Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

I Seminário Nacional da Arpen-Brasil debate Provimentos 62 e 63 no Pará

Publicado em: 05/02/2018
Belém (PA) – Na tarde deste sábado (03.01), as palestras do I Seminário Nacional de Registro Civil 2018, promovido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), em parceria com a Arpen-PA fizeram uma análise pormenorizada dos Provimentos nº 62 e 63 editados pela Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Esteve sob a responsabilidade do assessor jurídico do Instituto de Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado do Paraná (Irpen/PR), Fernando Abreu Costa Júnior, levantar as principais dúvidas relacionadas ao Provimento nº 63/2017 – que institui modelos únicos de certidão de nascimento, de casamento e de óbito; dispõe sobre o reconhecimento voluntário e a averbação da paternidade e maternidade socioafetiva; e sobre o registro de nascimento e emissão da respectiva certidão dos filhos havidos por reprodução assistida.


Em sua explanação, Costa Júnior destacou que os principais questionamentos dos registradores com o Provimento estão relacionados às normas que regulamentam a paternidade e maternidade socioafetiva. No que tange o artigo 11 da norma, foi destacada a questão de quando o processo de reconhecimento deve ser encaminhado para o Judiciário.

“A legislação diz que na falta do pai ou da mãe registrais, ou na impossibilidade de manifestação válida destes ou do menor, a ação deve ser encaminhada para o juiz competente. O que entendemos é que deve ser encaminhado para o Judiciário quando for um menor em que haja a falta de um dos pais biológicos para realizar a autorização. Mas o que é essa falta? Uma das situações é lugar incerto, não sabido. Outra situação é a morte. Então, gostaria de saber do doutor Márcio Evangelista, que é uma situação que surgiu no Paraná, o que tange a morte. Suponhamos que tenha morrido o pai registral, então, a mãe é detentora do poder familiar. Mas o pai não está ali para dar o seu consentimento. Então, se encaminha para o Judiciário ou apenas com a assinatura da mãe é possível se fazer o reconhecimento?”, questionou.

“A ideia do registro da paternidade é que não gere dúvidas. Neste caso, se não se sabe onde estão ou o pai ou a mãe, o reconhecimento seria passivo de contestação posterior. Então, se encaminha para o Judiciário”, respondeu o juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Márcio Evangelista.

Outra dúvida levantada com relação à paternidade ou maternidade socioafetiva foi com relação ao sobrenome. Costa questionou o representante da Corregedoria se existe a possibilidade de alterar o nome na certidão subtraindo os já existentes.

“A ideia da paternidade socioafetiva não é excluir a paternidade biológica. Então, o nome não pode ser alterado em subtração, ele pode ser acrescido. Ou seja, o sobrenome dos pais biológicos não pode ser retirado. Mas o nome do socioafetivo deve ser acrescido. Porque, normalmente quando se reconhece essa paternidade socioafetiva, se pensa em unificação familiar, possuindo todos o mesmo nome”, explicou Evangelista.


Ainda sobre a questão da paternidade e maternidade socioafetiva, o assessor jurídico do Irpen/PR, orientou os registradores presentes a sempre conversar e entender os pedidos de reconhecimento para que possíveis fraudes sejam evitadas.

“Se chegar à serventia um pai registral aqui de Belém do Pará e a paternidade socioafetiva seja de um pai ou uma mãe socioafetivas de Curitiba, é preciso ficar atento. Não que não possa acontecer, mas é uma situação estranha. Seria interessante quando vocês forem fazer o registro desse reconhecimento socioafetivo conversar com essas famílias para entender como pode existir uma relação socioafetiva de pessoas morando em locais tão distantes. É importante pesquisar para ter certeza que não é uma fraude. E se houver uma suspeita, deve-se recursar esse reconhecimento”, afirmou Costa Júnior.

Para concluir o tema, Fernando Costa levantou um último questionamento com relação à forma que deve ser feito o reconhecimento, em atos unilaterais, citando a Nota Oficial da Arpen-Brasil. “A questão da forma unilateral aqui, nós pensamos na problemática do registro de casal. De uma adoção a brasileira, ou um cônjuge fazendo o reconhecimento socioafetivo por pressão do outro cônjuge. Então, sendo unilateral, não será feito em conjunto. A pessoa fará sozinha e por livre espontânea vontade. Óbvio que isso é uma exceção. O que se reconhece, geralmente, é mais um. Tem pai e mãe registral e tem aquele terceiro que é novo companheiro, nova companheira”, explicou Evangelista.

“Publicamos a nota desta forma porque, às vezes, um casal separou quando o filho era pequeno, e contraiu novas núpcias com a criança ainda pequena. Portanto, tanto a mãe quanto o pai já contraíram novas núpcias, e a criança criou afetividades com os novos cônjuges dos pais. Nós publicamos a nota explicando que o reconhecimento tem que ser unilateral. Ou seja, a criança pode reconhecer tanto o novo marido da mãe quanto a nova esposa do pai como seus pais socioafeitvos, porém, em atos distintos. Até porque é difícil os quatro irem juntos ao cartório”, também comentou o presidente da Arpen-Brasil, Arion Cavalheiro.


Apostilamento

Na sequência, a palestrante Carla Kantek abordou as principais mudanças nas normas para apostilamento de documentos brasileiros. Desde a adesão do Brasil a Convenção da Haia já foram publicadas quatro normativas com relação ao tema: o Decreto Legislativo nº 148/2015, Decreto nº 8.660/2016; a Resolução nº 228/2016 do CNJ; o Provimento nº 58/2016 do CNJ; e o Provimento nº 62/2017 do CNJ.
Entre as principais mudanças trazidas pela última determinação da Corregedoria Nacional de Justiça, Carla destacou a equiparação de documentos particulares com documentos públicos, a competência para apostilamento e a possibilidade de cartórios das capitais solicitarem dispensa da realização do apostilamento.


“As serventias da capital eram obrigadas a lavrar apostilamentos, mas o novo provimento possibilitou a dispensa desse serviço, mediante requerimento motivado à Corregedoria Estadual. Caso seja deferida a dispensa, a norma também prevê que a Corregedoria Nacional seja comunicada pela Corregedoria Estadual. Isso é útil por conta da mudança prevista também na nova legislação de que cada serventia só pode apostilar documentos de sua natureza. Porque algumas naturezas não possuem muitos documentos a serem apostilados, e por estarem na capital eram obrigadas a realizar esse procedimento. Agora, elas podem simplesmente solicitar a dispensa”, explicou.

“É importante salientar que, talvez agora, seja mais viável para o Registro Civil fazer investimento no apostilamento. Porque foi constatado no Paraná que entre 80 e 90% dos apostilamentos são pertinentes ao Registro Civil. E com a regra de que cada natureza só pode realizar o apostilamento de seus documentos, abriu-se um leque para este segmento. Mesmo este sendo um processo caro por conta do custos do papel utilizado para sua emissão”, também comentou o assessor jurídico do Irpen/PR, Fernando Costa.

Carla também destacou o artigo 4º do Provimento nº 62/2017 como a grande modificação da atual legislação. “Este é um artigo muito importante na leitura. É um provimento pequeno, tem apenas 18 artigos, mas o 4º requer uma leitura atenta porque traz a grande modificação do 58 para o 62. Que é como já citei, com relação à competência de quem pode realizar o apostilamento. Precisa ser a mesma serventia que expediu? Não. Mas tem que ser da mesma natureza a qual o documento originalmente pertence. E no caso de documentos que não são originárias de cartórios, como diplomas estudantis? Para esses casos, qualquer natureza pode realizar o apostilamento”, explicou.

A palestrante ainda destacou a importância da CRC Nacional dentro do processo de apostilamento. “Dentro do artigo 4º também existe um reforço das centrais de cada especificidade de cartório. Então é preciso se ater mais a CRC. Todos vocês têm acesso a Central. E o que tem conferir na apostila? A assinatura do signatário. E quem é o signatário de uma apostila expedida por vocês? Vocês mesmo. Então, eu entro na CRC Nacional e checo se o sinal público está correto. O Provimento nº 58/2016 previa a necessidade de se reconhecer firma, hoje não precisa mais. Porque vocês vão usar a Central para fazer a conferência da autenticidade da assinatura”, disse.


CRC Nacional

No encerramento do evento, o supervisor da CRC Nacional, Humberto Briones realizou uma apresentação prática de como solicitar e realizar a emissão de certidões dentro da Central Nacional de Registro Civil (CRC Nacional).

A principal dúvida levantada pela plateia foi o tipo de selo que deve ser inserido nas certidões digitais. De acordo com os registradores presentes, no Estado do Pará é obrigatória à utilização do selo físico, já que ainda não foi criado um selo eletrônico.


“Nossa principal dúvida é com relação a como utilizar o selo, porque dentro do nosso Estado é obrigatória a utilização do selo físico na certidão. O documento só tem validade se estiver selado. Mas, como dentro da CRC é emitida uma certidão eletrônica, e nós não temos um selo digital, ficamos na dúvida de forma proceder para receber e enviar certidões por meio da Central”, falou o presidente da Arpen-PA, Marcos Cordeiro.

“A CRC Nacional está configurada da seguinte forma: quando vocês mandam a certidão, não é necessário colocar nenhum selo. Mas, quem dá a palavra final com relação ao tema, é a Corregedoria Estadual. No Ceará, por exemplo, saiu um Provimento, autorizando que eles digitem dentro da CRC o número do selo físico, e arquivem este selo dentro de um livro criado especificamente para isto. Eu acredito que vocês podem definir um procedimento único para todo Estado, começar a utilizar esse procedimento e passar para a Corregedoria a forma que esse processo está sendo feito. Então, a Corregedoria irá passar as suas orientações”, afirmou Briones.

O presidente da Arpen-PA confirmou que realizará uma reunião com a Corregedoria do Estado onde irá debater o tema.  

Fonte: Assessoria de Comunicação da Arpen-BR
Deixe seu comentário
 
 
678991

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 125.475.887
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Corregedoria Nacional detalha o Provimento nº 66/2018 em Seminário Nacional no Pará

LEIA MAIS