Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Eventos

Mutirão da Paternidade leva cidadania a três bairros em Ribeirão Preto
Sessão de Fotos Relacionada: Mutirão da Paternidade leva cidadania a Ribeirão Preto

A cidade de Ribeirão Preto, a cerca de 300 km da Capital paulista, viveu um momento especial no último domingo (05.08), com a realização da 2ª etapa do projeto "Paternidade Responsável" que, nas mobilizações realizadas pelos três Subdistritos do município realizou o sonho de 76 crianças, que passaram a ter o nome do pai reconhecido no seu registro de nascimento.

Designadas para o período da tarde do domingo as escolas Professora Glete de Alcântara, localizada no bairro do Parque Ribeirão e atendida pelo 1° Subdistrito, Walter Paiva, no bairro do Ipiranga, atendida pelo 2° Subdistrito, e Dom Alberto Gonçalves, no bairro dos Campos Elíseos, atendida pelo 3° Subdistrito, estiveram repletas de famílias podendo efetivar o direito ao reconhecimento da paternidade.

Para o juiz corregedor dos cartórios do município, Dr. Thomaz Carvalhaes Ferreira, o projeto veio a regularizar muitas situações que traziam prejuízos às vidas de jovens e crianças. "Trata-se de um direito de cidadania, que o Judiciário, em parceria com os cartórios e demais órgãos envolvidos estão proporcionando a milhares de pessoas em todo o Estado. Um direito que está sendo exercido", contabilizou o magistrado, que esteve atuando na mobilização realizada pelo 1° Subdistrito.

Coordenando os trabalhos do 3° Subdistrito, o Oficial Antonio Rodini Luiz, apoiou a iniciativa cidadã realizada de forma pioneira no Estado de São Paulo. "É um projeto muito valioso, que tem por objetivo facilitar a vida de pessoas que necessitam de apoio da sociedade. É uma iniciativa de cidadania", destacou.

A mesma opinião tinham os juízes de Direito que atuaram na mobilização na escola estadual Dom Alberto Gonçalves. "É o poder público realizando uma atitude pró-ativa, indo atrás das pessoas que necessitam ser ajudadas, regularizando a vida das famílias", explicou a juíza Dra. Heloísa Martins Mimessi. "Já realizamos 10 audiência até agora e em nove delas houve o reconhecimento. É um prazer poder trazer este tipo de benefício de cidadania a nossa cidade", enfatizou o magistrado Dr. José Duarte Neto.

Situação inusitada

Na ação realizada pelo cartório do 2° Subdistrito, que contou com 11 funcionários atuando na escola estadual Walter Paiva, no bairro do Ipiranga, uma situação inusitada destacou-se dentre as 47 audiências previstas para o último domingo. Três irmãos, já maiores, esperavam ansiosamente o reconhecimento, mas não de sua paternidade, e sim da maternidade, ausente do registro de nascimento.

"Era uma situação muito complicada para nós", explicou Luiz Carlos Candido Júnior, de 25 anos. "Agora mesmo estava precisando realizar a renovação do CIC e por não ter o nome da mãe no registro de nascimento isso trazia algumas dificuldades", disse. "Na verdade, traz problemas, mas já estava acostumado. Mas com o nome de minha mãe no registro fica muito mais fácil", explicou o irmão, Marcelo Diego, de 24 anos.

O casal Luiz Carlos Candido e Sirlei Cesário estava radiante com a possibilidade de completar o registro de seus filhos. "Com este evento, esse mutirão, ficou mais fácil para nós. Tudo acontece aqui perto de casa, foi tudo organizado e pudemos realizar este sonho", disse Candido. "Sempre cuidei de meus filhos, mas na época que nasceram não eu não podia registra-los como meus filhos", lamentou Sirlei. "Mas hoje tudo isso ficou para trás e eles vão para casa com a certidão completa", comemorou.

Segundo o Oficial Substituto do 2° Subdistrito de Ribeirão Preto, Leandro Kennedy, a Constituição antiga impedia o registro da criança em nome da mãe caso ela estivesse casada com outra pessoa, que não o pai das crianças. Por esta razão, os três irmãos acabaram registrados somente em nome do pai. "O registro de nascimento é muito importante e não poderia deixar meus filhos sem o documento", completa Candido.

No 1° Subdistrito de Ribeirão Preto as situações não eram diferentes. Muita felicidade e emoção com a efetivação do reconhecimento de paternidade. "Meu filho sempre reclamou de só o irmão ter o sobrenome do pai. Agora viemos reparar este erro", disse radiante Ângela Maria Jerônimo. "Havíamos nos separado na época que o João Victor nasceu, mas hoje estamos juntos novamente e resolvemos a situação de nosso filho", comemorou Luiz Carlos de Souza.

Já no 3° Subdistrito de Ribeirão Preto, o casal que comemorava era Vaninha Barbosa e Sebastião Teodoro Barbosa. "Estou até emocionada", dizia Vaninha, que está grávida. "Este mutirão nos ajudou muito, estamos muito felizes e nosso filho vai ficar ainda mais contente quando receber a nova certidão", exaltou Barbosa, enquanto deixava, com um sorriso estampado no rosto a escola estadual Dom Alberto Gonçalves, no bairro de Campos Elíseos.


Deixe seu comentário
 
 
966025

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 132.331.752
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP