Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Artigo - Prosperidade compartilhada é possível - Por Hasan Tuluy

Por Hasan Tuluy
Publicado em: 09/05/2013
O Banco Mundial, sob a liderança do presidente Jim Yong Kim, concentrou sua atenção no ambicioso e exigente trabalho de eliminar a pobreza extrema da população mundial até 2030 e aumentar a inclusão dos 40% mais pobres com o fim de promover a prosperidade compartilhada.

Pode soar atrevido, mas a América Latina poderia cumprir esses objetivos antes do tempo. A região já avançou de forma significativa em termos de redução da pobreza e seus governos e economias evoluíram consideravelmente, adotando as reformas políticas, sociais e econômicas necessárias para torná-las realidade. Enfrentando a maior desigualdade do mundo, os governos da região, independentemente de seu viés político, converteram em prioridade o objetivo de melhorar as oportunidades para os menos afortunados.

Dados preliminares indicam que, em 2011, 13,3% dos latino-americanos viviam com US$ 2,50 ou menos por dia, limite de renda utilizado pelo Banco Mundial para determinar a pobreza extrema na região. Essa porcentagem significa uma redução de quase 50% em uma década. Se nos próximos dez anos a região novamente conseguir tirar uma porcentagem similar de sua população da extrema pobreza, haverá cumprido muito mais rápido o objetivo de Kim para 2030.

A América Latina já demonstrou que com a combinação correta de reformas e liderança poderá reverter a situação dos menos afortunados de maneira muito rápida. Isso já foi feito para os pobres extremos. Pode ser feito novamente para os vulneráveis.

Sem lugar para as dúvidas, a América Latina, no entanto, terá que fazer muito mais pela grande parte de sua população que vive como pobre moderado (17%) ou vulneráveis (35%). Os vulneráveis ganham mais que os pobres mas, como eles, não desfrutam da segurança econômica da classe média.

É para esses segmentos que a prosperidade compartilhada é extremamente crítica. De acordo com essa nova visão - respaldada por autoridades financeiras globais durante as últimas reuniões de primavera do Banco Mundial e do FMI - o banco focará em melhorar as oportunidade de 40% da população mundial com menor renda. Isso significa garantir que essa população tenha um melhor acesso a serviços básicos como educação e saúde.

Claro que estender a prosperidade será mais fácil no Brasil ou México do que em países extremamente pobres como Haiti, onde o tamanho do bolo já é pequeno por si só. O Brasil, de fato, já demonstrou que um país pode crescer economicamente até converter-se em uma potência regional e, ao mesmo tempo, ajudar principalmente aos pobres, assegurando um círculo virtuoso de progresso econômico e social.

Por exemplo, garantir o acesso a uma educação de qualidade às crianças desfavorecidas aumenta sua capacidade produtiva e melhora a inclusão social por meio de uma maior empregabilidade e produtividade. Isso, por sua vez, significa um maior crescimento, incrementando a disponibilidade de recursos para melhorar a qualidade de vida de mais pessoas.

Por exemplo, garantir o acesso a uma educação de qualidade às crianças desfavorecidas aumenta sua capacidade produtiva e melhora a inclusão social por meio de uma maior empregabilidade e produtividade. Isso, por sua vez, significa um maior crescimento, incrementando a disponibilidade de recursos para melhorar a qualidade de vida de mais pessoas.

Nos últimos anos, esse círculo virtuoso parece haver se arraigado ao longo de toda a região. Um recente estudo do Banco Mundial mostra que na última década a entrada das camadas mais pobres da população da Argentina, Bolívia, Colômbia, Equador, El Salvador, Guatemala, Panamá, República Dominicana e Venezuela cresceu muito mais rápido do que a entrada dos segmentos mais ricos.

Quatro fatores cruciais tornam possível e sustentável essa prosperidade: um sistema tributário progressivo e eficiente; instituições transparentes e eficazes; um clima favorável aos negócios e uma melhor gestão de riscos. Um bom exemplo disso é o Uruguai. Faz alguns anos que essa nação sul-americana conta com esses quatro fatores; seu nível de pobreza extrema agora se encontra abaixo do 0,5% e seu nível de desigualdade é o mais baixo da região.

Trabalhando estreitamente junto a líderes latino-americanos, também pude apreciar sua determinação em garantir a sustentabilidade ambiental. A atual busca de uma prosperidade compartilhada não pode ser levada a cabo reduzindo as opções das gerações futuras. O ar que hoje não é limpo terá efeitos na saúde de nossos filhos. Um saneamento deficiente hoje resultará em problemas de crescimento para as gerações futuras.

No há dúvidas de que a América Latina deverá acelerar seu processo de reformas - tais como melhorar a qualidade da educação e infraestrutura - para melhorar as possibilidades da maioria de sua população.

Economistas do Banco Mundial, buscando uma forma de medir como está indo bem o compartilhamento de prosperidade na região, identificaram um índice composto que deixa a América Latina longe dos países com menor desempenho do mundo. De fato, segundo esse índice, mantendo o mesmo ritmo de redução da desigualdade da última década, a América Latina teria que crescer anualmente 7,5% per capita para fechar a lacuna com as sociedades mais prósperas em 2030. Esse é um desempenho bastante superior ao crescimento per capita estimado de 3,1% ao ano.

Mas sou otimista. A região já demonstrou que com a combinação correta de reformas e liderança poderá reverter a situação dos menos afortunados de maneira muito rápida. Já foi feito para os pobres extremos. Pode ser feito novamente para os vulneráveis.

Autor: Hasan Tuluy é vice-presidente do Banco Mundial para América Latina e o Caribe
Fonte: Jornal Valor Econômico

Fonte: Assessoria de Imprensa
Deixe seu comentário
 
 
706108

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.349.406
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Presidente do Uruguai promulga lei que permite casamento entre pessoas do mesmo sexo

LEIA MAIS