de benefícios legais e da sociedade como um todo”, analisa Barcellos.

Ameaça a direitos 
 
A vitória de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições presidenciais tem gerado receio e insegurança em muitos brasileiros quanto aos direitos LGBTI+, principalmente em relação à união homoafetiva. Sobre o risco de o próximo governo retirar direitos já conquistados, Chyntia Barcellos tranquiliza e defende que, neste momento, “é preciso ter calma e não pânico”.

“Várias pessoas entraram em contato comigo sobre a corrida nos cartórios para o casamento homoafetivo ou a validade das uniões estáveis. A recomendação que sempre dou é que o casamento é um ato formal, mas envolve sentimentos, não apenas questões patrimoniais. A decisão não deve ser movida por medo. Se por amor já pode trazer consequências, imaginem ao contrário?”, conta.

Ela explica que, em 2011, ministros do STF, ao julgarem a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4277 e a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 132, reconheceram a união estável para casais do mesmo sexo. Desta forma, tal entendimento amplia o artigo 226, da Constituição Federal, visando garantir direitos e deveres à esfera jurídica daqueles que têm um relacionamento público, duradouro e contínuo com outra pessoa do mesmo sexo.

“No cenário que temos hoje, somente uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) poderia provocar mudanças. Qualquer outra lei a ser aprovada no Congresso já nascerá morta por inconstitucionalidade. Além disso, quanto a  medidas provisórias e/ou decretos presidenciais, estes têm aplicação limitada, sem a possibilidade de fazer essas mudanças”, afirma a advogada.

Chyntia Barcellos ainda pontua que a Resolução n. 175/2013 do CNJ, que possibilitou o casamento civil entre casais homossexuais, é ato administrativo do Poder Judiciário e também não pode ser revertida. Diante disso, ela destaca que não é preciso pressa nem pânico para buscar o casamento. A não ser que isso já esteja nos planos do casal.

“A OAB preza pelo Estado Democrático de Direito e pela ordem constitucional. Esse posicionamento jamais mudará e nós continuaremos combatendo qualquer arbitrariedade que venha a ser provocada pelo novo governo”, finaliza.

Fonte: Juristas
Deixe seu comentário
 
 
240443

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 124.963.284
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – G1 – Casamento LGBT cresce 25% no país, diz associação; profissionais oferecem serviços gratuitos para celebrações 

LEIA MAIS