Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Clipping – Notícias Concursos - Presidente do STJ mantém criança com casal que pretende regularizar adoção

Publicado em: 24/07/2020
O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, concedeu liminar para retirar um bebê do abrigo institucional;assim, para mantê-lo sob a guarda de um casal. A decisão foi tomada em respeito ao princípio do melhor interesse da criança e também considerando-se os riscos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

A medida vale até o julgamento do mérito do habeas corpus no qual o casal pede para permanecer com a criança sob seus cuidados. Enquanto tentam regularizar a adoção.

Adoção à brasileira

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) havia ajuizado ação para retirar a criança do casal. Isso, pela verificação de indícios de adoção irregular e falsidade no registro de paternidade.

Após a realização de exame de DNA que indicou a negativa de paternidade, o juízo de primeiro grau determinou o recolhimento da criança. A criança que nasceu em fevereiro deste ano foi recolhida em um abrigo institucional.

Assim, a decisão foi mantida pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS). O Regional entendeu que o pai registral e sua companheira, habilitados em fila de adoção desde março/2019, teriam tentado a chamada “adoção à brasileira”.

Recurso

Em recurso interposto ao STJ, o casal alegou que o resultado do exame genético não invalida a paternidade afetiva, que já estaria consolidada. Igualmente, afirmou que a criança tinha seu próprio quarto e plano de saúde, recebendo toda a assistência necessária. E, ainda, em razão da pandemia de Covid-19, a menor se encontrava protegida em isolamento domiciliar.

Interesse da criança

Assim, apesar das supostas ilegalidades cometidas no registro de nascimento e na forma de adoção efetivada, “que denota reprovável conduta”, o presidente do STJ ponderou: o cuidado dispensado ao bebê e o interesse do casal em regularizar a adoção são motivos suficientes para reverter a decisão de recolhimento a abrigo. Entretanto, em caráter cautelar e provisório, até que o mérito do recurso seja julgado.

O ministro observou que o juízo singular somente adotou como fundamentos a possível inexistência de vínculo com o casal (teriam convivido por muito pouco tempo); e, também o fato deles estarem cadastrados na fila de adoção desde março de 2019.

“Em situações similares, o STJ entende que deve-se dar prevalência ao melhor interesse da criança, privilegiando sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento”, ressaltou.

Segundo Noronha, “ao assunto tem-se atribuído valor jurídico; e, a dimensão socioafetiva familiar vem ganhando espaço na doutrina e jurisprudência, sempre atentas à evolução social”.

Para o ministro, a condução da criança a abrigo, quando ela possui lar e família que a deseja; constitui violência maior do que a fraude perpetrada contra a lista de pretendentes à adoção.

Diante do contexto, o ministro declarou: em razão da pandemia, o interesse da criança estará bem mais resguardado se ela continuar protegida na família que a acolheu desde o nascimento.

O relator do habeas corpus na 4ª Turma será o ministro Raul Araújo.

Fonte: Notícias Concursos
Deixe seu comentário
 
 
224878

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 138.932.720
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – Infonet - Cartórios fazem campanha que visa proteger idosos contra violência

LEIA MAIS