Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Conferência de abertura do Encoge destaca desafios da Justiça brasileira

Publicado em: 17/05/2019
Com o tema “Missão Correcional na Era da Incerteza”, a primeira conferência do 81º Encontro do Colégio Permanente de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil (Encoge) foi ministrada pelo ex-presidente e ex-corregedor geral da Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, desembargador José Renato Nalini. 


 
Nalini iniciou sua apresentação afirmando que o Brasil vive uma década perdida – com recuos na previsão do PIB, sucateamento da indústria, fuga de capital humano e a fragilidade da democracia. “Precisamos, com urgência, de reformas estruturais. E não apenas a reforma da Previdência, mas também uma reforma tributária e uma reforma política. Esse cenário pode influenciar o universo do Judiciário? É evidente que sim. Até porque tudo no Brasil é submetido à apreciação judicial. O Brasil é uma republica federativa judicializada. O hobby do brasileiro não é mais o futebol, é litigar. Não é saudável, nem democrático, termos 100 milhões de processos no Poder Judiciário, fazendo com que juízes não tenham, sequer, tempo para se requalificar”, afirmou Nalini. 

Na sequência, o magistrado criticou os atuais concursos para ingresso no Poder Judiciário. Segundo ele, o modelo adotado no Brasil para qualquer cargo público, prioriza a memorização em detrimento de outros atributos. “Criamos uma cultura concurseira que produz legiões de pessoas ávidas em disputar qualquer cargo das carreiras jurídicas do Brasil. Esses concursos exigem apenas a decoração. É preciso saber toda a legislação, toda a doutrina... Não é possível que prossigamos desta forma. Decorar não torna ninguém inteligente. Pode até tornar alguém mais erudito, mas um técnico incessível faz justiça? Ainda mais em um país com tantas injustiças? Nós precisamos pensar esse aspecto. Precisamos pensar em melhorar”, disse Nalini.


 
O desembargador José Renato Nalini fechou sua conferência destacando que na era da tecnologia, a nova missão correcional é tornar os processos mais humanos. “Produzir sentenças não equivale, automaticamente, a fazer justiça. É hora de cuidar da mente do juiz, não de sua capacidade técnica. É urgente conscientizar o juiz de que a ele foi atribuída a missão transcendental de reduzir a carga de angústia, sofrimento, aflição que recai sobre os semelhantes. Não é fácil, mas também não é impossível. No mundo das incertezas, há pelo menos uma certeza: o poder simbólico do juiz, cuja ética responsável avalizará o compromisso de edificar um mundo melhor. Justiça humana para seres humanos, essa é a missão transformadora”, concluiu ele.

Fonte: Assessoria de imprensa
Deixe seu comentário
 
 
655798

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 130.704.170
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Tribunal de Justiça de São Paulo recebe cerimônia de abertura do 81º Encoge

LEIA MAIS