Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Justificando - Defensoria Pública do Rio lança campanha contra sub-registo

Publicado em: 21/05/2018
Aos 46 anos, Maria Nazareth Gomes da Silva aguarda ansiosa o dia em que colocará as mãos no registro civil que não teve ao nascer e que acabou por privar seus quatro filhos do mesmo direito. Edson Santos, que vive em situação de rua, perdeu os documentos originais e já conseguiu a segunda via. Daniela Fiorentino quer apresentar, na certidão de nascimento, o nome e o gênero que a identificam. Esses são apenas três dos mais de 26 mil casosrelativos à emissão ou retificação de documentos que passaram pela Defensoria Pública do Rio em 2017, especialmente em ações sociais, e que ilustram a relevância da campanha nacional “Defensoras e defensores públicos pelo direito à documentação, onde existem pessoas, nós enxergarmos cidadãos”.

A ideia é concentrar esforços para reduzir o chamado sub-registro. No ano passado, ingressaram no Tribunal de Justiça do Rio 1.128 ações para emissão de certidões de nascimento tardias, a maioria por meio da Defensoria. A campanha das Defensorias Públicas de todo o Brasil visa garantir o acesso à documentação básica de todos os que, por qualquer razão, a ela não tiveram acesso. Em cada estado serão priorizados os grupos mais vulneráveis localmente. No Rio, onde a campanha foi lançada no último dia 9, na Assembleia Legislativa, com o apoio da Frente Parlamentar em Defesa e pelo Fortalecimento da Defensoria Pública, a tônica será a população em situação de rua e a comunidade LGBT.

“A campanha desse ano contempla um público muito específico, presente no dia a dia do atendimento da Defensoria: os hipervulneráveis, aqueles que nunca tiveram direito ao registro de nascimento para que assim pudessem ter acesso a tantos outros direitos.  E esse é um trabalho que não se esgota na Defensoria; é uma tarefa para a qual contamos com muitas parcerias” – explicou o defensor público geral, André Castro, na solenidade.

Até maio do próximo ano, a Defensoria vai intensificar iniciativas que permitam alcançar o maior número de pessoas que possam se beneficiar da campanha. Haverá mutirões, que se somarão ao trabalho já consolidado das ações sociais em todo o estado, e a realização de capacitações e palestras que promovam a educação em direitos e contribuam para reforçar o combate ao sub-registro.

A coordenadora dos Núcleos de Primeiro Atendimento, Fatima Saraiva, destaca a dificuldade de muitas dessas pessoas sem documentação chegar até os órgãos públicos que podem ajudá-las a resolver o problema.

“Muitas delas só nos chegam graças à ajuda de tutores sociais. São vizinhos, conhecidos, padres, pastores e assistentes sociais que as conduzem à Defensoria ou a outros órgãos parceiros. Essas pessoas não são invisíveis. Nós é que nem sempre as enxergamos” – resumiu a defensora pública.

No Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) há cerca de 3 milhões de pessoas sem nome e sobrenome oficiais. Como Maria Nazareth e seus quatro filhos, esses homens e mulheres vulneráveis não foram registrados ao nascer mas, graças à campanha das Defensorias, podem vir a transformar-se em cidadãos. Exatamente como aconteceu com Maria Braz Silva, hoje com 56 anos, e a filha Márcia, 27, que em 2014 tiveram assegurado o acesso à documentação básica por meio de ação ajuizada pela Defensoria do Rio.

A campanha contra o sub-registro, parceria entre a Associação Nacional de Defensores Públicos e as associações estaduais, pretende potencializar a atuação que, no Rio, já é rotina nas ações sociais, nos núcleos de primeiro atendimento e de iniciativas especificamente voltadas para grupos muito vulneráveis. No ano passado, nada menos que 4327 pessoas em situação de rua foram atendidas pela Defensoria por conta de alguma pendência relativa a documentos. No mesmo período passaram, pelo Núcleo de Defesa da Diversidade Sexual e Direitos Homoafetivos, para retificação de nome e gênero. Com texto da Assessoria de Comunicação da Defensoria Pública do Rio de Janeiro.

Deixe seu comentário
 
 
421761

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 129.315.505
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo - O amor e a adoção como temas de vida – Por Tereza Figueiredo

LEIA MAIS