Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Artigo – Paranashop - LGPD – Lei Geral de Proteção e Dados e sua vigência – Por Gisele Bolonhez Kucek

Publicado em: 10/09/2020
 
Nos últimos dias do mês de agosto, novamente a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei nº 13.709) esteve entre as notícias mais comentadas. Isto porque, mais uma vez, trouxe à tona a dúvida a respeito de quando a lei entrará efetivamente em vigor.
 
Desde a sua publicação, em 14 de agosto de 2018, ficou estabelecido que diante das importantes mudanças que a LGPD traria para o dia a dia das empresas, seria fundamental um período de vacatio legis para que todos pudessem se adequar as normas lá previstas. Inicialmente, ficou estabelecido que a LGPD entraria em vigor 24 meses após a sua publicação, ou seja, em 14/08/2020, salvo os artigos relativos a Autoridade Nacional de Proteção de Dados -ANPD, os quais entraram em vigor em 28/12/2018.
 
Contudo, o legislador não estava satisfeito com o prazo estabelecido na lei. Por conta disso, a Lei nº 14.010/2020 alterou parcialmente a vigência da LGPD, estabelecendo que os artigos que se referem às sanções administrativas (artigos 52, 53 e 54 da Lei) entrarão em vigor apenas em 1º de agosto de 2021. Além disso, a MP nº 959/2020, publicada em 29/04/2020, estabeleceu em seu artigo 4º que os demais artigos da LGPD (excepcionados os da ANPD e sanções) entrariam em vigor somente em 03/05/2021.
 
Ocorre que, a medida provisória tinha seu prazo de vigência estabelecido até o dia 26/08/2020, data em que o Congresso Nacional deveria finalizar a votação do Projeto de Lei de Conversão nº 34 de 2020 (oriundo da Medida Provisória nº 959 de 2020).
 
Analisando a tramitação do Projeto de Lei de Conversão nº 34 de 2020 é possível verificar que o texto encaminhado pela Câmara dos Deputados para votação pelo Senado Federal constava que a entrada em vigor da LGPD ocorreria somente em 31/12/2020.
 
O Senado Federal realizou a votação em 26/08/2020, entretanto, na comunicação encaminhada ao Presidente da República, para consequente sanção presidencial, consta a informação de que “o art. 4º da referida proposição foi declarado prejudicado” e, portanto, o prazo lá previsto não mais se concretizará.
 
Conforme prevê o art. 62, §12º da CF, a medida provisória manter-se-á integralmente em vigor até que seja sancionado ou vetado o projeto pelo Presidente, o qual possui prazo até o dia 17/09/2020.
 
Assim, diante deste complexo cenário, há quatro hipóteses a respeito da data da entrada em vigor da LGPD: 1) a tese mais adequada é de que a LGPD entrará em vigor no primeiro dia após a sanção presidencial; 2) há quem entenda que a entrada em vigor será 15 dias úteis após a sanção; 3) outra possibilidade seria a aplicabilidade imediata da LGPD, a partir da perda da vigência da MP em 26/08/2020; 4) ou ainda, a vigência da LGPD retroagiria ao dia 14/08/2020, primeiro termo inicial de vigência da lei.
 
Quanto às sanções administrativas, como mencionado acima, os referidos artigos somente entrarão em vigor em 1º/08/2021.
 
Infelizmente, este cenário traz grande insegurança jurídica, especialmente aos empresários que precisam se adequar a nova regulamentação. Contudo, é importante que as empresas busquem estar com todos os procedimentos de tratamento dos dados em total aderência à norma.
 
Uma adequação séria dos procedimentos de uma empresa, guarda e armazenamento correto dos dados que estão sob sua tutela leva, ao menos, seis meses, além do necessário investimento em tecnologia da informação. E mais, as empresas devem atentar a necessária alteração de formulários, procedimentos, contratos, não apenas no âmbito do consumidor, mas também do correto tratamento de dados de todos os seus colaboradores, tais como empregados, terceirizados e demais prestadores de serviços.
 
Importante salientar que, em que pese o fato de as sanções administrativas estarem com sua vigência suspensa até 1º/08/2021, eventuais reparações de danos morais e materiais, pelo não atendimento das normas previstas na LGPD, poderão ser imputadas aos infratores assim que a lei entrar em vigor.
 
É de fundamental importância que todos atentem a necessária adequação, tendo em mente que as empresas que tiveram a preocupação com o correto tratamento dos dados, estarão aptas a realizar parcerias com as grandes empresas que já estão adaptadas a mais esta realidade.
 
Por Gisele Bolonhez Kucek, advogada trabalhista (OAB/PR nº 40.585), pós-graduada pela Fundação Escola do Ministério Público do Paraná e Instituto Romeu Bacellar Filho, mestranda em Direito Empresarial e Cidadania pela UniCuritiba, sócia do escritório Derenne & Bolonhez Advogados Associados, associado do Assis Gonçalves, Kloss Neto e Advogados Associados

Fonte: Paranashop
Deixe seu comentário
 
 
861299

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 140.209.700
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

STJ - Quarta Turma permite alteração no registro de mulher que não se identifica com o prenome Ana

LEIA MAIS