Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Presidente da Arpen-SP enaltece integração do Registro Civil durante curso para aprovados no 11º Concurso do Estado de SP

Publicado em: 07/02/2020
Notários e registradores estiveram presentes na sede da Escola Paulista da Magistratura para participar do curso de iniciação notarial e registral. Para Karine Boselli, os registradores civis irão encontrar uma atividade muito bem alicerçada e estruturada


São Paulo (SP) – Com o intuito de falar da uniformidade de procedimentos e da integração do Registro Civil das Pessoas Naturais, a presidente da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), Karine Maria Famer Rocha Boselli, participou, nesta quinta-feira (06.02), do curso de iniciação na atividade registral e notarial do Estado de São Paulo, responsável por orientar os notários e registradores recém aprovados no 11º Concurso de Provas e Títulos para Outorga de Delegações de Notas e de Registro.
 
Segundo Karine Boselli, que palestrou na sede da Escola Paulista da Magistratura, os registradores civis, de modo geral, estão alinhados e há, sim, um procedimento base que pode ser utilizado por todos. “O registro civil não registra objetos, não está vinculado a crédito. O que nós registramos são pessoas. Nós estamos próximos das realidades pessoais de cada ser humano. Isso que nos distingue. Nós registramos sujeitos de direito. A Arpen-SP está sempre voltada à prestação de um serviço e ao oferecimento de cada vez mais atribuições em prol do registro civil”, destacou.
 


“Os novos colegas foram recepcionados sabendo que há uma atividade centrada, muito bem alicerçada e estruturada”, complementou a presidente da Arpen-SP. Para a diretora da Arpen-SP e Oficial de RCPN do Jaraguá, Monete Hipólito Serra, o curso serviu para abordar algumas questões que devem ser observadas e alguns enfoques práticos para que quem está assumindo a serventia se baseie em decisões recentes da Corregedoria.
 
“Cheguem com muita vontade de trabalhar. Pensem bastante que cada atendimento que vocês fizerem é único para a pessoa que está sendo atendida e que isso reflete na imagem dos cartórios como um todo”, destacou a diretora da Arpen-SP.
 
A mesa contou, também, com a presença da Juíza Assessora da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado de São Paulo, Letícia Fraga Benitez, que começou a palestra com um ponto considerado polêmico que se relaciona à Central de Informações do Registro Civil (CRC). Em sua fala, ela afirmou que, recentemente, houve algumas questões envolvendo a falta de escrituração no livro diário de receitas e despesas dos registros efetivados por meio eletrônico.
 
“Isso gerou além da falta de escrituração a falta de recolhimento de emolumentos e impostos. A organização administrativa financeira do cartório é dever do delegatário. Embora o registro tenha sido feito de forma eletrônica, encaminhado para outra unidade que vai fazer a materialização, esse ato deve ser escriturado no livro e, em razão disso, deve ser feito o recolhimento de impostos devidos”, alertou a Juíza.
 
  

Transexualidade
Durante o curso, diversos temas relacionados ao registro civil foram discutidos, como retificações, dúvidas sobre o Provimento 83, que altera requisitos na paternidade socioafetiva, e o Provimento 73, que regulamenta a alteração de nome e gênero no Registro Civil.
 
Para a diretora da Arpen-SP, Monete Hipólito Serra, é necessário investir também na capacitação do profissional que irá prestar o atendimento às pessoas trans nos atos praticados em cartório.
 
“É importante treinar o funcionário que vai atender esse público. Chamar a pessoa pelo nome que ela já usa socialmente; evitar qualquer tipo de constrangimento. Se não for você que vai atender, treine muito o profissional que irá atender esse público”, comentou a diretora da Arpen-SP.
 
Para a presidente da Arpen/SP, “o escrevente indicado deve tratar de modo humano, com muita preocupação para utilizar o nome que a pessoa que se identifica como transexual e já se reconhece. É preciso ter um cuidado extra, porque é uma clientela que exige um pouco mais de sabedoria, um pouco mais de diligência e um pouco mais de humanidade, por conta de todo preconceito e de todas as agruras que elas passam na sua realidade social”, ponderou.
 
Karine Boselli também alertou para algumas situações em que é necessário comunicar os juízos competentes em que se processa os feitos, para que haja alteração da qualificação da parte.
 
“Não é mais necessária a apresentação de laudos, tampouco a comprovação da cirurgia de transgenitalização. Mas há uma série de certidões que são necessárias. E mesmo havendo distribuição de processos, ou seja, certidão positiva de distribuição de feitos, pode ser realizada a alteração de prenome e de gênero. Entretanto, é obrigação do oficial de registro civil de comunicar os juízos competentes em que se processam os feitos, para que haja alteração da qualificação da parte. Seja réu ou seja autor, nos respectivos feitos”, orientou.
 


Sirc
Também houve tempo para falar sobre mudanças que estão sendo implementadas no Sistema Nacional de Informações de Registro Civil (Sirc), que moderniza a captação e o tratamento dos dados dos registros civis de nascimento, casamento, óbito e natimortos. Com o Sirc, essas atividades passam a ser realizadas com o apoio de uma plataforma digital, em um fluxo que conecta os cartórios aos ambientes de governo eletrônico do Estado brasileiro.
 
“Existe uma mudança recente que alterou o prazo de envio das informações do Sirc: agora passou a ser 24 horas. Ainda está se discutindo quais são, efetivamente, os dados que devem ser enviados ao Sirc. Existem os dados que já são enviados, mas existe uma previsão da ampliação desses dados. Nós estamos em fase de adaptação, porque o Sirc ainda não se adaptou para receber esses dados”, argumentou a diretora da Arpen-SP, Monete Hipólito Serra.
 
“Estamos em uma vacância, por assim dizer. Os oficiais não estão mandando os dados ainda, e não teriam como mandar. Importante que a pessoa que chegou na serventia saiba que não está descumprindo algo que ela poderia estar cumprindo. É que não tem como cumprir ainda”, complementou a registradora.
 
Além de contribuir para a erradicação do sub-registro no país, ampliando o exercício pleno da cidadania, o Sirc busca promover melhorias na prestação dos serviços públicos, facilitando o acesso a direitos e benefícios sociais.

Fonte: Assessoria de Imprensa
Deixe seu comentário
 
 
61256

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539

Nº de Visitas: 136.060.468
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Em parceria com Anoreg/SP, Fundação Bradesco oferece mais de 100 cursos on-line e gratuitos 

LEIA MAIS