Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

IBDFAM - Projeto de lei busca estimular a adoção com busca ativa de pessoas interessadas

Publicado em: 31/07/2020
Tramita no Senado Federal o Projeto de Lei 938/2019, que altera o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA e o Código Penal para dispor sobre programas de estímulo à adoção por meio de busca ativa de pessoas interessadas em adotar crianças e adolescentes. O PL está em Consulta Pública e pode ser votado no site do Senado.

A proposta também majora a pena de delitos praticados contra menores em casos específicos: serão aumentadas em um terço se a conduta envolver imagem de criança ou adolescente inserido em política pública de adoção.

De acordo com o texto do projeto, o Poder Público desenvolverá, mediante autorização da vara da infância e da juventude competente, campanhas específicas de busca ativa para estimular a adoção de crianças e adolescentes em condições de serem adotados, de acordo com algumas regras.

Na fase preliminar, a equipe multidisciplinar analisará a situação de cada criança ou adolescente que possa ser inserido na campanha específica de busca ativa, submetendo o laudo à apreciação do juiz que decidirá sobre a inclusão da criança, do adolescente, ou do grupo de irmãos.

Publicação de imagens

O juiz responsável pela execução do acolhimento poderá autorizar a publicação de imagens da criança ou do adolescente, no âmbito da campanha de busca ativa, após oitiva do Ministério Público, e nos moldes regulamentados pelo órgão judicial, sempre apresentando o acolhido como sujeito de direitos, de forma positiva, sendo vedadas as práticas que despertem espírito caritativo em eventuais interessados em adoção, bem como vedado o relato público de fatos desabonadores a respeito do acolhido.

Para a publicação de sua imagem, a criança e o adolescente devem emitir consentimento, salvo quando não apresentarem discernimento para tanto, após receberem informações adequadas sobre o assunto, compatíveis com seu desenvolvimento cognitivo. Esse consentimento pode ser revogado a qualquer tempo pela autoridade judiciária, pela criança, pelo adolescente ou por seu responsável.

Assim, haverá a exclusão imediata da imagem da criança e do adolescente veiculada no âmbito da campanha de busca ativa, quando verificado que a finalidade foi alcançada ou a publicação deixou de ser necessária ou pertinente ao alcance do objetivo almejado, ou ainda quando deixou de atender ao superior interesse da criança ou do adolescente.

Além disso, é admitida a atuação da sociedade civil na campanha de busca ativa prevista neste projeto de lei por meio de parceria ou convênio a ser firmado com autoridade judiciária, devendo, nestes casos, ser estabelecidas como prioritárias as ações que visem a adoção de crianças e adolescentes com deficiência, doença crônica ou necessidades específicas de saúde, além de grupo de irmãos.

Especialista elogia a proposta

Silvana do Monte Moreira, advogada e presidente da Comissão da Adoção do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM, afirma que o PL 938/2019 é uma alteração necessária que desmistifica toda a busca ativa realizada por mais de 20 anos por grupos de apoio à adoção, Tribunais de Justiça e o Ministério Público.

“Visibilidade segura é mais que necessário. Essa é a forma da sociedade cumprir parte do artigo 227 da Constituição Federal, que, há 30 anos, deu origem ao ECA, essa lei balzaquiana, 35 vezes alterada e que continua a não ser cumprida”, afirma a advogada.

A advogada também destaca que não vê pontos negativos no texto do projeto. “O PL apenas traz para o ECA a prática cotidiana dos grupos de apoio à adoção e de tribunais de justiça, como o Tribunal de Justiça de Pernambuco – TJPE e sua parceria com o Sport Clube do Recife, que estão com o projeto ‘Adote um Pequeno Torcedor’. Para quem for contra esse belíssimo projeto de lei, pergunto: a quem interessa manter nossas crianças e adolescentes invisíveis?”, conclui.

Participe. Vote na consulta do PL!

Fonte: IBDFAM
Deixe seu comentário
 
 
634922

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 138.932.294
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo - Tecnologia da Informação: a total inclusão do Registro de Imóveis no meio eletrônico - por Joelson Sell

LEIA MAIS