Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Gazeta do Povo – Casamento infantil atinge 115 milhões de meninos no mundo 

Publicado em: 10/06/2019
Quando se trata de casamento infantil, na maioria das vezes os estudos se referem a meninas. Apesar de os casos de casamentos precoces terem maior incidência no sexo feminino, um grande número de meninos em todo o mundo casa-se antes dos 18 anos de idade. Isso é o que mostra um levantamento divulgado pelo Unicef – o fundo das Nações Unidas para a infância.

De acordo com o estudo, estima-se que 115 milhões de meninos e homens em todo o mundo casaram-se quando crianças. Destes, 1 em cada 5 – ou 23 milhões de crianças – casaram-se antes mesmo dos 15 anos.

O levantamento usou dados de 82 países e revela que o casamento infantil de meninos ocorre em vários países, sendo mais comum na África Subsaariana, América Latina e Caribe, Sul da Ásia e o Leste Asiático e Pacífico.

"O casamento rouba a infância", disse a Diretora Executiva do Unicef, Henrietta Fore, ao apresentar o estudo. “Os noivos infantis são forçados a assumir responsabilidades adultas para as quais podem não estar preparados. O casamento precoce traz a paternidade precoce e, com isso, aumenta a pressão para que o menino sustente a família, reduzindo o acesso à educação e às oportunidades de emprego”, acrescentou.

Ainda de acordo com os dados, a República Centro-Africana tem a maior prevalência de casamento infantil entre os homens (28%), seguida pela Nicarágua (19%) e Madagáscar (13%).

"O casamento antes dos 18 anos é uma violação fundamental dos direitos humanos. Muitos fatores interagem para colocar uma criança em risco de casamento, incluindo a pobreza, a percepção de que o casamento proporcionará 'proteção', honra familiar, normas sociais, leis consuetudinárias ou religiosas que tolerem a prática, uma estrutura legislativa inadequada eo estado de um país. sistema de registro civil. Embora a prática seja mais comum entre meninas do que meninos, é uma violação de direitos, independentemente do sexo.
Unicef"

Meninos e meninas
Somados os meninos que se casaram crianças às 650 milhões de meninas e mulheres hoje vivas que também se casaram ainda crianças, o número total de noivas e noivos infantis chega a 765 milhões. Os números mostram que as meninas são muito mais afetadas globalmente: 1 em cada 5 mulheres jovens com idades entre os 20 e os 24 anos casou-se antes dos 18 anos, em comparação com 1 em cada 30 rapazes.
O Brasil supera a média mundial de casamentos infantis de meninas. Segundo os dados do Unicef, 36% das mulheres com idade entre 20 e 24 anos contraíram matrimônio antes dos 18 anos. O porcentual supera também a média registrada na América Latina e Caribe, que é de 25%.

Os pesquisadores da Unicef observam que, embora a prevalência, as causas e o impacto do casamento infantil de meninas já tenham sido amplamente estudados, pouca pesquisa existe sobre o casamento infantil de meninos. “Mas independentemente do gênero, sabe-se que as crianças com o maior risco de contrair matrimônio provêm dos agregados familiares mais pobres, vivem em áreas rurais e têm pouca ou nenhuma educação”, diz o relatório.

“Precisamos lembrar que casar meninos e meninas enquanto eles ainda são crianças vai contra os direitos consagrados na Convenção sobre os Direitos da Criança”, reforçou Fore.

O Unicef ressalta que as estimativas da prevalência global e regional de casamentos infantis são calculadas com base nas estimativas nacionais das bases de dados globais do fundo das Nações Unidas, compostas de dados nacionalmente representativos de 82 países. “Os dados nacionais sobre o casamento infantil são extraídos principalmente de pesquisas domiciliares, incluindo Inquéritos de Indicadores Múltiplos apoiados pelo Unicef e Inquéritos Demográficos e de Saúde (DHS). Os dados demográficos são extraídos do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, Divisão de População”, observa.

Fonte: Gazeta do Povo
Deixe seu comentário
 
 
135296

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 129.387.934
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

OAB/SP nomeia novos integrantes para a Comissão Especial de Direito Notarial e de Registros Públicos

LEIA MAIS