Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Projeto prevê inclusão de nome e sobrenome em registro de natimortos

Publicado em: 31/07/2013
Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 5171/13, que estende aos natimortos o direito de ter na certidão de nascimento nome e sobrenome. Atualmente, constam na certidão apenas o nome dos pais e a data de óbito.
 
Segundo a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), são registrados cinco mil natimortos por ano, mas, até então, sem o nome que os pais gostariam que lhes fossem dado.
 
De acordo a advogada Heloísa Helena Gomes Barboza, membro do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM), a  Lei de Registros Públicos (6.015/73) não diz "efetivamente o que cabe" no caso do registro de natimorto, que a teor da lei é um registro de nascimento, embora feito em livro próprio (C Auxiliar).
 
O PL pretende alterar a redação do § 1. º do art. 53 da Lei n.º 6.015/73, que diz "no caso de ter a criança nascido morta ou no de ter morrido na ocasião do parto, será, não obstante, feito o assento com os elementos que couberem e com remissão ao do óbito". Passando a vigorar a seguinte redação: No caso de ter a criança nascido morta, será o registro feito no livro "C Auxiliar", com os elementos que couberem, inclusive o nome e o prenome que lhe forem postos.
 
Para a advogada, a proposta é importante ao respeitar a família do natimorto no sentido de dar (e/ou registrar) um nome ao ser que não nasceu com vida, mas que "não raro já o tinha".
 
Heloísa Helena ressalta que, embora o nome, por si só, não seja bastante para atribuir personalidade jurídica, é indispensável que se respeite à dignidade daquele que está por nascer, ainda que venha a nascer morto. "Por força da humanidade que lhe é ínsita, como destacado na justificação do projeto, entendimento esse que tem amparo constitucional", destaca.
 
Conforme texto da justificativa, o projeto tem como objetivo corrigir uma lacuna existente na Lei dos Registros Públicos que causa "constrangimento e imensa angústia aos pais de crianças natimortas (nascidas mortas): o direito de dar um nome e um sobrenome a esta criança, por ocasião de seu registro próprio, como decorrência dos direitos da personalidade, que lhe devem ser reconhecidos e respeitados". Ainda de acordo com o PL há "necessidade urgente de federalizar essa concepção de personalidade".
 
No entendimento da advogada, embora preencha essa "lacuna" na Lei dos Registros Públicos a proposta não assegura o direito da personalidade porque se o feto morreu antes do nascimento, isto é, da separação do ventre da gestante,  ele literalmente nasce morto e, por conseguinte, não chega a adquirir personalidade.  "De acordo com o artigo 2º do código civil a personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida. É preciso que o nascido respire (com seus pulmões) para caracterizar a vida, caso em que será feito seu registro de nascimento, ainda que venha a morrer em seguida", esclarece Heloísa Helena.
 
O projeto será analisado de forma conclusiva pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: IBDFAM
Deixe seu comentário
 
 
272831

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 128.718.626
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Décima edição do Prêmio Innovare registra 463 inscrições

LEIA MAIS