Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Arpen/SP participa de evento sobre tráfico de pessoas em Foz do Iguaçu

Publicado em: 03/12/2019
A Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen/SP) participou, através do diretor da regional de Campinas, Fernando Sartori, do evento de capacitação em Investigação, Persecução e Condenação ao crime de Tráfico de Pessoas, nos dias 28 e 29 de novembro, na cidade de Foz do Iguaçu (PR). O encontro foi promovido pelo Internacional Centre for Migration Policy (ICMPD), uma organização internacional que possui 17 países integrantes e atua em 90 países.



Organizado pela coordenadora nacional de Projetos do escritório do ICMPD, Daya Hayakawa, e pela oficial nacional de Projetos do ICMPD, Fernanda Baldo, o evento contou com a presença de representantes da Justiça Federal e Estadual, Polícia Federal e Estadual, Ministério Público do Trabalho, Defensoria Pública da União e Estadual, Advocacia, Consulado do Paraguai e organizações civis envolvidas na temática da migração, do tráfico de pessoas e do trabalho escravo.

O encontro destacou o papel do Registrador Civil como uma das redes principais de enfrentamento desse tipo de crime, uma vez que os principais alvos são mulheres e crianças, e debateu diversos temas relacionados, focando especialmente no Protocolo de Palermo, adotado em 2000, ratificado pelo Estado Brasileiro, e promulgado pelo Decreto n.º 5017/2004 e pela Lei 13.344/2016.

De acordo com o protocolo de Palermo, a expressão "tráfico de pessoas" significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração. A exploração incluirá, no mínimo, a exploração da prostituição de outrem ou outras formas de exploração sexual, o trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares à escravatura, a servidão ou a remoção de órgãos.


Conforme relatou Sartori, “tanto o protocolo como a lei brasileira estabelecem que o enfrentamento ao tráfico de pessoas compreende a prevenção e o tratamento deste crime, mas principalmente a atenção, a proteção, o cuidado às suas vítimas”.

O diretor da Arpen/SP destacou ainda que foram realizados estudos sobre as formas de cooperação jurídica internacional no combate ao crime, bem como casos que tramitaram na justiça brasileira e também no exterior.

“A própria lei brasileira, no tipo penal que descreve o tráfico de pessoas, estabelece como uma de suas possíveis finalidades a adoção ilegal. Não bastasse, o Oficial de Registro Civil é profissional de direito que está presente em todos os municípios do país, sendo muitas vezes o lugar em que as pessoas mais carentes buscam as mais diversas informações, podendo, pois, contribuir na prevenção do delito e no auxílio às potenciais vítimas”, ressaltou.


 

Deixe seu comentário
 
 
714393

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 133.732.001
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Câmara - Comissão especial pode votar relatório sobre proteção de dados pessoais

LEIA MAIS