Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Ministério da Justiça: Ministério da Justiça e Segurança Pública tem papel de autoridade central em questões relativas à Convenção de Haia sobre Citação

Publicado em: 05/06/2019
A adesão brasileira à Convenção de Haia sobre Citação, ou “Convenção Relativa à Citação, Intimação e Notificação no Estrangeiro de documentos judiciais e extrajudiciais em matéria civil e comercial” passou a ser vigente no plano jurídico externo nesta segunda-feira (3). O tratado, firmado na Haia, em 15 de novembro de 1965, foi promulgado pelo Decreto nº 9.734/2019.

O decreto confere ao Ministério da Justiça e Segurança Pública o papel de Autoridade Central para a Convenção. Nos casos de tramitação das citações, intimações ou notificações de documentos judiciais em que a Convenção se aplicar, o procedimento tomado ficará a cargo do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), sem a necessidade da intervenção de representantes diplomáticos ou consulares.

Com a entrada em vigor, a Convenção passa a ser o canal preferencial para o envio dos pedidos e abre a possibilidade do envio para alguns países que não possuíam parceria prévia com o Brasil neste tipo de tramitação. Em algumas situações (confira aqui) , a parte interessada poderá decidir se baseia o seu pedido neste instrumento ou em acordos internacionais já vigentes.

Os pedidos devem ser feitos em português, acompanhados de versão no idioma do país ou região a que se destinam, salvo quando se referir aos termos padronizados no modelo de formulário de solicitação (disponibilizado pelo MJSP em formato trilíngue).

CONVENÇÃO DA HAIA SOBRE CITAÇÃO

A Convenção da Haia sobre Citação visa acelerar e conferir efetividade às comunicações de atos processuais no exterior. Além disso, permite, por meios adequados, que os documentos judiciais e extrajudiciais objetos de citação, intimação ou notificação no estrangeiro sejam levados ao conhecimento do destinatário em tempo hábil e assim, melhorando a organização do auxílio jurídico mútuo.

Fonte: Ministério da Justiça
Deixe seu comentário
 
 
468989

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 132.928.170
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Inscrições do Prêmio de Qualidade Total da Anoreg/BR (PQTA) são prorrogadas até 10 de julho

LEIA MAIS