Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Casamento pode levar a menor risco de demência, sugere estudo

Publicado em: 04/12/2017
Os dados indicam que solteiros têm 42% mais chances de desenvolver a doença do que casados; no caso dos viúvos, esse valor cai para 20%

Boa notícia para os casais: pesquisadores sugerem que o casamento pode reduzir o risco de desenvolver demência. Uma pesquisa publicada nesta terça-feira no Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry concluiu que, comparados com os que levam a vida a dois, solteiros apresentam 42% mais chances de ter a doença. No caso dos viúvos, o risco também a maior do que casados, mas o valor cai para 20%.

“Pessoas casadas tendem a ter estilos de vida mais saudáveis ​​e estão mais engajadas socialmente, o que pode explicar por que elas são menos propensas a desenvolver demência”, disse em comunicado o principal autor do estudo, o psiquiatra Andrew Sommerlad, da University College London, no Reino Unido. Ainda assim, os pesquisadores admitem que essa tendência pode estar mudando.

Sommerlad e sua equipe basearam suas descobertas em dados de 15 estudos publicados em periódicos científicos de grande relevância até o final de 2016. O objetivo era analisar um possível papel do estado civil no risco de desenvolver demência. Os dados analisados envolvem mais de 800.000 pessoas na Europa, América do Norte e do Sul e na Ásia.

A visão geral, no entanto, diverge daquela que aparece quando se leva em conta a idade das populações analisadas. Embora, juntos, os estudos mostrem que solteiros têm 42% mais chance de desenvolver demência, as pesquisas que levam em conta pessoas nascidas depois de 1927 (ou seja, com menos de 90 anos) indicam que o risco é menor, de apenas 24%. Isso pode sugerir que a associação entre os dois fatores esteja diminuindo com o tempo. O motivo, no entanto, ainda não está claro para os cientistas.

Da mesma forma, o risco de desenvolver a doença para viúvos também diminuiu misteriosamente quando foi considerado o grau de educação dos participantes. Pessoas que estudaram mais apresentavam uma tendência menor.

Já no caso dos divorciados, a associação não esteve presente em praticamente nenhum dos estudos, embora os cientistas ressaltem que isso pode ser resultado da pequena representatividade deste grupo nas populações analisadas. Todas as descobertas foram baseadas em estudos observacionais, portanto, nenhuma conclusão sólida sobre causa e efeito pode ser tirada, apenas sobre uma associação entre os dois fatores. Os pesquisadores advertem também que alguns dos estudos incluídos não fornecem dados sobre o tempo que os participantes estão viúvos ou divorciados.

A única conclusão sem ressalvas do estudo é que, em todos os casos, o menor risco de desenvolver demência persistiu entre pessoas casadas. “Esperamos que nossas descobertas possam ser aplicadas em medidas de prevenção de demência para pessoas não casadas, como manter a saúde física e garantir a estimulação mental por meio do envolvimento social”, afirma Sommerlad.

Fonte: Veja
Deixe seu comentário
 
 
782773

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 117.292.469
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Justiça de SP autoriza alteração de nome e gênero em registro de transexual

LEIA MAIS