Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – UOL - Com 4.552 registros a mais, total de mortes em casa aumenta 14,6% no Brasil

Publicado em: 08/05/2020
O número de pessoas que morreram em casa desde o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil aumentou 14,6% em relação ao ano passado, segundo registros dos cartórios brasileiros.

Na prática, o País teve, nos últimos dois meses, 4.552 óbitos domiciliares a mais do que no mesmo período do ano passado, revelam dados obtidos com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo com o Portal da Transparência do Registro Civil, mantido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

A alta é ainda maior em estados com alta incidência da doença. No Amazonas, o número de mortes em casa cresceu 94,7%. No Rio de Janeiro, o aumento foi de 34,8%.

A análise refere-se ao período de 26 de fevereiro, data de registro do primeiro caso de infecção por coronavírus no Brasil, até 26 de abril - foram desconsiderados os dados dos últimos dez dias porque esse é o prazo médio que os cartórios levam para repassar suas informações para a Central de Informações do Registro Civil (CRC Nacional).

A alta de mortes domiciliares, segundo especialistas, está relacionada a fatores como dificuldade de atendimento no sistema de saúde, adiamento de idas a prontos-socorros por medo de contágio e piora repentina de quadros de covid-19.

Segundo o Portal da Transparência, 35.551 brasileiros morreram em casa neste ano no período analisado ante 30.999 no mesmo período de 2019. Houve alta em 19 dos 27 estados e em 20 capitais. No Amazonas, onde o sistema de saúde já entrou em colapso e foi registrada a maior alta, o número de óbitos em casa passou de 398 para 775 no período analisado. Na capital do estado, o aumento foi ainda mais expressivo: 120,2%, com o número de óbitos em residência saltando de 331 para 729.

Manaus não foi a capital com o maior crescimento porcentual. Belém registrou alta de 360%, passando de 10 para 46.
No Rio, o número de pessoas mortas em casa subiu de 2.512 para 3.387. São Paulo também registrou crescimento acima da média nacional: 21,8%, com o número de mortes residenciais passando de 6.826 para 8.317.

O porcentual de mortes domiciliares sobre o total de óbitos do País também cresceu, segundo os registros dos cartórios. Nos dois meses analisados de 2019, 17,6% dos brasileiros morreram em seus domicílios. No mesmo período deste ano, o índice foi de 19,8%. Nas capitais também houve aumento: no ano passado foram 20,8% de óbitos em domicílio. Neste ano, o índice subiu para 23,9%.

Para especialistas ouvidos pelo Estado, parte desse aumento está relacionada a mortes por outras doenças que foram negligenciadas pelos próprios doentes ou por serviços de saúde.

"Muitos podem estar sentindo uma dor no peito, um mal-estar, algum sintoma que, em outra ocasião, faria a pessoa ir ao pronto-socorro. Mas agora ela não vai porque está com medo do coronavírus. Só que isso pode levar a uma piora e fazer a pessoa morrer de enfarte, arritmia, derrame. Há também a possibilidade de os serviços de saúde estarem sobrecarregados e mandarem para casa pacientes que mereciam mais atenção", destaca Frederico Fernandes, presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia.

O epidemiologista Paulo Lotufo, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), diz que a falta de assistência adequada pode estar acontecendo tanto para pacientes com sintomas mais brandos de covid-19 quanto os com outras queixas.

Os dois especialistas destacam componente preocupante no caso da covid: os crescentes relatos de piora repentina e de morte súbita causada pelo vírus. "Os médicos do mundo inteiro estão estupefatos porque a pessoa vai perdendo oxigenação do sangue, mas sem sentir a falta de ar que era esperada. Há também comprometimento da circulação por causa de microcoágulos causados pelo vírus. Tudo isso pode levar a uma morte repentina", destaca Lotufo.

Manaus
A universitária Lene Freire, de 30 anos, moradora da zona norte de Manaus, viu a mãe morrer em casa após ligar para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) em 25 de abril. "Assim que ela começou a passar mal, ligamos. Mas disseram que não adiantava vir até minha casa porque nos prontos-socorros não havia balões de oxigênio suficientes."

Ela ligou mais uma vez e não foi atendida. A mãe - Sila, de 64 anos, que tinha diabete e pressão alta - morreu após meia hora. Na certidão de óbito, aparece causa indefinida. "Disseram que, se a levassem, iria morrer na frente do hospital porque não tinha equipamentos", disse. "Foi desesperador e não podíamos fazer nada." Lene foi à delegacia e lá ouviu que casos similares já haviam sido registrados.

O governo do Amazonas informou ter rede de urgência e emergência com três grandes prontos-socorros, nove serviços de pronto-atendimento, além de hospitais de campanha, e disse não haver falta de atendimento se ela não buscou os serviços. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: UOL
Deixe seu comentário
 
 
299665

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 138.053.046
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – Metrópoles - Coronavírus: mortes registradas como “indeterminadas” crescem 39% no país

LEIA MAIS