Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Jurisprudência Mineira - Direito de Família - Ação de reconhecimenro de união homoafetiva - Art. 226, § 3º, da CF/88

Publicado em: 20/04/2010
JURISPRUDÊNCIA MINEIRA

JURISPRUDÊNCIA CÍVEL

DIREITO DE FAMÍLIA -AÇÃO DE RECONHE¬CIMENTO DE UNIÃO HOMOAFETIVA -ART. 226, § 3º, DA CF/88 -UNIÃO ESTÁVEL -ANA¬LOGIA -OBSERVÂNCIA DOS PRINCÍPIOS DA IGUALDADE E DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA -POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO -VERIFICAÇÃO
-Inexistindo na legislação lei específica sobre a união homoafetiva e seus efeitos civis, não há que se falar em análise isolada e restritiva do art. 226, § 3º, da CF/88, devendo-se utilizar, por analogia, o conceito de união estável disposto no art. 1.723 do Código Civil/2002, a ser aplicado em conso¬nância com os princípios constitucionais da igual¬dade (art. 5º, caput e inc. I, da Carta Magna) e da dignidade humana (art. 1º, inc. III, c/c art. 5º, inc. X, todos da CF/88).

Apelação Cível n° 1.0024.09.484555-9/001 -Comarca de Belo Horizonte -Apelante: Z.M.N. -Apelada: C.S.R. -Relator: Des. Elias Camilo

ACÓRDÃO

Vistos etc., acorda, em Turma, a 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, incorporando neste o relatório de fls., na confor¬midade da ata dos julgamentos e das notas taquigráficas, em dar provimento ao recurso, ven¬cido o Vogal.

Belo Horizonte, 25 de novembro de 2009. -Elias Camilo -Relator.

NOTAS TAQUIGRÁFICAS

DES. ELIAS CAMILO -Trata-se de recurso de apelação contra a sentença de f. 110-111, que in¬deferiu a inicial da "ação de reconhecimento e dis¬solução de união homoafetiva entre conviventes c/c partilha de bens" proposta pela apelante, jul¬gando-a carecedora de ação em virtude de impossi¬bilidade jurídica do pedido, e, consequentemente, condenando-a ao pagamento das custas processu¬ais, suspensa a exigibilidade em razão da gratuidade de justiça deferida.
Fundamentando sua decisão, conclui o i. Juiz sentenciante que, não consagrando o direito pátrio a relação homoafetiva, "mesmo que estável seja a união de duas pessoas do mesmo sexo [...], ainda assim não é possível que se reconheça em tal união uma entidade familiar, a ensejar as repercussões jurídicas desse instituto" (sic, f. 110), razão pela qual, in casu, mostra-se patente a impossibilidade jurídica do pedido inicial formulado pela autora, ora apelante.
Em suas razões recursais de f. 112-119, tecendo comentários sobre a competência das varas de fa¬mília para julgar as relações homoafetivas, susten¬ta a apelante, em apertada síntese, não haver que se falar em impossibilidade jurídica do pedido na espécie, uma vez que "o art. 226 da Constituição, ao restringir o reconhecimento da união estável apenas para o relacionamento entre o homem e a mulher, colide e afronta diretamente com o caput do art. 5º da Constituição Federal, o qual garante a igualdade sem nenhuma distinção de qualquer natu¬reza, assegurando, ainda, a inviolabilidade do direi¬to à igualdade e à liberdade, dentre outros direitos da pessoa humana" (sic, f. 115).
Colacionando jurisprudência em abono à sua tese, assevera que, "a União Homoafetiva pode ser ca¬racterizada também como união estável entre pes¬soas do mesmo sexo, pois sua única diferença com a União Estável prevista no artigo supramencionado [art. 1.723/CC] é a questão dos componentes se-rem do mesmo sexo, o que configura discrimina¬ção sexual, que é veemente combatida pela Carta Magna de 1988" (sic, f. 114).
Arremata, requerendo o provimento do recurso, com a cassação da sentença de primeiro grau e regular processamento e julgamento do feito.
Sem contrarrazões da apelada, sequer integrada à lide.
Parecer da douta Procuradoria-Geral de Justiça às f. 129-137, opinando pelo provimento do recurso.
Presentes os pressupostos de admissibilidade, co¬nheço do recurso, porque próprio, tempestivamente apresentado, regularmente processado, isento de preparo em face da gratuidade de justiça deferida à apelante.
Cinge-se a controvérsia recursal à preliminar de impossibilidade jurídica do pedido de reconheci¬mento de união estável entre duas pessoas do mes¬mo sexo (relação homoafetiva), acolhida pelo i. Juiz sentenciante na decisão vergastada.
Como sabido, a possibilidade jurídica encontra-se presente quando o ordenamento jurídico não veda o exame da matéria por parte do Judiciário, ensi¬nando os doutos juristas que esse requisito deverá restar previamente examinado pelo magistrado, a fim de obstar pretensões sabidamente vedadas ou não autorizadas pelo direito positivo.
Neste sentido, Humberto Theodoro Junior (em sua obra Curso de direito processual civil) leciona:
"Pela possibilidade jurídica, indica-se a exigência de que deve existir, abstratamente, dentro do ordenamento jurídico, um tipo de providência como a que se pede através da ação. Esse requisito, de tal sorte, consiste na prévia verificação que incube ao juiz fazer sobre a viabilidade jurídica da pretensão deduzida pela parte em face do direito positivo em vigor. O exame realiza-se, assim, abstrata e idealmente, diante do ordenamento jurídico. [...]
Com efeito, o pedido que o autor formula ao pro¬por a ação é dúplice: 1º, o pedido imediato, contra o Estado, que se refere à tutela jurisdicional; e 2º, o pedido mediato, contra o réu, que se refere à provi¬dência de direito material.
A possibilidade jurídica, então, deve ser localizada no pedido imediato, isto é, na permissão ou não, do direito positivo a que se insurge a relação pro¬cessual em torno da pretensão do autor. Assim, um caso de impossibilidade jurídica do pedido poderia ser encontrado no dispositivo legal que não admite a cobrança em juízo de dívida de jogo, embora seja válido o pagamento voluntário feito extrajudicialmente (Código Civil, art. 814)" (in: Curso de direito processual civil, 44. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2006, v. I, p. 63-64)
Desta forma, conforme ensinamento do eminente professor E. D. Moniz de Aragão (Comentários ao Código de Processo Civil. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense, v. II, p. 524), o pedido só será juridica-mente impossível havendo proibição expressa à sua dedução, o que não se verifica na hipótese em exame.
Isso porque, com efeito, in casu, pretende a ape¬lante o reconhecimento e dissolução de verdadeira união estável vivida entre ela e a apelada, além da partilha dos bens por elas adquiridos conjuntamen¬te durante o período de tal união.
Assim, in casu, cumpre ressaltar que, em que pese não ter nosso ordenamento jurídico pátrio consa¬grado, expressamente, as uniões homoafetivas, ou seja, entre pessoas do mesmo sexo, inexiste, tam¬bém, qualquer vedação no sentido de não poder tal união surtir efeitos civis, o que, por evidente, não pode ser tido como ausência de direito, em especial considerando-se que, nos casos em que verificada a omissão da lei, mostra-se possível a aplicação da analogia, dos costumes e dos princípios gerais de direito, nos termos do disposto nos arts. 4º da LICC e 126 do CPC, que assim dispõe:
Art. 4º da LICC:
"Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito".
Art. 126 do CPC:
"O juiz não se exime de sentenciar ou despachar, alegando lacuna ou obscuridade da lei. No julga¬mento da lide, caber-lhe-á aplicar as normas legais, não as havendo, recorrerá à analogia, aos costu¬mes e aos princípios gerais de direito".
Nesses termos, inexistindo lei específica que trate da união homoafetiva, não há que se falar em aná¬lise isolada e restritiva do art. 226, § 3º, da CF/88, devendo-se utilizar, por analogia, o conceito de união estável, como disposto no art. 1.723 do Código Civil/2002, aplicando-o em consonância com a norma do art. 5º também da Carta Magna, que estabelece, em seu caput, que "todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros re¬sidentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade [...]", e, em seu inciso I, que "homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição" (princípio constitucional da igualdade).
Da mesma forma, o inciso X do mencionado dis¬positivo constitucional garante a todos os indiví¬duos o direito à intimidade, tendo em vista ser a opção e a prática sexuais aspectos do exercício de tal direito, e o inciso III do art. 1º também da Constituição, por sua vez, estabelece como funda¬mento da República Federativa do Brasil, dentre outros, a dignidade da pessoa humana.
Assim, de uma análise conjunta dos mencionados dispositivos constitucionais e infraconstitucionais, outra conclusão não se chega senão a de ser vedado qualquer tipo de discriminação à pessoa em razão se sua opção sexual, mesmo que não se enquadre nos moldes das relações homem e mulher, o que decorre do próprio princípio constitucional da isonomia, razão pela qual, não há que se falar, in casu, em impossibilidade jurídica do pedido de re¬conhecimento de união estável entre duas pessoas do mesmo sexo, inclusive para fins de evitar o enriquecimento de um individuo em detrimento do outro.
Nesse sentido, já decidiu este Tribunal:
"Ementa: Ação ordinária -União homoafetiva -Analogia com a união estável protegida pela Cons¬tituição Federal -Princípio da igualdade (não dis¬criminação) e da dignidade da pessoa humana -Reconhecimento da relação de dependência de um parceiro em relação ao outro, para todos os fins de direito -Requisitos preenchidos -Pedido proce¬dente.
-À união estável homoafetiva, que preenche os requisitos da união estável entre casais heterosse¬xuais, deve ser conferido o caráter de entidade fa¬miliar, impondo-se reconhecer os direitos decor¬rentes desse vínculo, sob pena de ofensa aos prin¬cípios da igualdade e da dignidade da pessoa huma¬na.
-O art. 226 da Constituição Federal não pode ser analisado isoladamente, restritivamente, devendo observar-se os princípios constitucionais da igual¬dade e da dignidade da pessoa humana. Referido dispositivo, ao declarar a proteção do Estado à união estável entre o homem e a mulher, não pre¬tendeu excluir dessa proteção a união homoafetiva, até porque, à época em que entrou em vigor a atual Carta Política, há quase 20 anos, não teve o legis-lador essa preocupação, o que cede espaço para a aplicação analógica da norma a situações atuais, antes não pensadas.
-A lacuna existente na legislação não pode servir como obstáculo para o reconhecimento de um di¬reito" (TJMG -Apelação Cível/Reexame Necessá¬rio nº 1.0024.06.930324-6/001, Rel.ª Des.ª Helo¬ísa Combat, j em 22.05.2007).
Dessa forma, vê-se que, inexistindo no ordenamento positivo brasileiro qualquer proibi¬ção expressa de reconhecimento de união homoafetiva e concessão de efeitos civis à esta, in casu, o pedido mostra-se, sob uma visão abstrata, suscetível de acolhimento ou rejeição, merecendo, portanto, reforma a sentença de primeiro grau que indeferiu a inicial por carência de ação.
Por tais razões de decidir, dou provimento ao re¬curso para, cassando a sentença impugnada, deter¬minar o regular processamento do feito.
Custas recursais, ao final.
DES. BITENCOURT MARCONDES -Em relação ao presente recurso, voto de acordo com o i. Desembargador Relator para dar provimento, por¬quanto o Superior Tribunal de Justiça possui enten-dimento assente acerca da possibilidade jurídica do pedido, tendo em vista a ausência de vedação legal.
Nesse sentido:
"Processo civil. Ação declaratória de união homoafetiva. Princípio da identidade física do juiz. Ofensa não caracterizada ao art. 132 do CPC. Pos¬sibilidade jurídica do pedido. Arts. 1º da Lei 9.278/ 96 e 1.723 e 1.724 do Código Civil. Alegação de lacuna legislativa. Possibilidade de emprego da ana¬logia como método integrativo.
1. Não há ofensa ao princípio da identidade física do juiz, se a magistrada que presidiu a colheita an¬tecipada das provas estava em gozo de férias, quando da prolação da sentença, máxime porque diferen¬tes os pedidos contidos nas ações principal e cautelar.
2. O entendimento assente nesta Corte, quanto à possibilidade jurídica do pedido, corresponde à inexistência de vedação explícita no ordenamento jurídico para o ajuizamento da demanda proposta.
3. A despeito da controvérsia em relação à matéria de fundo, o fato é que, para a hipótese em apreço, em que se pretende a declaração de união homoafetiva, não existe vedação legal para o pros-seguimento do feito.
4. Os dispositivos legais limitam-se a estabelecer a possibilidade de união estável entre homem e mu¬lher, desde que preencham as condições impostas pela lei, quais sejam, convivência pública, duradou¬ra e contínua, sem, contudo, proibir a união entre dois homens ou duas mulheres. Poderia o legisla¬dor, caso desejasse, utilizar expressão restritiva, de modo a impedir que a união entre pessoas de idên¬tico sexo ficasse definitivamente excluída da abrangência legal. Contudo, assim não procedeu.
5. É possível, portanto, que o magistrado de pri¬meiro grau entenda existir lacuna legislativa, uma vez que a matéria, conquanto derive de situação fática conhecida de todos, ainda não foi expressa¬mente regulada.
6. Ao julgador é vedado eximir-se de prestar juris¬dição sob o argumento de ausência de previsão le¬gal. Admite-se, se for o caso, a integração median¬te o uso da analogia, a fim de alcançar casos não expressamente contemplados, mas cuja essência coincida com outros tratados pelo legislador.
7. Recurso especial conhecido e provido" (STJ. REsp 820475/RJ. Quarta Turma. Rel. Min. Anto¬nio de Pádua Ribeiro. J. em 02.09.2008).
É como voto.
DES. FERNANDO BOTELHO -Peço vênia ao e. Relator para divergir de seu voto.
A questão posta na inicial me parece demandar solução de legalidade estrita, por ser de lege lata sua disciplina no seio da própria Constituição Fe¬deral, que, no particular do tratamento da união estável, não contém mero ou isolado princípio; propugna, ao revés, norma de aplicação irrecusável e cogente, na medida em que, de modo imperativo, impõe ao legislador infraconstitucional facere indeclivável: edição de lei que facilite a conversão da união estável em status (jurídico) de casamento.
Nesta específica solutio, o regramento maior do instituto (inserido na "Ordem Social" -"da Famí¬lia") proclama o dogma do reconhecimento da união estável como entidade familiar.
Não se pode, assim, por equívoca metodologia de interpretação do (mesmo) texto constitucional, permitir que tão especialíssimo dogma, e sua supe¬rior estruturação constitucional, inclusive vocabular, seja neutralizado por critério interpretativo largo, teleológico, que se ancore em fundamento ou garantia individual da mesma Car¬ta; este, ainda que consagrado no Diploma, não reúne poder autônomo de neutralização da aplica¬ção do especialíssimo comando.
O contrário equivale a interpretação derrogatória da Carta por ela mesma. Pior, derrogação de disci¬plina específica sua por inspiração da teleologia, que, sabidamente, não conspurca expressividade normativa do mesmo Diploma.
O ativismo judiciário, a interpretação integracionista saudável da Carta não permitem neutralizar sua própria existência, razão por que a metodologia de sua aplicação há de primar por critério sistêmico de análise e aplicação, pelo qual seus disciplinamentos, especificamente os que con¬sagrem institutos especiais de seus títulos, hão de se conjugar, e não de se excluir ou neutralizar; não podem, em suma, ser elevados a "categoria" de letra morta, com aniquilamento da própria mens que guiou sua edição.
O particular regramento da união estável, na Cons¬tituição Federal, deu-lhe, repetimos, especial am¬biente: especificou o reconhecimento jurídico-pos¬sível, no Brasil, de sua existência para consórcios de sexos opostos ("... entre homem e mulher..."), a dar-lhe status de unidade familiar.
Pois o constituinte, ao estatuir, com lindes de uni¬dade familiar, a união estável "... entre o homem e a mulher...", não obstou, em absoluto, que uniões outras, particularmente as homoafetivas, pudes¬sem receber amparo jurídico, noutro campo de proteção.
No dar às estáveis entre homens e mulheres cunho especial (o de unidade familiar sob equivalência com o casamento civil), a Constituição não faz mais que proclamar específico alcance daquela specie de união (para torná-la, mas apenas a ela, "unidade de família").
Equivale isso a dizer, por leitura inversa, que às demais modalidades de uniões que não tenham como atores o homem e a mulher, a lei infraconstitucional não conferirá, tão só, o status de casamento, como célula de "unidade familiar".
Nada mais.
Não quer isso dizer, insisto, tenha a Carta procla¬mado, ela, preconceito ou discriminação de sexos, pois que, fora do âmbito estrito da produção do efeito jurídico proclamado -conformação de uni¬dade familiar pela via do casamento -, outras mo¬dalidades de união, especialmente as que se cele¬brem entre pessoas do mesmo sexo, estarão plena-mente admitidas, porque não proibidas por lei (art. 5º, caput, da CF); todavia sem o alcance da produ¬ção do estrito efeito (o matrimonial stricto sensu) que o Texto exclusivizou para uniões entre sexos opostos.
Confira-se a textualidade do art. 226/CF:
"Capítulo VII
Da família, da criança, do adolescente e do idoso
Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado. [...]
§ 3º -Para efeito da proteção do Estado, é reco¬nhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento".
Não estou nisso, por óbvio, negando o status ou o porte fático das uniões homoafetivas; tampouco olvidando a extensão do fenômeno social, em si, que o traz à evidência como evento natural do convívio.
Não em absoluto.
Fico apenas na consideração de que o fato de a união, por vínculo amoroso consorcial entre pes¬soas do mesmo sexo, vir-se constituindo, na atualidade, fenômeno inegável da vida comunitá¬ria -não se discute isso aqui, repito! -não o subme¬te, automaticamente, à proteção jurídica do casa¬mento, como unidade familiar de iure; e não o faz pelo exclusivo aspecto de que a Constituição da República, com sua missão de estruturar o ordenamento normativo pátrio, situa a união heteroafetiva como elemento definidor da unidade familiar pela via do matrimônio.
Sendo assim, inserção da união homoafetiva como tópico de estruturação familiar através do casa¬mento constitui quaestio iuris a ser ainda resolvida e solucionada pela via da lege ferenda, ou seja, pela indispensável necessidade de que norma legal nova e expressa a adicione como tal ao ordenamento jurídico brasileiro.
Nesse sentido, aliás, o Congresso Nacional faz tra¬mitar, já na atualidade, projetos de lei específicos sobre o assunto, do que são exemplos:
"Projeto de Lei nº 580/2007 -Câmara dos Depu¬tados
(Do Sr. Clodovil Hernandes)
Altera a Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil, para dispor sobre o contrato civil de união homoafetiva.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Esta Lei altera a Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002, para dispor sobre a contrato de união homoafetiva.
Art. 2º Acrescente à Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002, o seguinte capítulo e respectivo artigo.
Capitulo XVIII-A
Do contrato de união homoafetiva
Art. 839-A. Duas pessoas do mesmo sexo poderão constituir união homoafetiva por meio de contra-to em que disponham sobre suas relações patrimoniais.
Parágrafo único. É assegurado, no juízo cível, o segredo de justiça em processos relativos a cláusu¬las do contrato de união homoafetiva.
Art. 4º Acrescente ao art. 1.790 da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002, o seguinte parágrafo:
Parágrafo único. As disposições desse artigo apli¬cam-se, no que couber, aos companheiros homos¬sexuais.
Art. 5º Esta lei entra em vigor na data de sua publi¬cação." (Data de apresentação: 27.03.2007; Apre¬ciação: proposição sujeita à apreciação conclusiva pelas comissões -Art. 24 II; Regime de tramitação: ordinária; Situação: CSSF: Aguardando parecer. Ementa: Altera a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil, para dispor sobre o contrato civil de união homoafetiva.)
"Projeto de Lei 4.914/2009 -Câmara dos Deputa¬dos
(Dos Srs. e Sras. Deputado José Genoino; Deputada Raquel Teixeira; Deputada Manuela D´Àvila; De¬putada Maria Helena; Deputado Celso Russomanno; Deputado Ivan Valente; Deputado Fernando Gabeira; Deputado Arnaldo Faria de Sá; Deputada Solange Amaral; Deputada Marina Maggessi; De¬putado Colbert Martins; Deputado Paulo Rubem)
Altera a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil.
O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º -Esta lei acrescenta disposições à Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil, relativas à união estável de pessoas do mesmo sexo.
Art. 2º -Acrescenta o seguinte art. 1.727 A, à Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, Código Civil.
`Art. nº 1.727 A -São aplicáveis os artigos anteri¬ores do presente Título, com exceção do artigo 1.726, às relações entre pessoas do mesmo sexo, garantidos os direitos e deveres decorrentes.´
Art. 3º -Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação." (Data de Apresentação: 25/03/2009; Apreciação: Proposição Sujeita à Apreciação Con¬clusiva pelas Comissões -Art. 24 II; Regime de tramitação: Ordinária; Apensado(a) ao(a): PL-580/ 2007; Situação: CSSF: Tramitando em Conjunto. Ementa: Altera a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil.)
Pois até que se resolva este plano legislativo já começado, a institucionalizar a união homoafetiva como entidade familiar equiparável ao casamento, seus efeitos patrimoniais hão de ser resolvidos sob a ótica obrigacional do Direito Civil comum, e não sob a do direito de família -como, aliás, vêm sendo resolvidos segundo iterativa jurisprudência dos tri¬bunais -sob pena de se negar vigência, precipitada e neutralizadora, ao Texto Maior da República, cuja expressividade não nos parece superável por critérios interpretativos que recusem, frontalmen¬te, disciplina textual como a do art. 226, § 2º, da CF.
Aliás, a aplicabilidade do art. 4º da Lei de Introdu¬ção ao Código Civil, e, por consequência, do co¬mando previsto no art. 126 do CPC, condiciona¬se à ausência de lei ou à omissão desta; nunca ser¬vindo à superação de comando normativo expres¬so, especialmente dos que se consagrem na própria Constituição, Diploma que expressa mais que an¬seio normativo da democracia representativa; é ele o próprio ambiente, corporificado, dos valores institucionais que a nação, num dado momento, elegeu por representantes especiais para a consti-tuição e estruturação do Estado.
Em suma, a sistêmica interpretação constitucional não permite o afastamento, neutralizador-absolu¬tista, do comando do art. 226, § 2º, da CF, para a regência das uniões homoafetivas -a sujeitá-las a solução patrimonial de efeitos sob equivalência com o casamento civil, inexistindo, ali, propugnação discriminatória ou censória a sexos, já que os efei¬tos patrimoniais desta specie de união prosseguem resolvidos à luz do Direito Civil comum, sob ótica obrigacional.
Nesse sentido, julgados deste e de outros tribunais:
"Recurso especial. Relacionamento mantido entre homossexuais. Sociedade de fato. Dissolução da sociedade. Partilha de bens. Prova. Esforço co¬mum. -Entende a jurisprudência desta Corte que a união entre pessoas do mesmo sexo configura so¬ciedade de fato, cuja partilha de bens exige a prova do esforço comum na aquisição do patrimônio amealhado. Recurso especial parcialmente conhe¬cido e, nessa parte, provido" (STJ, REsp 648763/ RS; REsp 2004/0042337-7 Rel. Min. César Asfor Rocha; T4 -Quarta Turma; j. em 07.12.2006; p. no DJ de 16.04.2007, p. 204).
"Ementa: Processo civil. Relação homoafetiva. Pedido de reconhecimento e dissolução. Natureza obrigacional. Juízo de Vara de Família. Falta de competência. -O Juízo de Vara de Família não é competente para o processamento e julgamento de pedido de reconhecimento e dissolução de rela¬ção homoafetiva. -O art. 9º da Lei nº 9.278/96, ao fixar a competência do juízo de Vara de Família para as matérias relativas à união estável, restrin¬giu-se aos casos da entidade familiar descrita no seu art. 1º, sem abranger as relações entre pessoas do mesmo sexo e seu reconhecimento para efeitos obrigacionais. De ofício, anularam a decisão" (Ape¬lação Cível n° 1.0145.08.501549-6/001 -4ª Câ¬mara Cível -Rel. Des. Almeida Melo -j. em 1º.10.2009).
"Ementa: Agravo de instrumento -Ação declaratória de união homoafetiva -Partilha de bens -Competência -Bens adquiridos em comum durante referida união -Convivência entre pessoas do mesmo sexo não pode ser considerada como entidade familiar -Questão afeta ao direito das obrigações -Incompetência da Vara de Família. ¬"A homologação do termo de dissolução da socie¬dade estável e afetiva entre pessoas do mesmo sexo cumulada com partilha de bens e guarda, responsa¬bilidade e direito de visita a menor deve ser proces¬sada na Vara Cível não especializada, ou seja, não tem competência para processar a referida homo¬logação a Vara de Família. No caso, a homologa¬ção guarda aspecto econômicos, pois versa sobre a partilha do patrimônio comum" (STJ -REsp 148.897/MG -DJ de 06.04.98; REsp 502.995/RN -Rel. Min. Fernando Gonçalves -j. em 26.04.05) (Agravo -C. Cíveis Isoladas -nº 1.0024.04.537121¬8/001 -Sétima Câmara Cível, Rel. Des. Alvim So-ares -j. em 21.06.2005).
"Ementa: Conflito de competência entre câmaras do tribunal -Ação de dissolução de sociedade de fato c/c divisão de patrimônio -Relação homosse¬xual -Questão estranha ao direito de família -Matéria afeta ao direito das obrigações -Compe¬tência recursal da unidade Francisco Sales -Inteli¬gência do art. 108, II, da Constituição do Estado de Minas Gerais, com a redação anterior à conferida pela EC nº 63/2004 -Resolução nº 463/2005, art. 2º, § 2º" (Conflito de Competência n° 1.0000.05.426848-7/000 -Corte Superior do Tri-bunal de Justiça do Estado de Minas Gerais -Suscitante: 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justi¬ça do Estado de Minas Gerais -Suscitada: 4ª Câma¬ra Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais -Rel. Des. Orlando Carvalho -j. em 14.12.2005).
"Ação de reconhecimento de união homoafetiva -Impossibilidade jurídica do pedido -Art. 266, § 3º, da CF -Precedentes jurisprudenciais -Pretensão de concessão de pensão previdenciária por morte -Possibilidade. -A possibilidade jurídica do pedido, no que se refere ao reconhecimento de união está¬vel entre pessoas do mesmo sexo, não se confunde com a possibilidade jurídica da concessão de pen¬são previdenciária. O reconhecimento da união homoafetiva não é supedâneo para o requerimen¬to de pensão por morte, na medida em que o pri¬meiro se baliza nos ditames da legislação aplicável ao Direito de Família e o segundo transita no cam¬po do Direito Previdenciário, que tem por missão precípua a defesa da pessoa humana, garantindo¬lhe a subsistência ou a de seus dependentes. Não há falar-se em confronto do art. 226, § 3º, da CF com o Princípio da Igualdade previsto pelo art. 5º, caput, pois, consoante preleciona Alexandre de Moraes; `o que se veda são as diferenciações arbitrárias, as discriminações absurdas, pois o tratamento desi¬gual dos casos desiguais, na medida em que se desigualam, é exigência tradicional do próprio con¬ceito de Justiça´" (Apelação Cível n° 1.0024.08.082815-5/001 -Comarca de Belo Ho-rizonte -4ª Câmara Cível -Rel. Des. Dárcio Lopardi Mendes -j. em 25.09.2008).
"Ementa: Apelação Cível. Ação declaratória. União homoafetiva. Impossibilidade jurídica do pedido. Carência de ação. Sentença mantida. -A impossibi¬lidade jurídica do pedido ocorre quando a ordem jurídica não permite a tutela jurisdicional pretendi¬da. Na esteira da jurisprudência deste Tribunal de Justiça, diante da norma expressa, contida no art. 226, § 3º, da Constituição da República, somente entidade familiar pode constituir união estável, através de relacionamento afetivo entre homem e mulher. Revela-se manifestamente impossível a pretensão declaratória de existência de união está¬vel entre duas pessoas do mesmo sexo" (Apelação Cível n° 1.0024.04.537121-8/002 -Comarca de Belo Horizonte -12ª Câmara Cível -Rel. Des. Domingos Coelho -j. em 24.05.2006).
"Ementa: Entidade familiar. União estável. Pesso¬as do mesmo sexo. Reconhecimento. Vedação cons¬titucional. Dependência previdenciária. Pensão por morte. Impossibilidade. -A Constituição da Repú¬blica não considera como entidade familiar a união entre pessoas do mesmo sexo, sendo casuísticas as respectivas definições do art. 226. -A consagração do companheirismo como forma de dependência previdenciária atende aos princípios da entidade familiar, revelada por união estável, não se admi¬tindo pensão para pessoa do mesmo sexo, em con¬sideração de união homossexual" (Apelação Cível/ Reexame Necessário n° 1.0702.04.182123-3/001 -6ª Câmara Cível -Rel. Des. Ernane Fidélis -j. em 08.04.2008).
"Ementa: Apelação cível. Constitucional e famí¬lia. União homoafetiva. Impossibilidade jurídica do pedido. Recurso a que se nega provimento. -1. A diversidade de sexo continua a ser requisito fun¬damental tanto para a celebração do casamento, quanto para o reconhecimento da união estável, razão pela qual não se pode conceber a mesma natureza jurídica desses institutos às relações homoafetivas. -2. Recurso não provido" (Apela¬ção Cível n° 1.0024.07.764088-6/001 -4ª Câma¬ra Cível -Rel. Des. Célio César Paduani -j. em 04.12.2008).
"Ementa: Agravo de instrumento. Ação declaratória. União estável entre pessoas do mes¬mo sexo. Manifesta impossibilidade jurídica do pedido. Recurso provido. -1. A impossibilidade ju¬rídica do pedido ocorre quando a ordem jurídica não permite a tutela jurisdicional pretendida. -2. Diante da norma expressa, contida no art. 226, § 3º, da Constituição da República, somente entidade familiar por constituir união estável o relaciona¬mento afetivo entre homem e mulher. -3. Revela¬se manifestamente impossível a pretensão declaratória de existência de união estável entre duas pessoas do mesmo sexo. -4. Agravo de instru¬mento conhecido e provido" (Agravo -C. Cíveis Isoladas -nº 1.0702.03.094371-7/001 -Segunda Câmara Cível -Rel. Des. Caetano Levi Lopes -j. em 22.03.2005).
"Agravo de instrumento. Constitucional. Civil. Processo civil. Competência para processar e jul¬gar ação de reconhecimento e dissolução de rela¬ção homoafetiva. -1. A definição do juízo a que legalmente compete apreciar tais situações fáticas conflitivas é exigência do princípio do juiz natural e constitui garantia inafastável do processo cons¬titucional. -2. Ausente regra jurídica expressa definidora do juízo responsável concretamente para conhecer relação jurídica controvertida decorren¬te de união entre pessoas do mesmo sexo, resta constatada a existência de lacuna do direito, o que torna premente a necessidade de integração do sis¬tema normativo em vigor. Nos termos do que reza o art. 4º da Lei de Introdução ao Código Civil, a analogia é primeiro, entre os meios supletivos de lacuna, a que deve recorrer o magistrado. -3. A analogia encontra fundamento na igualdade jurídi¬ca. O processo analógico constitui raciocínio base-ado em razões relevantes de similitude. Na verifi¬cação do elemento de identidade entre casos seme¬lhantes, deve o julgador destacar aspectos comuns, competindo-lhe também considerar na aplicação analógica o relevo que deve ser dado aos elementos diferenciais. -4. A semelhança há de ser substanci¬al, verdadeira, real. Não justificam o emprego da analogia meras semelhanças aparentes, afinidades formais ou identidades relativas a pontos secundá¬rios. -5. Os institutos erigidos pelo legislador à condição de entidade familiar têm como elemento estrutural -requisito de existência, portanto -a dualidade de sexos. Assim dispõe a Declaração Uni¬versal dos Direitos Humanos em seu preâmbulo e no item 1 do art. 16. No mesmo sentido a Consti¬tuição Brasileira promulgada em 05/outubro/1988 (art. 226 e seus parágrafos), o Código Civil de 2002 e Lei nº 9.278, de 10/maio/1996, que regulamenta
o § 3º do art. 226 da CF. -6. As entidades familia-res, decorram de casamento ou de união estável ou se constituam em famílias monoparentais, têm como requisito de existência a diversidade de se¬xos. Logo, entre tais institutos, que se baseiam em união heterossexual, e as uniões homossexuais so¬breleva profunda e fundamental diferença. A dis¬tinção existente quanto a elementos estruturais afasta a possibilidade de integração analógica que possibilite regulamentar a união homossexual com base em normas que integram o Direito de Família. -7. As uniões homossexuais, considerando os re¬quisitos de existência que a caracterizam e que per¬mitem identificá-las como parcerias civis, guar-dam similaridade com as sociedades de fato. Há entre elas elementos de identidade que se destacam e que justificam a aplicação da analogia. -8. Entre parcerias civis e entidades familiares, há fator de diferenciação que, em atenção ao princípio da igual¬dade substancial, torna constitucional, legal e legí¬tima a definição do juízo cível como competente para processar e julgar demandas relativas a uniões homossexuais, que sujeitas estão ao conjunto das normas que integram o Direito das Obrigações. -9. Agravo conhecido e provido para declarar a in¬competência da Vara de Família e competente uma das Varas Cíveis da Circunscrição Especial Judiciá¬ria de Brasília,DF, para processar e julgar ação de reconhecimento e dissolução de relação homoafetiva. -10. Precedentes judiciais. Em especial, Conflitos de Competência 20030020096835, 20050020054577 e 20070020104323, Primeira Câmara Cível deste egrégio Tribunal" (TJDFT, Agravo de Instrumen¬to 2008.00.2.012928-9 -Quinta Turma Cível -Rel. Des.ª Diva Lucy Ibiapina -j. em 18.03.2009).
"Ação de reconhecimento de união estável e par¬tilha -Relação homoafetiva -Improcedência -Inconformismo -Desacolhimento -Entendimen¬to deste Relator e desta Câmara de que a união estável só é possível entre pessoas do sexo oposto -Requisitos para a configuração da união estável, ademais, que não foram demonstradas -Convivên¬cia contínua, duradoura e morada comum não com¬provadas -Relacionamento homossexual que se rege pelas regras da sociedade de fato -Não de¬monstração da efetiva contribuição para a forma¬ção do patrimônio a ser partilhado -Sentença mantida -Recurso desprovido" (TJSP -Apelação n° 576.795-4/8-00 -Nona Câmara de Direito Pri¬vado -Rel. Des. Grava Brazil -j. em 23.06.2009).
Tenho, por tudo, que impossível, juridicamente, a dissolução da união homoafetiva sob amparo do Direito de Família, o que torna o pedido inicial presente juridicamente impossível, a recomendar manutenção da sentença primeva.
Conclusão.
Com esses fundamentos e invocando maxima venia ao e. Relator, nego provimento ao recurso e mantenho, inalterada, a sentença recorrida.
É como voto.
Sr. Presidente, pela ordem.
Esse é um caso de certa raridade nos pretórios, em face da novidade que ainda representa a questão da homoafetividade no tratamento jurisprudencial brasileiro.
Esta mesma Corte, bem como o Superior Tribunal de Justiça e também outros tribunais têm escassos precedentes. Por causa disso e com fito de orientar o jurisdicionado, sugiro a V. Ex.ª a publicação deste aresto, porquanto não unânime, para que essa fina¬lidade educativa das instâncias possa também ser feita com base nele.
DES. BITENCOURT MARCONDES -Acato a sua sugestão para consignar que o acórdão seja publicado.
Súmula -DERAM PROVIMENTO AO RECUR¬SO, VENCIDO O VOGAL.

Fonte: Diário do Judiciário Eletrônico - MG

Fonte: Assessoria de Imprensa
Em 22/04/2010 09h27
O casamento civil resolveria, de imediato, todo este problema. Simples artigos modificados no Cõdigo Civil solucionariam o problema e desafogariam os tribunais.
Autor: Amilton Navarro
Profissão: Oficial de Registro Civil
Cidade - Estado: Sao Paulo - SP
Deixe seu comentário
 
 
948183

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.350.698
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping - Jornal da Globo (Rede Globo) - Presos suspeitos de falsificar certidões de nascimento

LEIA MAIS