Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Correio Braziliense - Entenda o divórcio impositivo, norma barrada pela Corregedoria do CNJ

Publicado em: 05/06/2019
Na prática, um dos cônjuges não poderá pedir a certidão de divórcio em um cartório, caso a decisão não seja consensual

O corregedor-nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, revogou uma norma do Tribunal de Justiça de Pernambuco que permitia o chamado "divórcio impositivo". Na prática, um dos cônjuges não poderá pedir a certidão de divórcio em um cartório, caso a decisão não seja consensual.

O tema ganhou destaque após a Corregedoria-Geral de Justiça de Pernambuco (CGJ-PE) emitir o provimento n° 6/19, que regulamenta o procedimento de divórcio unilateral, ou seja, realizado apenas por um dos cônjuges. O TJ do Maranhão também aderiu à norma, publicada no provimento n° 25/19.

Hoje, um casal pode pedir o divórcio em um cartório, de forma extrajudicial, ou na Justiça. No primeiro caso, por ser mais rápido, só poderá ser feito de forma consensual — quando não há conflito entre as partes.

"Quando não há acordo entre os dois, por exemplo, na questão de partilha de bens, então, precisa-se da intervenção do Ministério Público, e o divórcio só poderá ser realizado via judicial", explicou Carter Batista, sócio do Osorio & Batista Advogados. Nos casos em que o casal tem filhos, este também só poderá ser feito por meio do MP, que garante o direito das crianças.

De acordo com o corregedor-nacional, o ordenamento jurídico brasileiro não permite que o divórcio seja realizado extrajudicialmente quando não há consenso, e, por isso, não deve ser autorizado pela Justiça estaduais. "As hipóteses de divórcio extrajudicial são apenas as descritas na lei, não havendo possibilidade de se criar outras modalidades sem amparo legal", escreveu Martins na decisão.

Martins também recomendou que os tribunais que editaram normas nesse sentido, revoguem a decisão. "O que o corregedor fez foi apenas adequar à realidade que é legalmente prevista. O Código Civil prevê o divórcio extrajudicial apenas em caso de consentimento mútuo", comentou Batista.

"Pode dar a entender que ele está proibindo o divórcio. Mas ninguém é obrigado a permanecer casado. Só que cada uma das partes tem direito próprios. Quando há dissolução do casamento, e as partes não chegam em um consenso, esse conflito só pode ser resolvido pelo juiz", disse

Fonte: Correio Braziliense
Deixe seu comentário
 
 
213472

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 133.060.375
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Ministério da Justiça: Ministério da Justiça e Segurança Pública tem papel de autoridade central em questões relativas à Convenção de Haia sobre Citação

LEIA MAIS