Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Artigo – Migalhas - A vigência da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - Vanessa Mafra

Publicado em: 09/09/2020
Nas últimas semanas muito se tem falado sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) e sua vigência. Isso porque, no dia 26/08, o Senado deliberou pela derrubada do art. 4º da medida provisória 959/20, que determinava a vacatio legis da LGPD para o dia 31/5/21.

A decisão do Senado trouxe grandes incertezas entre os atuantes da área, os consumidores e, principalmente entre as empresas, face a necessidade de adaptarem-se às modificações regidas pela LGPD. Também houve a propagação de informações equívocas de que a lei já estaria em vigor, em tese, porque, com a derrubada do art. 4º, a lei voltaria a status quo, com vigência retroativa ao dia 13/8/20.

Afinal, está vigente a LGPD?

Não, ela entrará em vigor depois de sancionado ou vetado, pelo presidente da República, o projeto de lei (PL 1.179/20) que converterá a MP 959/20 e alterará a vigência da LGPD. Enquanto não ocorrer a sanção ou veto presidencial, a vigência permanece inalterada. O prazo para manifestação é de 15 dias, contando-se do recebimento do texto final pelo Congresso Nacional.

O que gera grande inquietação são as incertezas no cenário da LGPD. Embora a aplicação de sansões ocorra a partir de agosto de 2021, o trabalho de adaptação, integração e aplicação das regras de proteção de dados, ainda requer meios de regulação por parte do governo que não foram tratados.

Exemplo disso é a publicação do decreto 10.474/20, que dispõe sobre aprovação da estrutura regimental e do quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções de confiança da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que teve sua vigência condicionada à publicação da nomeação do Diretor-Presidente.

Ora, a LGPD entraria em vigor sem definição de órgão regulatório? Considerando que o Decreto caracterizou a APND como ente integrante da presidência da República, com autonomia técnica e decisória e com jurisdição no território nacional.

A APND tem como uma das principais competências, a elaboração de diretrizes para a Política Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, fiscalizar e aplicar sanções na hipótese de tratamento de dados realizado em descumprimento à legislação, promover para a população o conhecimento das normas e das políticas públicas sobre proteção de dados pessoais e das medidas de segurança, além de estarem incumbidos a tratar sobre as regras de compartilhamento de dados pessoais, inclusive os internacionais.

Contando com tantos pontos ambíguos entre a regulação e a interpretação da norma, o ideal é antecipar a adequação para a entrada em vigor da LGPD de forma célere, com auxílio de especialistas a fim de que se possa evitar, ao menos, os contratempos legais.

Embora tenhamos interpretações diversas, tudo indica que finalmente a LGPD começará a viger sem interrupções legislativas, ainda em 2020.

Fonte: Migalhas
Deixe seu comentário
 
 
631296

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 140.211.562
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Artigo – Migalhas - Como tratar dados de crianças e adolescentes no contexto da LGPD - Nathalia Guerra de Sousa e Thainá Barbosa

LEIA MAIS