Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

‘Registro Civil sempre foi sinônimo de cidadania’, afirma presidente da Comissão de Direito Registral e Notarial da OAB/SP

Publicado em: 14/10/2020
Rachel Leticia Curcio Ximenes de Lima Almeida é advogada, bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), mestra e doutora em Direito Constitucional, especialista em Direito Notarial e Registral pela Escola Paulista da Magistratura (EPM), e preside a Comissão Especial de Direito Notarial e Registros Públicos da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção São Paulo (OAB/SP), desde maio de 2019. Em entrevista exclusiva à Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), Rachel Almeida fala sobre a importante relação de colaboração existente entre advogados e os registradores civis, além de discorrer a respeito do papel do Registro Civil na desburocratização e desjudicialização de diversos atos. A advogada avalia, ainda, o papel desenvolvido pelos cartórios durante a pandemia de Covid-19 no estado de São Paulo.
 
Leia a entrevista na íntegra:
 
Arpen-SP – Quais são as principais atribuições e objetivos da Comissão de Direito Registral e Notarial da OAB/SP?
 
Rachel Almeida – Uma de nossas principais missões está em aproximar os advogados dos serviços notariais e de registro, construindo uma ponte entre as categorias. O conhecimento dos advogados em questões notariais e registrais pode facilitar, em muito, a execução da advocacia e o atendimento do interesse do cliente. Para tanto, buscamos propiciar o debate entre os advogados e o acesso ao conhecimento de especialistas na área, tudo para proporcionar a elucidação de dúvidas, a resolução de impasses e o desenvolvimento do Direito Notarial e de Registro em suas diversas frentes.
 
Arpen-SP – Como avalia a relação dos advogados com as serventias extrajudiciais?
 
Rachel Almeida – Essa relação está crescendo cada vez mais a partir das medidas de desburocratização do judiciário promovidas tanto pelo legislativo quanto pelo Executivo federal. Esperamos que a relação se fortaleça e que possa gerar mais confiança entre as duas categorias, considerando que uma precisa da outra, em alguns pontos, para que os serviços sejam plenamente executados.
 
Arpen-SP – Como analisa a resolução de conflitos promovida pelas serventias extrajudiciais?
 
Rachel Almeida – Acreditamos que pode ser expandida e utilizada ainda mais. Auxilia tanto no descarregamento do Judiciário quanto na consecução dos direitos do cidadão. O advogado, como representante da parte, proporciona a garantia na observação dos direitos do seu cliente e deve estar presente. Os cartórios também são representados por sujeitos investidos de fé pública, profissionais do Direito, que proporcionam toda a segurança jurídica necessária à realização de acordos. O Provimento nº 67/2018 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) foi importante para uniformizar o regramento no que tange a mediação e conciliação. Entretanto, é possível que se popularize ainda mais, o que seria benéfico a todos os envolvidos.
 
Arpen-SP – Como percebe o movimento de desjudicialização que vem sendo realizado com a ampliação de atos que podem ser praticados pela população diretamente nos Cartórios de Registro Civil?
 
Rachel Almeida – Consideramos como um dos movimentos mais significativos dos últimos anos no que se refere à prestabilidade das instituições pública – isto porque, ao desafogar o Judiciário, por exemplo, permite-se que as partes tenham acesso aos seus direitos de forma mais rápida e eficaz, além de que as demandas mais complexas, que permanecem na instância judicial, passam a receber mais atenção. Como toda mudança, houve necessidade de adaptação, mas hoje já podemos afirmar que existe confiança nos atos extrajudiciais, e inclusive, ousamos dizer, com preferência pelos usuários.
 
Especificamente no que tange ao Registro Civil, a criação dos Ofícios da Cidadania foi medida que mais uma vez utilizou-se da instrumentalidade dos cartórios para trazer eficácia ao serviço público. Registro Civil, para nós, sempre foi sinônimo de cidadania. Assim, considerá-los como tal, tendo em vista os problemas de aparelhamento que existe em nosso País, de tamanho continental, nos parece natural e inteligente.
 
Arpen-SP – Qual sua opinião a respeito dos serviços prestados pelo Registro Civil paulista durante a pandemia de Covid-19?
 
Rachel Almeida – Os cartórios, de forma geral, fizeram o possível e o impossível para que os serviços notariais e de registro não perdessem o acesso pela população. Opinamos que, do mesmo modo que os serviços judiciais são inafastáveis, os extrajudiciais também o são, e não porque são auxiliares, e sim porque desempenham atividades únicas e essenciais. Nem sempre é possível esperar para celebrar-se alguns atos da vida, como o matrimônio. Muitas vezes ele é necessário para garantir outros atos jurídicos e direitos básicos do cidadão. A adaptação feita por diversos Cartórios de Registro Civil ao remoto, ou mesmo à realização mais segura dos atos, em momento posterior, se mostrou necessária e eficaz.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Arpen-SP
Deixe seu comentário
 
 
985999

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 140.838.887
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo – Estadão - LGPD em vigor: o que fazer? – Por Marianna Furtado de Mendonça e David Rodrigues

LEIA MAIS