Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Títulos no Registro Civil das Pessoas Naturais

Por Marcelo Gonçalves Tiziani
Publicado em: 27/06/2016
Marcelo Gonçalves Tiziani
Oficial de RCPN
Tabelião de Notas
Tuiuti/SP
 
Sumário: 1. Introdução – Títulos de Inscrição; 2. Título Material do Registro Civil; 3. Título Formal do Registro Civil; 3.1. Os Documentos Autênticos; 3.2. As Declarações Verbais de Conhecimento; 3.3. As Declarações Verbais de Vontade; 4. Titulação Extraordinária; 5. Controle da Legalidade; 5.1. Conceito; 5.2. Atribuição da Função Qualificadora; 5.3. Extensão da Função Qualificadora; 5.3.1. O Controle da Realidade do Fato; 5.3.2. O Controle da Legalidade do Ato; 5.4. Conteúdo da Decisão Qualificadora; 5.5. Recursos em Matéria Qualificadora; 6. Conclusão; 7. Referência Bibliográfica
 
1. Introdução – Títulos de Inscrição
 
A atividade de Registro Civil das Pessoas Naturais existe para a constatação e inscrição, em livros próprios, dos fatos e atos do estado civil. Tais acontecimentos de status são, com efeito, as causas do registro.
Assim, quando se fala em causa da inscrição, o que se quer indicar é o seu motivo, ou seja, seu título. Em outros termos, título, na atividade registral, significa a causa do registro.
Como fala Francisco Luces Gil, a palavra título pode ser empregada com duplo sentido: a) em um sentido material, é o fato real que afeta o estado civil; a causa produtora da modificação ou alteração do estado; b) em sentido formal, é o meio utilizado para sua constatação ou justificação; o meio instrumental empregado para que o fato tenha reflexo registral[1].
As ideias trazidas acima, como se sabe, são conceitos oriundos do Direito Registral Imobiliário. Mas, como adverte Jose Pere Raluy, não há inconveniente algum, no campo do Direito Registral Civil, dadas as especiais características dos fatos inscritíveis e dos diversos meios através dos quais ingressam no Registro, aceitar a noção de título de inscrição descrita desta forma, pois não apenas se adéqua à terminologia da lei, como também permite o uso da expressão títulos de inscrição de modo a facilitar a exposição da matéria[2].
Assim, este pequeno trabalho de pesquisa visa complementar os estudos sobre a função pública de Registro Civil, trazendo breves comentários sobre os títulos de inscrição no RCPN.
 
2. Título Material do Registro Civil
 
Como acima mencionado, a causa material do Registro Civil é o acontecimento que atinge o estado civil. Assim, o título em sentido material é a causa da aquisição ou modificação do fato registrável.
Sobre o tema, diz María Ángeles Parra Lucán que, do ponto de vista material ou substantivo, o título pode ser entendido como razão ou causa que dá lugar ao fato inscritível (o fato do nascimento e do falecimento, a celebração do matrimônio)[3].
Nesse contexto, os fatos e atos que ingressam no Registro Civil podem ter origem em acontecimentos naturais (nascimento e a morte), negócios jurídicos de Direito de Família (casamento), declarações de vontade (reconhecimento de paternidade), dentre outras.
Em suma, como diz Galdino Siqueira, a causa material ex qua do Registro Civil é o fato que ele se propõe constatar[4].
 
3. Título Formal do Registro Civil
 
 Por outro lado, a causa formal do Registro Civil é o meio de levar ao conhecimento do Registrador o fato do estado civil.
María Linacero de La Fuente leciona que os títulos que ingressam no Registro Civil, título em sentido formal, podem ser definidos como os instrumentos verbais ou documentais que constatam a causa de aquisição ou modificação do fato inscritível, título em sentido material, e cujo fim é servir de meio ou suporte para a prática dos assentos registrais[5].
Assim, no âmbito do Direito do Registro Civil, o conceito de título é mais abrangente que o dado pelo Direito Registral Imobiliário, já que compreende não somente alguns documentos, mas também certas declarações.
Tal variedade de títulos que ingressam no Registro Civil é decorrência do polimorfismo do estado civil. Quanto mais numerosas as situações de status, maior o reflexo na variedade de instrumentos que ingressam no RCPN.
Com efeito, as causas do registro, segundo sua origem, podem ser: os documentos autênticos, as declarações verbais de conhecimento e as declarações verbais de vontade.
 
3.1. Os Documentos Autênticos
 
Em algumas situações, a realização das inscrições é feita com base em documentos apresentados ao Oficial.
Sobre a noção de documento autêntico no RCPN, Francisco Luces Gil diz que seu conceito é mais amplo que o de documento público, documento autorizado por Notário ou Funcionário Público competente, com as formalidades legais, já que compreende, não apenas os documentos notariais, judiciais ou administrativos, mas também as certificações eclesiásticas e os escritos particulares[6].
Ricardo Dip esclarece que podem dividir-se esses títulos instrumentais quanto à origem: notarial, judicial, administrativo, legislativo, eclesiástico, registrário e particular[7].
Assim, os documentos devem ser autênticos e preencher os demais requisitos necessários para poderem ingressar no RCPN. São exemplos o mandado judicial de averbação e a escritura pública de divórcio.
 
 
3.2. As Declarações Verbais de Conhecimento
 
As declarações verbais de conhecimento ocorrem quando terceira pessoa, tendo notícia de um fato inscritível, leva-o a registro.
Como fala Jose Pere Raluy, as declarações de conhecimento dizem respeito, sempre, a fatos físicos – nascimento e óbito – relativos à pessoa distinta do declarante e são feitas pelos particulares que têm conhecimento de tais ocorrências[8] [9].
Ainda, é importante destacar que este título exige complementação por meio de algum documento autêntico ou testemunho adicional. Ou seja, a mera declaração não é suficiente para o registro, necessitando de uma complementação para seu aperfeiçoamento.
Assim, é possível concluir que a declaração verbal de conhecimento é uma titulação complexa, na medida em que a manifestação da ciência do fato emitida verbalmente deve vir suplementada por um título acessório previsto para o caso concreto.
Podem ser citadas como exemplo a declaração de nascimento acompanhada da DNV e declaração de óbito confirmado por duas testemunhas.
 
3.3. As Declarações Verbais de Vontade
 
Outrossim, alguns de atos do Registro Civil são realizados mediante declarações verbais de vontade emitidas perante o Oficial.
Jose Pere Raluy diz que alguns atos de estado civil surgem no seio do próprio Registro e se constituem ou perfazem em virtude de declarações de vontade emitidas junto ao Registrador[10], como ocorre com as declarações em matéria de casamento e reconhecimento de paternidade.
Em tais hipóteses, a manifestação de vontade deve ser reduzida a termo, a fim de documentar o fato.
Com efeito, em algumas situações, o meio instrumental para a prática do ato de registro é a declaração verbal de vontade feita diante do Oficial de Registro.
 
4. Titulação Extraordinária
 
A titulação extraordinária ou suplementar ocorre quando o fato ou ato do estado civil tem origem em circunstâncias ou lugares especiais, que dificultam a registração ordinária. Nestes casos, os atos de registros são feitos com base nos documentos emitidos pelas pessoas encarregadas da constatação da ocorrência.
Como leciona Francisco Luces Gil, os termos lavrados por tais funcionários constituem uma titulação especial para ulterior inscrição no Registro competente, ao qual devem ser remetidos[11].
Como exemplo de titulação extraordinária pode ser citado o nascimento a bordo.
 
5. Controle da Legalidade
 
5.1. Conceito
 
Como ensina Riccardo Omodei Salè, a ausência de discricionariedade no desempenho da atividade do Oficial de Registro não comporta distanciamento do controle da legalidade do que é por ele recebido e documentado. O fato de os atos do estado civil conterem uma confirmação de status da pessoa, obrigatória e vinculante erga omnes, leva à conclusão de que o Oficial deve proceder ao prévio controle de legalidade dos atos a serem registrados[12].
Ensina Francisco Luces Gil que a qualificação registral deve ser entendida como a valoração que deve efetuar o Registrador a respeito dos títulos de inscrição, para determinar se procede ou não à prática do assento correspondente[13].
Assim, o controle de legalidade ou qualificação jurídica prévia é o exame que faz o Oficial dos títulos que se lhe são apresentados, com o fim de determinar se mencionados meios cumprem os requisitos legais necessários para a prática do assento correspondente.
A qualificação garante a legalidade e exatidão dos títulos que ingressam no Registro Civil.
 
5.2. Atribuição da Função Qualificadora
 
A função qualificadora é atribuição exclusiva dos Oficiais de Registro Civil.
Desta forma, carecem destas faculdades o Juiz de Paz ou Casamentos, o Promotor de Justiça e o Juiz Corregedor Permanente.
Sobre a atuação judicial no procedimento de controle da legalidade da causa do registro, é preciso ressaltar que ela é feita sobre a decisão exarada pelo Oficial, após a qualificação realizada, e não sobre o título em si, ou seja, a atividade do Juiz é feita revisando ou confirmando a decisão proferida anteriormente.
Assim, compete exclusivamente ao Oficial de Registro encarregado da inscrição a verificação prévia dos requisitos do ato de registro, cuja decisão somente por ordem judicial por ser substituída.
 
5.3. Extensão da Função Qualificadora
 
A função qualificadora deve ser analisada sob dois enfoques: um concernente à realidade dos fatos constatados e outro relacionado à legalidade do ato a ser registrado.
Como fala Riccardo Omodei Salè, diversos dispositivos mostram como este controle tem natureza também substancial, vale dizer, requer o cumprimento de uma série de verificações acerca da situação jurídica que se quer representada pelos registros do estado civil, realizadas a fim de evitar a inserção, nestes últimos, de atos ilegais ou que também não correspondam a situações verídicas[14].
 
5.3.1 O Controle da Realidade do Fato
 
No RCPN, o Oficial deve verificar a realidade do fato a ele levado a registro.
Neste aspecto, leciona Riccardo Omodei Salè que a posição do Oficial de Registro Civil não deve se limitar a verificar o respeito a condições meramente extrínsecas e formais[15] do título, averiguando até a existência do acontecimento.
Assim, caso o Registrador tenha dúvidas sobre a exatidão das declarações ou da autenticidade dos documentos que lhe são apresentados, pode ele realizar as diligências que entenda necessárias.

5.3.2. O Controle da Legalidade do Ato
 
 O controle de legalidade do ato na atividade de RCPN visa analisar sua existência, validade e eficácia, conforme as normas jurídicas aplicáveis.
Ainda, a função qualificadora do Registrador tem amplitude distinta, segundo a natureza do título apresentado.
Quando diante de declarações, a qualificação do Oficial deve compreender, além dos requisitos de fundo do ato - exatidão e legalidade -, também a capacidade e identidade dos declarantes.
No que concerne aos documentos em geral, o controle da legalidade deve compreender, ainda, a autenticidade e as formalidades extrínsecas do instrumento.
Quanto às sentenças judiciais, a qualificação é mais restrita, devendo compreender: a) o exame da competência absoluta da autoridade; b) o exame do procedimento seguido; c) o exame da autenticidade e formalidades extrínsecas do documento no qual consta a decisão; d) o exame não deve alcançar o fundo da sentença, mas sim, os obstáculos que possam ocorrer em virtude dos próprios assentos, como, por exemplo, incompetência do Oficial, a existência de assento contraditório ou incompatível ou a impossibilidade momentânea de se lavrar o ato marginal pela falta do assento principal [16] [17].
 
5.4. Conteúdo da Decisão qualificadora
 
Sob um enfoque procedimental, uma vez examinados os títulos apresentados ao Registrador, a decisão por ele proferida pode ser no sentido de:
a) realizar a lavratura do assento segundo o título apresentado. Nestes casos, não é preciso documentar a decisão, que se deduz da prática do ato.
b) suspender a lavratura do assento, com indicação dos defeitos sanáveis. Nestes casos, o Oficial deve certificar a recusa no próprio requerimento ou dar nota explicativa ao interessado acerca dos defeitos do título para que sejam corrigidos.
c) denegar a lavratura do assento. Hipótese em que o interessado, também, deve ser comunicado da recusa no próprio requerimento ou por nota explicativa.
Assim, nos casos de denegação ou suspensão do ato de registro, é necessária a sua documentação, mediante emissão de nota explicativa pelo Oficial, com indicação das disposições em que se baseia.
           
5.5. Recursos em Matéria Qualificadora
 
Contra as decisões do Oficial em matéria de qualificação, existem, como meios de impugnação independentes, o procedimento administrativo e a via judicial.
Assim, quando o Oficial entender que a inscrição não pode ser efetuada e o requerente não se conformar com a recusa, pode ser suscitada dúvida registral[18], nos termos do artigo 198 da LRP.
A dúvida registral, com efeito, é a impugnação, na via administrativa, da decisão qualificadora desfavorável emitida pelo Registrador, cuja finalidade é a sua revisão pelos superiores hierárquicos.
Ainda, no que diz respeito ao uso da via judicial, não se trata, propriamente, de um recurso contra as decisões dos agentes de registro, mas de uma ação autônoma, visando à obtenção de uma sentença que ordene a prática de um determinado assento.
O procedimento judicial não exige o prévio esgotamento da via administrativa para sua utilização, de modo que o interessado pode se insurgir contra as decisões do Oficial por meio de ação direta.
 
6. Conclusão
 
Título no RCPN é a causa do registro. Pode ser material, quando diz respeito ao fato ou ato que cria, modifica ou extingue o estado civil; e formal, quando relacionado ao instrumento de cognição levado ao Registrador. Ainda, é extraordinário, quando oriundo de circunstâncias especiais.
As causas materiais da inscrição são analisadas pelo Direito Substantivo (nascimento, casamento, interdição, nacionalidade etc.), ao passo que o título formal interessa ao Registro Civil (Direito Adjetivo).
Os instrumentos formais que ingressam no RCPN apresentam-se como declarações ou documentos. As declarações servem para situações de conhecimento de fato (ex: óbito) ou de manifestação de vontade (ex: casamento), enquanto os documentos podem ser judiciais (ex: mandado judicial de adoção de menor), notariais (ex: escritura pública de divórcio consensual), administrativos (ex: comunicação para anotação emitida por um Registrador a outro), particulares (ex: documento particular de declaração de reconhecimento de paternidade, com firma reconhecida), legislativos (ex: óbito de desaparecido reconhecido pela Lei 9.140/1995), eclesiásticos (ex: assento de casamento religioso), dentre outros.
Ao receber um título para a registração, cabe ao Oficial, com exclusividade e pautado pelo princípio da legalidade que orienta sua atuação, verificar se o instrumento contém todos os pressupostos necessários para que a inscrição seja feita, especialmente quanto à realidade do fato e à legalidade do ato.
Quanto às impugnações das decisões proferidas pelo Registrador, a parte interessada pode valer-se da via administrativa ou judicial. O questionamento extrajudicial, no Estado de São Paulo, é feito pelo procedimento de dúvida (registro em sentido estrito) ou mediante pedido de providências (demais situações), enquanto a ação direta visa à obtenção de mandamento judicial, em decorrência de litígio com o Oficial.
Concluindo, a verificação dos títulos de inscrição no Registro Civil das Pessoas Naturais é tarefa de extrema responsabilidade, que deve ser feita com muita técnica e parcimônia, já que compete ao RCPN a guarda e conservação do estado civil da pessoa humana.
 
7. Referências bibliográficas
 
SÃO PAULO - Conselho Superior da Magistratura de São Paulo - Ap. Cível n° 0001717- 77.2013.8.26.0071, Rel. José Renato Nalini. Disponível em: <http://www.kollemata.com.br/kollemata/integra.php?id=25137>. Acesso em: 02/06/20116.
____________- Conselho Superior da Magistratura de São Paulo - Apelação nº 0015448-29.2014.8.26.0032, Rel. Manoel de Queiroz Pereira Calças. Disponível em: <http://www.kollemata.com.br/kollemata/integra.php?id=28678>. Acesso em: 02/06/2016.
____________- Decreto-lei Complementar Estadual n.º 3, de 27 de agosto de 1996. Disponível em: . Acesso em: 02/06/2016.
____________- Regimento Interno do Tribunal de Justiça de São Paulo. Disponível em:. Acesso em: 02/06/2016.
DIP, Ricardo. Nótula sobre o Sujeito da Morfologia Registral ou (talvez melhor) Brevíssimos Elementos para um Direito Registral Processual. In Direito Notarial e Registral Avançado. (coord.) YOSCHIDA, Consuelo Y. M. et al. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.
FUENTE, Maria Linacero de La. Tratado Del Registro Civil. Valencia: Tirant lo blanch, 2013
GIL, Francisco Luces. Derecho Registral Civil. Barcelona: Bosch, 1976.
LUCÁN, María Ángeles Parra. Documentos Auténticos Para Practicar Inscripciones. In Comentarios a La Ley Del Registro Civil. (org.) GÓMEZ, José Antonio Cobacho et al.  Navarra: Aranzadi, 2012.
RALUY, Jose Pere. Derecho del Registro Civil. Tomo I. Madri: Aguilar, 1962.
SALÈ, Riccardo Omodei. Dello Stato Civile. In Commentario all´Ordinamento dello Stato Civile. (Org. ZACCARIA, Alessio. Santarcangelo di Romagna. Maggioli Editore, 2013.
SIQUEIRA, Galdino. O Estado Civil. Ed. Magalhães: São Paulo, 1911.
 

[1]GIL, Francisco Luces. La palabra “título” puede emplearse en un doble dignificado: a) en un sentido material, es el hecho real que afecta al estado civil, la causa productora del cambio o alteración del estado; b) en un sentido instrumental, es el medio utilizado para su constatación o justificaión, el médio instrumental empleado para que el hecho tenga reflejo registral. Derecho Registral Civil. Barcelona: Bosch, 1976. Nota 14, p 72.
[2] RALUY, Jose Pere. Sí en el Derecho registral immobiliaro la palabra título tiene, como dice Roca Sastre, una acepción sustantiva o material, y en tal acepción equivale a causa o razón jurídica de la aquisición de un derecho, y outra, formal o instrumental, equivalente a la prueba gráfica o documental que constata o autentiza aquella causa o razón de adquirir, no hay incoveniente alguno en el campo de Derecho registral civil, dadas las especiales  características de los hechos inscribibles e de los diversos médios, a través de los que tales hechos accenden al Registro en aceptar la noción de título de inscripción descrita en el texto, que no solo se acomoda a la terminologia regulamentaria, sino que permite un frecuente uso de la expressión “títulos de inscripción” en forma que resulta muy práctica a efectos expositivos. Derecho del Registro Civil. Tomo I. Madri: Aguilar, 1962. p. 254.
[3] LUCÁN, María Ángeles Parra. ... desde un punto de vista material o sustantivo el título puede ser entendido como razón o causa que da lugar ao fato inscribible (el hecho Del nacimento, la celebración del matrimônio). Documentos Auténticos para Practicar Inscripciones. in Comentarios a La Ley Del Registro Civil. (org.) GÓMEZ, José Antonio Cobacho et al. Navarra: Aranzadi, 2012. p. 459.
[4] SIQUEIRA, Galdino. O Estado Civil. Ed. Magalhães: São Paulo, 1911. p. 12.
[5] FUENTE, Maria Linacero de La. Los títulos que accenden al Registro Civil “títulos em sentido formal” (arts. 27 a 29LRC 2011) pueden definirse como los instrumentos verbales o documentales (v.gr. declaraciones, resoluciones judiciales o administrativas, documentos públicos..) que constatan la causa de aquisición o modificación del hecho inscribible "título em sentido material" (v.gr. resolución judicial que acredita el nombramiento de tutor, o una escritura pública que acredita un pacto económico matrimonial), y cuyo fin es servir de medio o soporte para la práctiva de los asientos registrales. Tratado Del Registro Civil. Valencia: Tirant lo blanch, 2013.p. 137.
[6] LUCES, Francisco Gil. El concepto de documento auténtico es más amplio que el de documento público (documento autorizado por notário o funcionário público competente con las formalidades legales), ya que comprende, no sólo, los documentos notariales, judiciales o admistrativos, sino también las certificaciones eclesiásticas, los partes facultativos, las certificaciones del Presidente del consejo de família, etc. Op. cit. p. 73.
[7]DIP, Ricardo. Nótula sobre o Sujeito da Morfologia Registral ou (talvez melhor) Brevíssimos Elementos para um Direito Registral Processual. In: Direito Notarial e Registral Avançado. (coord.) YOSCHIDA, Consuelo Y. M. et al. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014. p. 58.
[8] RALUY, Jose Pere. Se refieren, siempre, a hechos físicos – nacimiento , defunción – relativos a persona distinta del declarante y se formulan por los particulares – en ocasiones funcionarios administrativos – que tengan conocimiento de tales hechos. Op. cit. p. 257.
[9] No caso de registro de nascimento tardio, excepcionalmente, é permitido ao próprio registrando fazer a declaração do fato.
 
[10] RALUY, Jose Pere. Cierto número de actos de estado civil surgen en el seno del próprio Registro, y se constituyen o perfeccionan a virtud de declaraciones de voluntad emitidas ante el Registrador. Op. cit. p. 256.
[11] GIL, Francisco Luces. Las actas levantadas por estos funcionários constituyen una titulación especial para la ulterior inscripción en el Registro competente. Op. cit. p. 74.
[12] SALÈ, Riccardo Omodei. L´assenza di discrizionalità nello svolgimento delle funzioni da parte dell´ufficiale dello stato civile non comporta (anche) assenza di controllo della legalità di quanto viene dal medesimo ricevuto e documentato: la circostanza, infatti, che gli atti dello stato civile, come si dirá anche più avanti, contengano um accertamento di status della persona obbligatorio e vincolante erga omnes induce a ritenere che l´ufficiale di stato civile debba sì registrare gli atti dello stato civile, m  previo controllo di legalità degli stessi. Degli atti dello stato civile. In Commentario all´Ordinamento dello Stato Civile. (org.) ZACCARIA, Alessio. Maggioli Editore, 2013.p. 10.
[13] GIL, Francisco Luces. La calificación registral es la valoración que debe efectuar el Registrador respecto de los títulos de inscripición, para determinar si procede o no la práctica del asiento correspondiente. Op. cit. 82.
[14] SALÈ, Riccardo Omodei. Diverse disposizioni mostrano come questo controllo abbia natura anche sostanziale, vale a dire richieda il compimento di una serie de verifiche circa la situazione giuridica che si vuole rappresentata dai registri dello stato civile finalizzate ad evitare l´inserimento, in questi ultimi, di atti illegali ovvero che non corrispondono a situazioni vere. Op. cit. p. 11.
[15] Bis in idem. Da questo punto di vista, l´ufficiale dello stato civile si viene, perció, a trovare in una situazione diversa da quella própria del conservatore dei registri immobiliari, il quale, per quanto riguarda gli atti a lui presentati per la trascrizione o l´iscrizione, deve limitarsi a verificare Il rispetto di determinate condizioni meramente estrinseche e formali. p. 11.
[16]Vide: GIL, Francisco Luces. Op. cit. p. 83-84. RALUY, Jose Pere. Op. cit. 302-303. FUENTE, María Linacero de la. Op. cit. p. 140.
[17]Vide: CSM/SP - Ap. Cível n° 0001717- 77.2013.8.26.0071, Rel. José Renato Nalini; CSM/SP - Apelação nº 0015448-29.2014.8.26.0032, Rel. Manoel de Queiroz Pereira Calças.
[18] Dúvida nas hipóteses em que o ato colimado é registro em sentido estrito, com recurso de apelação para o Conselho Superior da Magistratura de SP, na forma do artigo 16, IV, do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, nos seguintes termos: compete ao Conselho Superior da Magistratura julgar os processos de dúvidas de serventuários dos Registros Públicos.
 Pedido de Providências para demais situações, com recurso administrativo/voluntário para a Corregedoria Geral da Justiça de SP, nos termos do artigo 246 do Decreto-Lei Complementar Estadual n.º 3/69, assim: de todos os atos e decisões dos Juízes corregedores permanentes. sobre matéria administrativa ou disciplinar, caberá recurso voluntário para o Corregedor Geral da Justiça, interposto no prazo de 15 (quinze) dias, por petição fundamentada, contendo as razões do pedido de reforma da decisão.

Deixe seu comentário
 
 
973208

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 132.932.525
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Retificação ou Suprimento ou Restauração de Registro Civil - Registro Civil das Pessoas Naturais - Maria Antonia Feijoo Teixeira Campanha

LEIA MAIS