Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Inclusão de cor na certidão causava constrangimentos frequentes, dizem registradores

Publicado em: 16/08/2006
Constrangimentos eram frequentes, dizem registradores

Registradores de cartórios da Cidade estranharam o questionamento sobre a omissão da cor nas certidões de nascimento. Eles alegam seguir a determinação legal que desobriga a inclusão deste item no documento, mas reforçam que esses dados continuam sendo repassados aos órgãos para efeito de estatísticas.

Segundo o delegado-registrador do 1º Subdistrito de Registro Civil de Pessoas Naturais de Santos, Nélson Hidalgo Molero, antigamente, o documento do hospital que era apresentado no cartório não informava a cor do bebê. Aos funcionários do local cabia a tarefa de definir esse quesito.

"Deduziam, olhando para os pais e, às vezes, até perguntavam. Mas isso trazia muito constrangimento", comentou. "Muitas vezes, vinha o pai e declarava que o filho tinha cor negra. Depois, vinha a mãe e reclamava. Chegavam a brigar no balcão".

Molero explicou que, mesmo após a lei federal que desobrigou a inclusão da cor no documento, este item ainda era inserido até a Corregedoria Geral da Justica de São Paulo normatizar a legislação.

Com a promulgação da Constituição, em 1988, que preconiza, em seu artigo 5º, que todos são iguais perante a lei, essa questão foi automaticamente excluída do assento de nascimento. "A normatização veio depois da Constituição. Desde 1989/1990 não colocamos mais esse quesito na certidão", detalhou.

Embora o dado não conste mais no documento que os pais levam para casa, ressaltou o delegado-registrador, essa informação vem na Declaração de Nascido Vivo (DNV) expedida pelo hospital e é repassada aos órgãos que elaboram estatísticas, como o IBGE.

Na opinião de Molero, retomar a prática seria um retrocesso. "Vai voltar aquela situação das pessoas se sentirem humilhadas na hora da declaração. A cor é um fator preponderante para a identificação dos mortos, mas no nascimento as pessoas entendem como discriminação".

Enquanto vice-presidente da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen) de São Paulo e diretor-regional na Baixada Santista, ele afirmou que a polêmica já mobilizou os membros da entidade.

"Acredito que o promotor deva querer nos ouvir e precisamos nos informar. O tema é delicado e difícil de tratar", falou, enquanto mostrava o primeiro livro de registro de nascimentos, de 1 de março de 1985.

Mistura
A miscigenação do povo brasileiro e a discriminação racial são os principais fatores que levaram à omissão do quesito cor no assento de nascimento, na análise do oficial substituto do 2º Subdistrito de Registro Civil de Pessoas Naturais de Santos, Cássio Luiz Pereira.

"Em alguns casos era constrangedor. Quando não vinha esse dado na declaração do hospital, era perguntado aos pais. Alguns não sabiam responder, não sabiam que havia a cor parda".

Pereira disse não ser raro casos de pessoas que declaravam que os filhos tinham a cor branca, mas eram negros.

Se o retorno da inclusão deste item no assento de nascimento pode reforçar a auto-estima dos negros e afro-descendentes, por outro lado, acredita ele, pode ser prejudicial em alguns aspectos.

"Pode desencadear o preconceito numa entrevista de trabalho, por exemplo".

Fonte: A Tribuna - Santos
Deixe seu comentário
 
 
890

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 64.576.992
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Seminário discute formas de ampliar registro civil em comunidades tradicionais

LEIA MAIS