Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Artigo - Solução extrajudicial de conflitos deve ser priorizada - Decisões judiciais acertam ao privilegiar a autocomposição de demandas consumeristas - Por Luiz Ramos e Michel Salomão 

Publicado em: 06/11/2018


Já é de amplo conhecimento público que o Poder Judiciário, no Brasil, tornou-se uma espécie de balcão de reclamações, no qual muitas vezes são apresentadas queixas contra empresas sem que o consumidor tenha, anteriormente, procurado resolver seu problema diretamente com o alvo de sua reclamação. É comum, portanto, a judicialização de demandas que poderiam – e deveriam – ser objeto de tratativas prévias entre as partes, o que seria mais eficiente e menos custoso para todos.
 
Os prejuízos daí advindos para o Estado Brasileiro são expressivos: dados do relatório “Justiça em Números”, editado pelo Conselho Nacional de Justiça, indicam que no ano de 2017 as despesas totais do Poder Judiciário somaram mais R$ 90,8 bilhões, o que correspondeu a 1,4% do PIB brasileiro no período. Não obstante os esforços e a soma de recursos despendidos, 29,1 milhões novas ações ingressaram em nossos tribunais, apenas em 2017, e aquele ano terminou com 80,1 milhões de processos ainda em tramitação, sem uma solução definitiva. A título comparativo, em 2009, havia 60,7 milhões de processos em curso no Poder Judiciário, ou cerca de 31% a menos.
 
A despeito dos efetivos e louváveis esforços legislativos e institucionais empreendidos nos últimos anos – tais como a Lei de Arbitragem, a Lei de Mediação, o novo Código de Processo Civil e suas previsões acerca da conciliação e mediação, as iniciativas de empresas e de Tribunais para resolução extrajudicial de conflitos, dentre outros –, é fato que o volume de processos não para de crescer e o Poder Judiciário não tem conseguido reduzir o volume de demandas judiciais à espera de uma solução.
 
A contribuir decisivamente para esse quadro preocupante, não há dúvidas de que, em muitos casos, o ingresso de novas ações judiciais se dá desnecessariamente. Pelos mais variados motivos, diversos anseios da sociedade continuam a ser manifestados diretamente perante o Poder Judiciário, sem que os interessados se valham de outros caminhos prévios ou concomitantes, os quais teriam grandes chances de alcançar uma solução mais rápida e apta a atender aos interesses de ambas as partes.
 
Diante desse cenário, há tempos se vê a necessidade de que a sociedade civil una esforços para criar mecanismos e soluções extrajudiciais para os conflitos, com vistas a melhorar não somente a celeridade processual, mas, principalmente, a economia de recursos públicos. E o próprio Poder Judiciário, sensibilizado e ciente do tema, atento à sua função de atuar apenas como ultima ratio, tem sido um dos grandes impulsionadores de medidas para a busca de soluções extrajudiciais ou autocompositivas, especialmente no âmbito do direito do consumidor.
 
Muitos magistrados e tribunais têm reiteradamente reconhecido que o Poder Judiciário não pode servir como a primeira e única opção para resolução de conflitos, em um quadro de excessiva judicialização de todo e qualquer problema, por menor que seja. Pode-se mencionar a precisão das palavras do Desembargador CARLOS EDUARDO RICHINITTI, para quem “a intervenção do Estado para solução de contendas deve ser por exceção, e não por regra, até porque, em especial em uma sociedade marcada por contratações por adesão e massificadas, não há a menor possibilidade de uma resposta minimamente aceitável caso se continue no caminho atual, de se admitir que tudo pode e deve virar processo.”
 
É também interessante mencionar a decisão proferida pelo Ministro LUÍS ROBERTO BARROSO, não há muito tempo, quando afirmou que “a concessão de benefícios previdenciários depende de requerimento do interessado, não se caracterizando ameaça ou lesão a direito antes de sua apreciação e indeferimento pelo INSS, ou se excedido o prazo legal para sua análise”.
 
O raciocínio daquele culto jurista e ativo membro do Supremo Tribunal Federal pode – e deve – ser compreendido em sentido amplo: do mesmo modo que a ausência de tentativa de solução administrativa perante o INSS aponta para o desinteresse processual e para inadequação da propositura da ação judicial, a ausência de tentativa de autocomposição junto às empresas fornecedoras de bens e serviços de consumo atesta nada menos do que a desnecessidade da utilização da via judicial (CPC, art. 485, VI). Trata-se, na verdade, de uma interpretação ampliativa dos direitos do consumidor, eis que voltada a solucionar suas demandas previamente, de forma mais eficiente, sem a necessidade de se ajuizar uma demanda e obter, após um longo período de tramitação, uma decisão tardia e assaz custosa do Poder Judiciário.
 
É interessante observar, ainda, a Resolução GP 432017 do Tribunal de Justiça do Maranhão, que sabiamente recomenda a utilização de plataforma de mediação digital criada no âmbito daquele tribunal “nas ações judiciais em que for admissível a autocomposição, e que esta não tenha sido buscada na fase pré-processual” . Ou seja, ainda que uma demanda já tenha sido proposta, a solução pode ser simplesmente dar um passo atrás e aferir se o tema, de fato, merece a atenção e os custos de um processo judicial, ou se, ao contrário, é algo solucionável de plano, entre as próprias partes, de modo mais rápido e eficiente.
 
O que se observa, portanto, é que felizmente tem se tornado cada vez mais comum a adoção de uma visão moderna e contextualizada das normas e princípios que norteiam o direito constitucional de ação e a inafastabilidade da jurisdição, para que o exercício da jurisdição seja precedido da adoção de meios extrajudiciais consensuais de solução de disputas. Como se sabe, o direito de ação não é absoluto, de maneira que o seu exercício se sujeita a determinadas condições, as quais visam, justamente, assegurar a resposta eficaz do aparelho estatal. E essa resposta eficaz, como visto acima, vem sendo dificultada pelo ingresso desnecessário de novas ações em nossos tribunais.
 
Nada mais adequado, pois, do que condicionar a intervenção do Poder Judiciário nas relações entre particulares à verificação de que, de fato, tal intervenção é mesmo imprescindível, o que só é possível se, antes, houver a busca de soluções extrajudiciais ou autocompositivas dos litígios. Esse enfoque, ademais, traz maior valor e reconhecimento para o trabalho do juiz togado, o qual poderá se debruçar, com maior profundidade, apenas sobre os temas que comprovadamente não puderam ser solucionados em outras esferas.
 
Para viabilizar essa autocomposição, é de se notar a importante iniciativa do Governo Federal por meio da plataforma “Consumidor.Gov”, que permite ao consumidor registrar suas reclamações diretamente perante inúmeros fornecedores já cadastrados, oferecendo-lhes a oportunidade de obter uma solução amigável, rápida e eficaz dos problemas apresentados. O “Consumidor.Gov”, aliás, tem demonstrado a sua eficácia e chamado a atenção de juízes, os quais, em diversos casos, vêm determinando a suspensão de processos para que o consumidor registre a sua reclamação naquela plataforma e tente obter a solução autocompositiva de sua queixa, antes de seguir com a ação judicial.
 
Exemplo disso é a decisão proferida no processo de nº 0301833-12.2018.8.24.0064, movido por um consumidor catarinense contra uma empresa, em que o juiz determinou, já de início, o sobrestamento do feito por 30 dias, “para que a parte autora apresente, junto à ferramenta gratuita disponibilizada no site do TJSC ou na página denominada ‘http://www.consumidor.gov.br’, os fatos narrados na inicial e o registro de seus pedidos em relação à parte ré, sob pena de, em não assim fazendo, se considerar a ausência de pretensão resistida e o feito ser extinto por falta de interesse processual (NCPC, art. 485, VI).”
 
É com bons olhos, portanto, que se nota, cada vez mais, o reconhecimento pelos magistrados de que o exercício da tentativa de autocomposição em ambiente externo ao Poder Judiciário não nega vigência ao direito de ação e ao princípio da inafastabilidade da jurisdição, consagrado no inciso XXXV do artigo 5º da Constituição Federal. Aplica-se o direito, assim, de forma mais próxima da realidade de nossos tribunais e de forma a assegurar, àqueles que realmente necessitam da intervenção estatal, a obtenção de uma resposta mais célere e eficaz.
 
Ademais, as decisões favoráveis à necessidade de prévia tentativa de autocomposição em nada prejudicam a efetiva defesa em juízo dos direitos do consumidor, caso necessária. Ao contrário, trata-se de iniciativa que fortalece e empodera o consumidor, que poderá, diante da contraparte, buscar solução muito mais eficiente, rápida e benéfica para a sociedade como um todo, sob todos os aspectos, até mesmo do ponto de vista da sustentabilidade ambiental. E, evidentemente, caso não seja alcançada a autocomposição, o consumidor poderá, então, recorrer à via judicial, tendo, então, como demonstrar a sua real necessidade.
 
É evidente, portanto, que a solução extrajudicial ou autocompositiva de conflitos deve ser priorizada. O sucesso de tal iniciativa é essencial para que se alivie o peso das pilhas de processos que se acumulam por nossos tribunais, para que sejam otimizados os recursos dispostos ao funcionamento da máquina judiciária e para que, enfim, o Poder Judiciário possa, de fato, atuar de forma mais célere e eficaz em prol daqueles que realmente dele necessitam – e não daqueles que, por um individualismo exacerbado, o buscam precipitada e desnecessariamente.
 
LUIZ GUSTAVO DE OLIVEIRA RAMOS – Graduado em Direito pela Universidade de São Paulo – USP (1993). Mestre em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC (2010). Pós-Graduado em Administração de Negócios pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo – FGV/SP (2004). Participou do “Program of Instruction for Lawyers” promovido pela Harvard Law School (2002).
 
MICHEL SCHIFINO SALOMÃO – Graduado em Direito pela Universidade de São Paulo – USP (2007). Pós-Graduado em Processo Civil e em Economia Financeira pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo – FGV/SP (2012/2015).

Fonte: Jota
Deixe seu comentário
 
 
559134

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 124.963.849
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo – O que esperar do próximo governo em matéria tributária? – Por Matheus Carneiro Assunção 

LEIA MAIS