Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Sempre Família - Quais documentos devem ser renovados após o reconhecimento de paternidade

Publicado em: 12/09/2019
Ser reconhecido como filho é um direito fundamental garantido pela Constituição Federal, pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e pelo Código Civil

Para muitas crianças e adultos, a falta do nome do pai na certidão de nascimento é uma lacuna grande a ser fechada em sua própria história. Claro, muito mais do que o nome do pai, eles querem conhecer e mesmo relacionar-se com este homem. Por isso, é um alívio quando a paternidade é reconhecida, tanto para o filho quanto para as mães que, por vezes têm de lutar arduamente por esse direito.

Mas, depois do reconhecimento, o que fazer com todos os registros e certidões que já foram emitidos sem a filiação paterna? De acordo com a advogada Nicolly Lottermann Dal’Apria, especialista em processo civil e membro do Grupo de Discussão Permanente de Direito de Família da OAB Paraná, é preciso fazer a retificação de todos os documentos. “Inclusive a certidão de nascimento deve ser alterada. De acordo com o art. 54, §7º, deve conter no assento de nascimento os nomes e prenomes, a naturalidade e a profissão dos pais”, destaca.

Como fazer a alteração dos principais documentos, após o reconhecimento de paternidade:

Certidão de Nascimento

– Deve ser alterada no mesmo cartório de registo no qual foi feita a original.  O custo da segunda via da Certidão de Nascimento pode variar dependendo do cartório.

Registro Geral (RG)

– Deve-se solicitar a segunda via da carteira de identidade em um dos postos do Instituto de Identificação da sua cidade. O valor varia entre os estados, mas, em geral, pode-se fazer agendamento pela internet.

Cadastro de Pessoa Física (CPF)

– Não é necessário alterar, pois a Receita Federal exige apenas o nome da mãe.

Passaporte

– De acordo com o site da Polícia Federal, não é possível renovar o passaporte vigente. É necessário solicitar um novo passaporte, que poderá ser feito com os documentos que incluem a paternidade. O ideal é levar os documentos antigos, a comprovação da paternidade e os novos documentos para que seja feita a averiguação necessária. A taxa para emitir o passaporte comum brasileiro padrão ICAO, cor azul, é de R$ 257,25. Outras informações podem ser obtidas no site da Polícia Federal.

Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)

É necessário fazer a solicitação da segunda via da carteira de trabalho e levar todos os documentos já alterados com o reconhecimento da paternidade. A emissão da nova carteira de trabalho é gratuita e o agendamento pode ser feito pela internet, pelo site do Ministério do Trabalho ou então indo direto a um posto de atendimento em sua cidade.

Título de eleitor

A alteração de dados cadastrais do Título de Eleitor deve ser feita com a apresentação dos documentos retificados, que comprovem a alteração, como a carteira de identidade. Além disso é preciso levar um comprovante de residência com CEP. O agendamento pode ser feito no site do Tribunal Regional Eleitoral de seu estado. Você pode consultar a lista de portais no site do Tribunal Superior Eleitoral. 

Carteira Nacional de Habilitação (CNH)

Para alterar a CNH, o solicitante deve comparecer a uma unidade do Detran em sua cidade levando um documento oficial com foto atualizado com o reconhecimento de paternidade. O custo varia entre os estados.

Reconhecimento de paternidade é direito garantido por lei

Ser reconhecido como filho é um direito fundamental defendido pela legislação brasileira de maneira ampla. Nicolly ressalta que o reconhecimento de paternidade é garantido pela Constituição Federal (artigo 226 inciso 7º), pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90), pelo Código Civil (arts. 1.607 ao 1.617) e pela Lei nº 8.560/92.

Segundo a advogada, fora da vigência do casamento, em que existe a presunção da paternidade disciplinada pelo artigo 1597 do Código Civil, o filho pode ser reconhecido de maneira voluntária ou judicial para estabelecer a relação pai e filho e dar origem aos efeitos jurídicos dessa relação. “Este direito é o sonho de muitas crianças que desejam ter em sua certidão o nome do pai, bem como carregar em seus documentos os sobrenomes de ambos os pais, já que nestes casos normalmente possuem somente o sobrenome materno”, diz.

No caso de menores de 18 anos, o pedido para reconhecimento tardio pode ser feito pela mãe. A solicitação pode ser feita em cartório e pode ser resolvida em um prazo curto ou em até seis meses em casos mais complicados, já que depende da vontade do pai em assumir a criança como filho. O reconhecimento assegura outras garantias, como pensão alimentícia, convívio com o pai e direitos sucessórios. “Esse direito nunca se prescreve, ou seja, com qualquer idade o filho poderá solicitar o reconhecimento, mesmo depois de adulto”, finaliza.

Fonte: Sempre Familia
Deixe seu comentário
 
 
573096

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 132.082.829
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Provimento nº 87/2019 da Corregedoria Nacional de Justiça regulamenta a CENPROT Nacional

LEIA MAIS