Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Câmara dos Deputados: Parentalidade compartilhada é defendida em reunião sobre primeira infância

Publicado em: 14/02/2019
Assunto foi debatido em reunião na Câmara nesta terça-feira

Homens que participam mais da criação dos filhos pequenos vivem melhor. A afirmação é do americano Gary Barker, fundador da Promundo, organização que trabalha para promover a equidade de gênero e prevenir violência envolvendo homens e meninos em parceria com mulheres e meninas.

Gary participou, nesta terça-feira, de uma reunião promovida pela Secretaria da Mulher e pela Frente Parlamentar da Primeira Infância. A primeira infância compreende o período entre o nascimento e os seis primeiros anos de vida da criança.

Há mais de vinte anos, Gary e sua esposa brasileira viveram uma situação que ainda hoje é incomum. Enquanto ele fazia doutorado nos Estados Unidos, ela trabalhava, sem direito à licença maternidade. Gary acabou sendo o principal cuidador da filha do casal, enquanto a ela coube a tarefa de prover financeiramente a família.

"Estive em casa, cuidando de nossa filha, enquanto fazia o doutorado também. Aí, óbvio, o pânico. Estive estudando esse tema na teoria, mas aí na prática me encontro ali, minha família morava em outra parte do país. Estive ali dizendo 'opa, e agora?'. Isso foi um grande motor para mim, para sentir que a gente não prepara os homens para essa aventura”, contou.

Segundo Gary Barker, é preciso trabalhar o envolvimento dos homens no cuidado dos filhos desde quando ainda são crianças, trabalhar também o auto-cuidado, atentar para a participação masculina no período pré-natal, entre outros pontos. Ou seja, é um trabalho que começa cedo para obter resultados lá na licença-paternidade – que ele defende, aliás, que seja tão longa quanto a licença-maternidade.
"Vimos em várias pesquisas como é positivo para os homens. Ao cuidar do outro, a gente se cuida também. Homens que participam mais do cuidado também relatam mais felicidade, melhor relação do casal, como também parece que nos ajuda a concentrar e aproveitar melhor o trabalho também."

Parentalidade compartilhada

Outra especialista convidada para o debate foi Julyana Mendes, mãe de sete filhos com idades entre três e 24 anos. A coach e influenciadora digital ministra cursos sobre parentalidade compartilhada e defende a participação ativa também das crianças.

"Os filhos da gente não são nossa propriedade, a gente precisa entender isso desde cedo. Eles não são nossos, nós somos responsáveis e guias deles. Isso muda toda a visão que nós temos sobre essas crianças. E, como guias, a gente precisa ensiná-los a pensar, a questionar, a decidir, e a gente só ensina isso se a gente coloca eles junto desse processo da parentalidade."

Marco legal

A presidente da Frente Parlamentar da Primeira Infância, deputada Leandre (PV-PR), defendeu a implementação de lei já existente para proteger a primeira infância, o chamado marco legal da primeira infância (13.257/16).

"Nós temos uma legislação que é referência pro mundo. O nosso desafio é fazer ela sair do papel. Então a frente vai focar exatamente nisso, na questão da implementação do marco legal. Cada município que conseguir implementar o marco legal seguramente vai estar se preparando pra ter um futuro melhor pros seus cidadãos”, disse a deputada.

O marco legal da primeira infância completa três anos no próximo dia 8 de março. A lei trata de uma série de temas, desde o direito da criança de brincar até o envolvimento das crianças na formatação de políticas públicas. Foi a lei também que ampliou a licença paternidade de cinco para vinte dias, para as empresas que aderirem ao Programa Empresa Cidadã.
 

Fonte: Câmara dos Deputados
Deixe seu comentário
 
 
370306

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 129.307.308
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo - Efeitos da Lei Geral de Proteção de Dados nas relações de trabalho – Por Gustavo Carvalho Machado e Ricardo Souza Calcini

LEIA MAIS