Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Artigo – Passo para trás – Por Arthur Del Guércio Neto

Publicado em: 21/11/2018
A recente Lei n° 13.726/18, conhecida como Lei da Desburocratização, foi bastante festejada pela sociedade, no sentido de estar supostamente eliminando atos desnecessários à vida do cidadão, dentre os quais o reconhecimento de firmas e a autenticação.

De maneira resumida, acaba com a exigência de tais atos notariais, quando o indivíduo estiver se relacionando com o Poder Público. Caberá ao agente administrativo (é isso mesmo caro leitor, não está lendo errado) avaliar a assinatura do signatário e declarar a autenticidade da mesma, e ainda apurar os elementos que indiquem a originalidade de um documento antes de atestar a autenticidade da cópia.

Cena típica de Halloween, designar a pessoas, em sua maioria, não tecnicamente preparadas em grafotécnica e documentoscopia, abarrotadas de outros afazeres, a análise de “bate pronto” de documentos tão relevantes.

Os atos notariais estudados, reconhecimento de firmas e autenticações, são dos mais árduos no cotidiano notarial, pois são praticados com base em documentos apresentados no momento imediatamente anterior à realização, não havendo tempo hábil, em regra, para grandes reflexões. Normalmente os clientes estão “cara a cara”, aguardando ansiosos o desfecho.

Para praticá-los de forma satisfatória, os cartórios investem pesado em capacitação de suas equipes, com cursos, treinamentos, aquisição de maquinário adequado, dentre outros, visando evitar a atuação de falsários, os quais adoram testar a expertise das equipes de cartórios pelo Brasil, com menos êxito a cada dia.

O custo de autenticações e reconhecimentos de firmas é relativamente baixo, garantindo ampla segurança jurídica. Afirmo tranquilamente que a sociedade ganha muito mais com os mesmos do que os cartórios.

Há frase famosa dizendo ser necessário dar um passo para trás, para caminhar dois adiante. Vejo a Lei n° 13.726/18 como o passo para trás. Os seus resultados práticos ratificarão quão valiosa é a atuação cartorária, sempre a postos para atender o cidadão brasileiro.

Fonte: Blog do DG
Deixe seu comentário
 
 
241640

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 130.839.382
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – Diário Indústria & Comércio - CNJ – Sessão virtual confirma exigências mínimas de tecnologia em cartórios

LEIA MAIS