Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Migalhas - Em 1939, mulher precisou comprovar virgindade para não ter casamento anulado

Publicado em: 10/05/2019
Era 1939 quando Pedro*, um comerciante de Cuiabá/MT, conheceu a jovem Florinda*. Após o encantamento inicial, os dois começaram a namorar e ficaram noivos. Foram dois anos de noivado até que chegou o dia do casamento, uma sexta-feira, 27 de junho de 1941.

No entanto, no dia seguinte após a realização do sonho, a jovem Florinda foi devolvida à mãe pelo próprio marido, acusada de não ter se casado virgem.

Na segunda-feira seguinte ao casamento, em 30 de junho de 1941, a ‘Acção Ordinária de Nulidade de Casamento’ foi autuada no Juízo de Direito da Comarca da Capital. “Tremenda, entretanto, foi a sua decepção, quando ao realizar no seu leito conjugal o ato que constitui a função principal do matrimônio, chegou a dura realidade de que fora enganado, encontrando sua esposa desvirginada”, alegou o advogado na peça inicial. Pedro acabou devolvendo a esposa à família dela, “por repugná-lhe aceitá-la como tal”. O homem alegou ter sido enganado durante todo o período de noivado, pois a noiva teria ocultado “a sua prometida tão grave falta – a mácula de sua desonra”.

Florinda teve de passar, a pedido do marido, por um exame para que fosse avaliado o defloramento da jovem. Posteriormente, dois peritos foram nomeados para realizar outro exame, assim como um assistente técnico indicado por Pedro.

Porém, ao contrário do que pensava o marido, todos os examinadores responderam que o ‘desvirginamento’ da jovem seria recente, com menos de oito dias, e que seria possível que Florinda tivesse tido sua primeira relação sexual exatamente no dia do casamento.
Ao contestar a ação judicial, a defesa de Florinda destacou que a mulher era uma moça “modesta, de vida recatada e de conduta irrepreensível”, e questionou a boa-fé do noivo.

Apesar de todo o transtorno causado à vida de Florinda e de sua família, em 11 de agosto de 1941, menos de dois meses após a ação ter sido ajuizada, o advogado de Pedro apresentou uma petição desistindo da ação ordinária de anulação de casamento anteriormente proposta. O comerciante teria se reconciliado com a esposa por ter verificado a improcedência da referida ação, “cujo laudo pericial junto aos respectivos autos bem demonstra o equívoco do suplicante”.

Apesar de parecer absurdo, o caso é uma das histórias contidas no arquivo do Fórum de Cuiabá, descobertas por meio do projeto Memória Judiciária, desenvolvido pela Coordenadoria de Comunicação do TJ/MT. A história demonstra que a inexistência de virgindade das causas da nulidade do casamento.

E de fato, o Código Civil de 1916 previa, em seus artigos 178 e 219 que, em casos nos quais o homem descobrisse, em até dez dias, que a esposa não havia se casado virgem, era possível pedir a anulação do casamento.

Em setembro de 1980, a senadora Eunice Michiles apresentou o PL 237/80. A proposta revogava os dispositivos. Apesar de ter sido aprovada pela CCJ do Senado, no entanto, o projeto foi arquivado cinco anos depois.

A previsão do CC/1916 só foi revogada com a entrada em vigor do Código Civil de 2002.

Atualmente, os motivos pelos quais um casamento pode ser anulado são previstos no artigo 1.550 do CC/02.
Art. 1.550. É anulável o casamento:

I - de quem não completou a idade mínima para casar;
II - do menor em idade núbil, quando não autorizado por seu representante legal;
III - por vício da vontade, nos termos dos arts. 1.556 a 1.558;
IV - do incapaz de consentir ou manifestar, de modo inequívoco, o consentimento;
V - realizado pelo mandatário, sem que ele ou o outro contraente soubesse da revogação do mandato, e não sobrevindo coabitação entre os cônjuges;
VI - por incompetência da autoridade celebrante.
*Os nomes foram alterados para preservar a identidade das partes do processo.
 

Fonte: Migalhas
Deixe seu comentário
 
 
67169

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 128.718.350
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Justiça gratuita e Edital de citação

LEIA MAIS