Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Em Bauru, mãe socioafetiva consegue registrar filha diretamente em cartório

Publicado em: 28/07/2016
Em Bauru (SP), uma criança de três anos foi registrada com os sobrenomes de suas duas mães, a biológica e a socioafetiva. É o primeiro registro por filiação socioafetiva na cidade. O caso chama atenção pela rapidez com que foi resolvido. O procedimento durou apenas 15 dias e o casal não precisou ir à Justiça.

Recentemente, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) regulamentou, por meio do Provimento 52/2016, o registro de crianças geradas por técnicas de reprodução assistida. No entanto, o registro de filho socioafetivo sem necessidade das vias judiciais ainda não possui normatização nacional.

Contudo, vários Estados, por meio de suas Corregedorias de Justiça, já regulamentaram o reconhecimento registral da paternidade socioafetiva diretamente em cartório. A regra é: o interessado poderá reconhecer a paternidade socioafetiva de filho, em cartório, apresentando o documento de identificação com foto e original ou cópia da certidão de nascimento do filho. Se o filho for menor de idade, será colhida a assinatura da mãe. O ato de reconhecimento voluntário de filho socioafetivo é irrevogável.

Essas normatizações locais ainda não beneficiam filhos de casais homoafetivos. Nesses casos, via de regra, é necessário recorrer à esfera judicial, dando entrada em processo que pode demorar anos.

O processo em meio administrativo, com a intervenção do Cartório de Registro Civil local, foi solucionado em duas semanas. No caso, o oficial do cartório, Alexandre Mateus de Oliveira, teve apenas que abrir vistas ao Ministério Público e esperar a decisão do juiz que não teve cunho judicial e nenhum custo para as partes.

Para ele, a situação pode nortear uma normatização estadual sobre o assunto. “Como ainda não temos uma norma em relação a este tema, é dificultosa a regularização da filiação socioafetiva. Por isso fiquei muito satisfeito com o resultado, pois representa uma vitória para o casal”, disse.

Para o magistrado, autor da decisão, “o reconhecimento da filiação socioafetiva é modalidade de parentesco ainda precoce em nosso ordenamento jurídico e em nossa jurisprudência pátria, de modo que precisa ser interpretado à luz dos novos princípios informadores do direito de família, abandonando-se conceitos antigos arraigados em nossa cultura já incompatíveis com a realidade”, concluiu.


Reconhecimento pleno

Para a advogada Patrícia Gorisch, presidente da Comissão Nacional de Direito Homoafetivo do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM), mesmo com o atraso na edição de leis, o trabalho dos juízes e dos tabeliães promovem o avanço no reconhecimento da socioafetividade e dos direitos LGBTI.

“Infelizmente temos apenas em alguns estados esse tipo de regulamentação que provém não dos nossos legisladores, mas das Corregedorias. Cada vez mais vemos a desjudicialização das causas relacionadas à família, isso é uma tendência e grande parte disso deve-se ao IBDFAM que há muito tempo se posiciona pela não intervenção do estado nas relações familiares. Não vai ser o estado que vai dizer o que é ou não família, vai ser o coração das pessoas”, diz.

Segundo a advogada, seria interessante uma legislação de âmbito nacional sobre a matéria, “na nossa sociedade isso já existe, mas é importante que tenha uma legislação a respeito para que esses casos sejam mais facilmente reconhecidos, para que não haja o desgaste de um processo judicial para ter esse direito reconhecido”.

“Eu tenho um caso de um adolescente de 17 anos que é registrado pelo pai biológico, mas que quer tanto o reconhecimento da relação de paternidade socioafetiva que tem com o padastro que pediu para ser adotado pelo padastro. Se a socioafetividade fosse reconhecida de uma maneira plena ele não precisaria escolher entre o pai biológico e o padastro”, conta.

Patrícia Gorisch explica que o reconhecimento da socioafetividade é uma tendência mundial, contudo o Brasil caminha a passos lentos devido à influência religiosa de setores influentes no Congresso Nacional. “No Brasil, essa regulamentação ainda não é em âmbito nacional porque temos a bancada religiosa e fundamentalista mais retrógrada dos últimos tempos no Congresso Nacional”, afirma. “Eles acham que se sair do modelo mãe, pai e filho biológico isso não é família”, diz.

Ela destaca a importância da atuação dos juízes e tabeliães. “Enquanto temos legisladores ligados a movimentos religiosos, obtusos e retrógrados, temos lá na ponta os tabeliães com uma atuação muito forte, muito mais célere e de forma muito mais jovem e inovadora. E também os juízes que estão fazendo uma verdadeira revolução jurídica no Direito de Família. A sociedade demanda isso, se os legisladores não fizerem nada, os juízes já estão fazendo e, agora, os tabeliães também e isso é um grande avanço”.

Fonte: IBDFAM com informações da Arpen
Deixe seu comentário
 
 
556205

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 130.041.626
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

CPC 2015: reflexos no Direito de Família

LEIA MAIS