Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Cartório pede ao STF que União pague por certidões

Publicado em: 11/11/2009
O 2º Ofício de Registro de Imóveis de Guarapari (ES) enviou, nesta terça-feira (10/11), ao Supremo Tribunal Federal argumentos de defesa postulando a improcedência da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 194. A ADPF foi impetrada pela Advocacia-Geral da União contra atos de titulares de cartórios que se recusam a fornecer certidões gratuitas à União.

O Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, em julho deste ano, determinou que a União pagasse o que deve ao Cartório de Registro de Imóveis de Guarapari para, só assim, poder emitir as certidões de ônus reais de imóveis de seu interesse. Para o relator da descisão, desembargador Arnaldo Santos Souza, o cerne da questão era "definir se o Decreto-Lei 1.537/77, que estabelece isenção da União ao pagamento das custas e emolumentos devidos em razão dos serviços notariais e de registro, foi ou não recepcionado pela Constituição". Para os cartórios, a norma não foi recepcionada pela Constituição Federal de 1988.

A AGU, então, entrou com o a ADPF no STF. A ação proposta por ela também é contra os magistrados que determinaram o pagamento prévio pelos serviços notariais. A principal alegação da peça, elaborada pela Secretaria-Geral de Contencioso da AGU, é a de que os cartórios desconsideraram o Decreto-Lei 1.537/77, que isenta a União do pagamento de custas e emolumentos aos ofícios e cartórios de registro de imóveis e aos ofícios e cartórios de registros de títulos e documentos.

No documento enviado ao Supremo, o advogado Phelipe Calazans Salim, representante do cartório, sustenta que o Decreto-lei 1.537/77 não foi recepcionado pela Constituição Federal. Ele pede que "o estado do Espírito Santo seja oficiado para tomar conhecimento da ADPF e para, caso queira, nela se manifestar em defesa de sua competência legislativa tributária". Para o advogado, o fato de a União legislar sobre um tributo de competência dos estados e do Distrito Federal representa intromissão na competência legislativa dos federados.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Deixe seu comentário
 
 
694148

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 133.136.523
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

CGJ-PE apresenta projeto para reorganizar cartórios do Estado e propõe fechamento de mais de 200 serventias

LEIA MAIS