Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – G1- Avanços nos campos social e jurídico são esperança de sociedade sem homofobia

Publicado em: 21/05/2018
Mudanças chegam a passos lentos, mas alimentam ideal de um mundo sem preconceitos, onde caiba todo mundo

Ser chamado pelo nome social, ser aceito, sem restrições, nos espaços públicos e ser respeitado pela orientação sexual são conquistas que estão vindo a passos lentos. Mas, no Brasil, país que mais comete crimes violentos contra gays, lésbicas, transgêneros, transexuais e travestis, são esses pequenos avanços, no campo social e jurídico, que alimentam a esperança de um mundo sem preconceitos, onde caiba todo mundo.

Em 23 estados do país, um grupo de mães luta contra a homofobia. É a ONG Mães pela Diversidade, da qual faz parte Myriam Salum. “Eu escolhi amar o meu filho e proteger o meu filho, porque eu quero o meu filho vivo”, diz.

O grupo apoia pais e mães de filhos gays, lésbicas ou que assumem outra identidade de gênero. Nos encontros, as famílias escolhem como conscientizar a sociedade para evitar o preconceito, o ódio e a intolerância.

“Acho que o mais difícil mesmo é esse preconceito que está arraigado dentro de um cotidiano, que o que vai culminando em mortes, em violências, em expulsões de bares, de espaços públicos, de impedir você, de viver sua vida e de ser quem você é”, afirma o filho de Myriam, o sociólogo e produtor cultural Fernando Salum. Ele diz que, para estar seguro, muitas vezes é preciso se limitar.

Para Myriam, é preciso acreditar em um mundo melhor, que inclua todo mundo. “A gente está aqui é para aprender. E os filhos da gente vieram para quebrar esses paradigmas. Então, por que a gente não pode acompanhar? Vamos evoluir junto”, fala.

Nessa caminhada pela garantia dos direitos, houve avanços. Desde 2013, por exemplo, os casais homoafetivos podem realizar o casamento no civil.

Recentemente, em março deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que transexuais e trangêneros podem alterar o nome no registro civil sem realizar a cirurgia de mudança de sexo. Os ministros também decidiram que não é mais preciso autorização judicial para que o transexual mude o documento. Basta ir ao cartório.

“Ela é o reconhecimento de uma lei de promoção de um direito de minorias. Ela está dizendo à sociedade brasileira, olha, essas pessoas têm direitos iguais a vocês, de entrar num cartório, dizer quem ela é e ser reconhecida como ela é. Porque é assim que vocês fazem. Vocês que não são trans e são heterossexuais vão nos lugares e vocês não precisam dizer porque já está dito quem vocês são. Então, o reconhecimento é imediato. Então por que as outras pessoas não podem? Então essa é uma decisão importante de equivalência de direitos”, afirma o professor e coordenador do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Marco Aurélio Máximo Prado.

O reconhecimento de direitos permitiu que o amor de Renata Amaral e da companheira dela fosse formalizado. Elas se casaram no civil em 2013. Foi o primeiro casamento homoafetivo no cartório de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Como em tantos outros casamentos, houve a celebração do amor e dos sonhos. Houve rituais. Elas se vestiram de noiva, saíram de moto, uma paixão das duas. E tudo ficou eternizado no álbum. A vida seguiu igual a de qualquer casal. E veio o desejo de ampliar a família. A partir de uma fertilização in vitro, nasceram Theo e Artur.

Quem sofre com o ódio, com o preconceito, com a intolerância, com a falta acesso aos direitos tem pressa de mudança. A sexualidade não é escolha. O respeito é.

Fonte: G1
Deixe seu comentário
 
 
353145

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 128.748.688
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – Justificando - Defensoria Pública do Rio lança campanha contra sub-registo

LEIA MAIS