Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Exemplos da desjudicialização no RCPN e a LGPD foram debatidos em live

Publicado em: 25/06/2020
Nesta quarta-feira (24), a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP) realizou uma transmissão ao vivo em seus canais do YouTube, Facebook e Instagram sobre o tema: “Desjudicialização no RCPN e a LGPD”. A live teve participação de Ricardo Freitas Silveira, advogado, sócio e CDO do escritório LBCA Advogados; Julia Mota, oficial do ORCPN do 42º Subdistrito – Jabaquara; Katia Possar, oficial do ORCPN do 28º Subdistrito – Jardim Paulista; e Daniela Silva Mroz, oficial do ORCPN de São Mateus, Distrito de São Paulo.
 
No início do bate-papo, Julia Mota explicou que seriam trazidos exemplos de decisões e normas que facilitaram a desjudicialização no Registro Civil de Pessoas Naturais (RCPN). Ao mesmo tempo, o advogado Ricardo Freitas Silveira poderia comentar a respeito dos aspectos de segurança jurídica atrelados a esses exemplos.
 
Em sua primeira fala, Silveira fez uma introdução a respeito da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Para ele, os registradores civis sempre cuidaram muito bem dos dados pessoais de seus usuários. O que muda, com a nova lei, é que novas diretrizes deverão ser adicionadas ao que já é feito, hoje. “Não é algo que dificulta ou inviabiliza, é uma nova cultura”, disse.
 
Na sequência, Katia Possar citou o exemplo do Provimento nº 82, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que trata de questões como a alteração de sobrenome por viuvez e, também, inclusão de sobrenome materno ou paterno no nome de um menor de idade. “São inovações que colocam o cidadão ainda mais perto do RCPN, e conseguem trazer o exercício pleno da cidadania ao balcão de atendimento do Registro Civil”, comentou a registradora. 
 
Para Silveira, essas ações devem ser analisadas a partir de dois pontos de vista: o direito do cidadão de poder realizá-las sem necessidade de apoio do Judiciário, e a preocupação para que essa mesma pessoa não tenha a privacidade de seus dados pessoais violada. “A recomendação é que o registrador civil faça uma separação e trate os dados sensíveis de um modo mais cauteloso”, disse.
 
Em seguida, Mota trouxe o exemplo do reconhecimento de filiação socioafetiva, tornado ato administrativo no RCPN pelo Provimento nº 63 do CNJ. Silveira também adicionou à discussão um ponto integrante da nova LGPD, que diz respeito à governança – principalmente com relação aos treinamentos sobre o tema. “Todos os colaboradores do Cartório precisam ter esse mesmo conhecimento e preocupação com dados pessoais e sensíveis”, disse.
 
Por fim, Possar comentou a respeito do Provimento nº 73 e a possibilidade de alteração de nome e gênero dos transsexuais, diretamente nas serventias, sem necessidade de atuação judiciária, e sem precisar provar a realização de cirurgia de mudança de sexo ou laudo médico. “Foi um passo muito importante para o RCPN e para essas pessoas, pois permite uma adequação do registro civil à realidade de identidade percebida pela própria pessoa”, ressaltou a registradora.



Clique aqui e assista à íntegra da live no YouTube da Arpen-SP

Fonte: Assessoria de Imprensa
Deixe seu comentário
 
 
514281

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 138.346.646
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo – Migalhas – LGPD e a vigência em tempos de coronavírus, por Mariana Cardoso Magalhães

LEIA MAIS