Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Portal UOL - Casamento na África do Sul registrou união inter-racial com fotos incríveis

Publicado em: 19/07/2019
Em 2011, Amanda Dilima conheceu Dennis Jonsson no maior festival de música ao ar livre da África do Sul, Rocking the Daisies - e sentiu que um pedido de casamento após quatro anos de namoro soaria um pouco atrasado.

Ele, nascido na Suécia, é dono de uma agência de viagens focada em proporcionar experiências na África do Sul e Subsaariana. Ela, natural da África do Sul, é uma profissional do varejo da Cidade do Cabo. Em entrevista à revista Vogue dos EUA, Amanda contou tudo: desde o primeiro encontro do casal até o pedido de casamento e o planejamento das cerimônias.

Para o casório, o casal interracial não quis deixar nenhuma das culturas de fora, por isso decidiram celebrar a união com duas festas: a primeira, tradicionalmente africana e realizada na cidade costeira de Porto Elizabeth, onde Amanda nasceu. A segunda, mais ocidental, dedicada a homenagear a cultura de Dennis.

"Queríamos que fosse ao ar livre, rústica, de inspiração africana e mais tranquila", contou Amanda à Vogue. "[...] Convidamos formalmente 250 convidados, no entanto, mais de 350 foram. [...] Em nossa cultura, quando uma mulher se casa, toda a aldeia vem celebrar a união de duas famílias. Não vivemos mais em aldeias, mas a tradição continua. ", relatou a noiva.

Quanto ao traje de ambos, desenhados por Tamara Cherie, a africana declarou que sabia desde o início o tipo de estampa e cor que queria. "Sabia que queria uma estampa de shweshwe azul e branca incorporada no vestido, assim como na camisa de Dennis", disse.

A noiva declarou, ainda, à publicação americana, que os tecidos escolhidos, tanto para o casal, quanto para a roupa das madrinhas e padrinhos, foram comprados por ela e sua dama de honra. "Minha dama de honra Sibongile e eu vimos o tecido que foi usado quando compramos os de madrinhas e padrinhos. [...] A partir do esboço inicial de Tamara, o vestido começou a ganhar vida com todas as peças de tecido que adicionamos", relatou.

Amanda tinha planejado complementar o visual com um par de brincos Pichulik, personalizados. No entanto, com a ajuda das pessoas que a acompanharam durante a preparação para a festa, a africana percebeu que tinha exagerado um pouco nos adereços e estampas. "Eles estavam certos. Dada a natureza ousada do vestido, menos foi mais no fim das contas", concluiu.

O pedido
No dia primeiro de agosto de 2015, Amanda foi convidada por Dennis para acompanhá-lo em uma atividade que era comum no seu trabalho. "Não foi estranho porque eu estava acostumada a ir com ele nessas atividades", contou a noiva à Vogue americana. "Ele foi inusitadamente vago sobre o que era a tal atividade. Só me disse para ficar confortável e usar tênis", continuou.

Dennis levou Amanda para pular de paraquedas, coisa que, inicialmente, não deixou a africana muito confortável, mas depois caracterizou-se como uma experiência única. "Eu não diria que sou um viciada em adrenalina, mas sempre me sinto segura com Dennis, o que me deixa estupidamente corajosa. Saltar daquele avião foi uma experiência tão emocionante, assustadora e libertadora que eu estava nas nuvens depois, mas realmente achei que era só isso", relatou.

Após o evento do salto de paraquedas, Dennis sugeriu de levar Amanda para almoçar em um hotel no qual sua banda favorita de jazz estaria tocando. Amanda, constrangida por conta da roupa que julgava não ser adequada para ir ao hotel, titubeou, mas Dennis a convenceu - e mal sabia ela que os convites em sequência eram todos parte do plano para um pedido de casamento.

"Enquanto estávamos lá, ele quis me mostrar uma das suítes de luxo para um cliente em potencial. Lembro-me de entrar e ver pétalas de rosa na cama e uma garrafa de champanhe. [...] Dennis pegou a garrafa, me guiou até a varanda e fez o pedido", continuou declarando Amanda à Vogue. "Me lembro de estar tão chocada que fui ao chão com sem entender muito bem o que estava acontecendo [...] Estouramos o champanhe, nos beijamos, choramos e nos abraçamos o dia todo, depois passamos aquela noite com os amigos. Foi perfeito e permanecerá para sempre em meu coração", contou.

Fonte: Portal UOL
Deixe seu comentário
 
 
298295

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 130.838.601
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – Portal G1 - Cuba permite o casamento de duas pessoas transgênero

LEIA MAIS