Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Cartório de Vila Matilde

Registro Civil das Pessoas Naturais do 38º Subdistrito da Capital - Vila Matilde  

 

  • Oficial: Amilton Navarro

  • Oficial Substituto: Vicente Roberto Loscher

  • Endereço: Rua Dr. José Paulo, 104/106

  • Bairro: Vila Matilde
  • CEP: 03509-540

  • E-mail: 
  • Telefone: (0XX11)  6651-9959
  • Fax: (0XX11) 6651-7318

  • Horário de Funcionamento: De segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, e aos sábados das 9h às 12h.

  • Instalação do Cartório: 1949
  • Serviços: Nascimentos, Casamentos e óbitos, Reconhecimento de Firmas, Autenticações e Procurações.

  • Links Úteis: http://www.metro.sp.gov.br/redes/vermelha/tevilamatilde.shtml 

  • ESTE CARTÓRIO CONTA COM O CERTIFICADO DE QUALIDADE DA ARPEN-SP
     
    Respeito e responsabilidade na Vila Matilde
     

    Amilton Navarro, Oficial do Registro Civil de Vila Matilde há sete anos não brinca em serviço. Muitoatencioso e preocupado coordena o cartório seguindo a risca todas as regras e normas vigentes. "Nós recebemos muita demanda de dúvidas de outras naturezas, de cunho jurídico, ou mesmo de problemas gerais. Procuramos sempre orientar, informar, instruir a pessoa. A população acaba vindo ao cartório, ele passa a ser um parceiro da sociedade. O que os magistrados mais querem é justamente isso: que o cartório seja um amigo da sociedade, porque ele é um braço do poder judiciário", explica. 

     

    Navarro começou cedo o trabalho em cartório. "Eu iniciei na vida cartorária como office boy na serventia da Barra Funda, depois passei como auxiliar no cartório da Santa Cecília. Mais tarde fui estudar Direito, quando eu me formei eu advogava para vários cartórios. Prestei o 1º concurso do Registro Civil  fui aprovado e escolhi o cartório da Vila Matilde", conta o Oficial, relembrando sua trajetória.

     

    Hoje, no cartório de Vila Matilde, 18 funcionários se dedicam ao trabalho diário. A equipe, que Navarro costuma chamar de colaboradores, pratica mais atos registrais do que notariais: em média 85 nascimentos e óbitos e 80 casamentos mensalmente. Para auxiliar ainda mais a população a serventia colhe no Hospital de Vila Matilde os nascimentos ocorridos na maternidade para que os pais não precisem se deslocar até o cartório para efetuar o registro. "Somos uma equipe. Gosto de chamar os funcionários que trabalham aqui de colaboradores. A única diferença entre eu e eles é que eu os coordeno e respondo pelo cartório, mas eu sou escrevente do mesmo jeito, não muda nada. Tenho muita confiança em todos", afirma o Oficial.

     

    Uma característica que salto aos olhos a todos que procuram os serviços no cartório é o espírito do serviço público que os cartórios devem ter. Na Vila Matilde o Oficial lembra de várias histórias onde auxiliou a população do bairro. "Uma vez um senhor veio nos procurar. Ele estava com a casa em ruína, o chão havia levantado, as paredes estavam arriando, por um problema de vazamento da Sabesp. Isso não tem nada há ver com o cartório, mas nós orientamos essa pessoa. Fizemos uma carta ao diretor da Sabesp. E deu certo. A Sabesp foi lá e resolveu o problema. Procuramos orientar qualquer pessoa, com qualquer dúvida", recorda Navarro.

     

    Este espírito de responsabilidade é marca registrada do cartório "A responsabilidade de um Oficial ela é objetiva, cumprimos nossos deveres e também procuramos ajudar quem precisa com nossos conhecimentos", afirma.

     

    Amilton relembra outro acontecimento que julga ser parte da satisfação de realizar um trabalho de colaborador da sociedade: "Um senhora veio aqui uma vez, ela era possuidora de uma gleba de terras no interior. Veio pra tirar várias xérox autenticadas. Quando apresentamos a conta ela não tinha dinheiro para pagar. Eu fui conversar com a senhora e ela me contou que tinha essas terras, que ia entrar como uma ação, não sabia que ação era, mas que ela queria tomar conta daquilo, pois ela já estava lá há quarenta anos, e pagava os impostos. Então eu orientei como ela deveria prosseguir para resolver o problema, e recolhi as contribuições ao Estado. Pois depois de dois anos a senhora voltou aqui, pagou o que devia e ainda me disse: Eu sou proprietária da gleba. Foi muito legal, nós conseguimos ajuda-la".

     

    O Oficial finaliza lembrando da importância e do papel que tem desenvolvido a Arpen-SP no dia-a-dia do trabalho no cartório: "O papel da Arpen-SP é fundamental. Sempre procura dirimir os conflitos, reunir grupos de estudos, elucidar questões difíceis para os cartorários, dar pareceres próprios. É uma associação muito importante, ela contribui muito conosco".  
     
  • Imagens do Cartório
     
     
     
     
     
     
     
    Vila Matilde
     
     
    História do Bairro
     
    Tudo começou com a idéia do governo de construir linhas de trens na região. Para que a promessa de campanha tivesse sucesso, precisavam de um grande contingente de terrenos, isto é, um espaço onde os trilhos pudessem ser estruturados. Em 1921, amaior detentora de terras era uma mulher.  Rica proprietária da fazenda Gavião; era sob seu domínio que estavam as terras que iam desde a Guaiaúna até onde hoje é o Parque do Carmo. Escolástica Melchert da Fonseca; para uns apenas o nome de uma rua, muito contribuiu para o nascimento do bairro. A pedido dos governantes locais, doou parte de sua posse para a construção das linhas, mas em troca fez uma solicitação: o local deveria se chamar Vila Matilde, em homenagem à filha Matilde de Melchert Soares. Sua contribuição ainda vai além. Sendo representada por seu afilhado Dr. Diogo de Carvalho, eles venderam as terras para importantes nomes da época como as famílias Matarazzo, Fachinni e o Sr. Guilherme Giorgi. Por seu caráter religioso, a presença da fé na Vila Matilde é uma espécie de homenagem à Escolástica: foi ela quem doou o terreno onde Dr. Diogo construiu a primeira igreja da região, a atualmente conhecida Capela de Nossa Sra. de Lourdes, e a filha cedeu um terreno de cerca de um quarteirão para a Ordem das Filhas de São José, com a condição de que ali fosse erguido um educandário para os que lá fossem morar. Apesar do slogan "A cidade que mais cresce no mundo", usado então, na Vila da década de 20 ainda não existiam farmácias, padarias ou lojas, e para ter acesso a isso os moradores tinham que se deslocar até bairros próximos, como a Penha. Hoje Vila Matildeé um bairro pertencente à subprefeitura da Penha, na região leste da cidade de São Paulo. O distrito a que o bairro pertence é servido pela Linha 3 do Metrô, com as estações Penha, Vila Matilde, Guilhermina-Esperança e Patriarca.

    Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
    Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
    Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

    Nº de Visitas: 126.681.130
    Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP