Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Casamento no exterior prevalece para efeito de partilha no Brasil

Publicado em: 15/04/2005
Casamento realizado no exterior produz efeitos no Brasil, ainda que não seja registrado no País, por tratar-se de ato jurídico perfeito, devendo prevalecer o regime de bens vigente na ocasião da realização do matrimônio.

Com esse entendimento a 4ª Câmara Cível do TJ de Goiás, acompanhando voto do desembargador Carlos Escher, improveu por unanimidade apelação interposta por M.L.B. contra R.N.B.e manteve decisão da 1ª Vara de Família de Caldas Novas.

Segundo os autos, o pedido de separação judicial litigiosa do casal foi julgado procedente pelo juízo de primeira instância que determinou ainda a partilha de bens do casal em 50% para cada cônjuge, sob alegação de que à época da celebração do casamento vigorava no Brasil o regime legal de comunhão universal de bens.

Na apelação, a mulher alegou que deveria prevalecer o regime de comunhão parcial de bens, já que o casamento foi realizado na Argentina, em 1976, e registrado no Brasil em 1980, quando já vigorava a lei nº 6.515. Ressaltou que por esse motivo deveria ter sido feita apenas a divisão de um dos bens dela, pois os demais seriam provenientes de sucessão legítima de seus pais.

Ressaltou ainda que para que o casamento realizado no exterior surta efeitos no Brasil, é necessário que o traslado no registro civil brasileiro, exigido pela legislação.

O ex-marido sustentou que o casamento realizado entre as partes possui validade e efeitos desde a sua realização em 1976 e que deve prevalecer o regime de comunhão universal de bens, vigente na ocasião da realização do matrimônio.

A ementa recebeu a seguinte redação: "Apelação Cível. Ação de Separação Judicial Litigiosa. Casamento Realizado no Exterior. Regime de Bens. O casamento feito no exterior produz efeitos no Brasil a partir da data em que foi realizado, por tratar-se de ato jurídico perfeito, devendo prevalecer o regime de bens vigente na ocasião da realização do matrimônio".

(Proc. nº 83773-6/188 - 200402224382 - com informações do TJ-GO)

Fonte: Extraído de www.espacovital.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa
Deixe seu comentário
 
 
823756

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 132.309.506
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Regras para comissões de conciliação dividem juristas. Conselho Nacional de Justiça gera polêmica

LEIA MAIS