Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Notícias do Diário Oficial

Publicado em: 18/08/2014
caderno 1
TRIBUNAL DE JUSTIÇA
SEÇÃO I
ATOS DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Subseção I: Atos e comunicados da Presidência


COMUNICADO Nº 147/2014

A Presidência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo convoca os Senhores Magistrados abaixo relacionados, para a fiscalização da Prova do 9º Concurso Público de Provas e Títulos para Outorga de Delegações de Notas e de Registro do Estado de São Paulo, a realizar-se no dia 17/08/2014, às 9 horas, na FATEC-SP - FACULDADE DE TECNOLOGIA - EDIFÍCIO
SANTHIAGO, situada na Av. Tiradentes, nº 615, Bom Retiro, São Paulo, SP.

Os Magistrados deverão comparecer às 8 horas, para receber as instruções da Comissão Examinadora do Concurso. Haverá estacionamento no local. Recomenda-se aos Magistrados a observância do horário de apresentação para que não seja prejudicado o início das provas previsto no edital.

Para maiores informações sobre o Concurso, os Magistrados, ora convocados, deverão entrar em contato com o Setor de Apoio à Comissão de Concurso Extrajudicial pelos telefones 3313-4647 e 3313-4080.

Des. Ana de Lourdes Coutinho Silva da Fonseca
Des. Aroldo Mendes Viotti
Des. Carlos Alberto Lopes
Des. Carlos Teixeira Leite Filho
Dra. Daise Fajardo Nogueira Jacot
Des. Décio de Moura Notarangeli
Des. Egidio Jorge Giacoia
Des. Erickson Gavazza Marques
Des. Eutálio José Porto Oliveira
Des. Fábio Poças Leitão
Des. Fermino Magnani Filho
Des. Getúlio Evaristo dos Santos Neto
Des. João Alberto Pezarini
Des. João Francisco Moreira Viegas
Des. João Negrini Filho
Des. José Jarbas de Aguiar Gomes
Des. Maria Beatriz Dantas Braga
Des. Mary Grün
Des. Maury Angelo Bottesini
Des. Mônica de Almeida Magalhães Serrano
Des. Otávio Augusto de Almeida Toledo
Des. Vera Lucia Angrisani
Dr. Vicente de Abreu Amadei
Des. Walter Pinto da Fonseca Filho


Subseção II: Atos e comunicados da Corregedoria Geral da Justiça

SEMA

SEMA 1.1.2.1

DESPACHO
Nº 0007785-56.2011.8.26.0348 - Apelação - Mauá - Apelante: A.A. da S. - Apelado: Oficial de Registro de Imóveis, Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica da Comarca de Mauá - O Excelentíssimo Senhor Desembargador Corregedor Geral da Justiça, em 13/08/2014, proferiu o seguinte despacho: "Vistos. As partes e os seus procuradores ficam cientes de que este recurso, assim como os que dele forem originados, poderão receber julgamento pelo sistema virtual (art. 154 e §§ do CPC), e eventual oposição deverá ser formalizada por meio de petição, no prazo de dez dias (Res. nº 549/2011 - TJSP, art. 2º). O silêncio será interpretado como anuência para adoção desse procedimento. Intimem-se." - Magistrado Elliot Akel - Advogado: Dorival Antonio Biella (OAB: 72417/SP)

Nº 0069199-52.2013.8.26.0100 - Apelação - São Paulo - Apelante: K. M. I.Ltda - Apelado: 15º Oficial de Registro de Imóveis da Comarca da Capital - O Excelentíssimo Senhor Desembargador Corregedor Geral da Justiça, em 13/08/2014, proferiu o seguinte despacho: "Vistos. As partes e os seus procuradores ficam cientes de que este recurso, assim como os que dele forem originados, poderão receber julgamento pelo sistema virtual (art. 154 e §§ do CPC), e eventual oposição deverá ser formalizada por meio de petição, no prazo de dez dias (Res. nº 549/2011 - TJSP, art. 2º). O silêncio será interpretado como anuência para adoção desse procedimento. Intimem-se." - Magistrado Elliot Akel - Advogados: M. S. L.e S. (OAB: 116920/SP) e M.A. D. L. e S. (OAB: 63044/SP)

Nº 3005766-08.2013.8.26.0590 - Apelação - São Vicente - Apelante: C. F.dos S.(representado por seu procurador Ronaldo Alves da Silva Filho) - Apelado: Oficial de Registro de Imóveis, Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica da Comarca de São Vicente - O Excelentíssimo Senhor Desembargador Corregedor Geral da Justiça, em 11/08/2014, exarou o seguinte despacho: "Ao Colendo Conselho Superior da Magistratura compete o julgamento das dúvidas suscitadas
pelos Oficiais de Registros Públicos, na forma do artigo 64, VI, do Decreto-lei Complementar Estadual nº 3/69, e do artigo 16, V, do Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O procedimento de dúvida, previsto nos artigos 198 e seguintes da Lei nº 6.015/73, é pertinente somente quando o ato colimado é suscetível de registro em sentido estrito. No caso em exame, busca-se o cancelamento de hipoteca, ato passível de averbação e não de registro em sentido estrito. Logo, o exame da questão é estranho à competência recursal do Colendo Conselho Superior da Magistratura (cf. Apelações Cíveis 8.720-0, 7.208-0, 6.947-0, 6.757-0, 6.826-0, 6.886-0, 19.465-0/5, 19.900-0/1, 24.858-0/0, 26.853-0/2, 27.773-0/4 e 39.587-0/8).

De todo modo, admite-se o conhecimento da apelação como recurso administrativo, previsto no artigo 246 do Código Judiciário do Estado de São Paulo(Decreto-lei Complementar Estadual nº 3/69), a ser examinado pela Egrégia Corregedoria Geral da Justiça. Portanto, incompetente este Conselho Superior da Magistratura, conheço da apelação como recurso administrativo, à luz do princípio da fungibilidade recursal, e determino a remessa dos autos à Egrégia Corregedoria Geral da Justiça, órgão competente para apreciá-lo. Providencie-se o necessário ao cumprimento desta decisão. Publique-se." - Magistrado Elliot Akel - Advogados: C. A. M. (OAB: 242966/SP) e L. B. (OAB: 251057/SP)

DICOGE

PROVIMENTO CG nº 16/2014

O Desembargador HAMILTON ELLIOT AKEL, Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições;

CONSIDERANDO a necessidade de adotar medidas na busca da celeridade processual;

CONSIDERANDO o princípio da razoável duração do processo, previsto no art. 5º, LXXVIII, da Constituição Federal;

CONSIDERANDO que esta Corregedoria vem monitorando o trabalho dos Excelentíssimos Juízes de Direito e Substitutos que mantêm conclusos processos em atraso para despachos e sentenças, mas que, em alguns casos, tal procedimento não vem trazendo resultados plenamente satisfatórios;

CONSIDERANDO ser necessária providência mais efetiva para que se alcance o fim pretendido,

RESOLVE:
Artigo 1º. Os processos conclusos para sentença ou despacho que constam em atraso na planilha do "movjudweb" e que tenham sido encaminhados à conclusão até 30 de junho de 2013 deverão ser sentenciados ou decididos até 19 de dezembro de 2014, impreterivelmente, sob pena de apuração de responsabilidade disciplinar do Magistrado, sem prejuízo da observância de prazos menores eventualmente concedidos por esta Corregedoria em expedientes individuais de acompanhamento de planilhas.

Artigo 2º. A Seção de Controle do Movimento Judiciário de Primeiro Grau da Corregedoria Geral da Justiça deverá emitir relatório referente a todos os Magistrados e processos que se enquadram na hipótese do art. 1º, no prazo de 15 dias, enviando-oao Gabinete da Corregedoria Geral da Justiça.

Parágrafo único. Findo o prazo estabelecido no art. 1º, deverá emitir e enviar relatório final.

Artigo 3º. Observadas as cautelas da Resolução nº 135/2011 do Conselho Nacional de Justiça, serão encaminhados ao Órgão Especial os procedimentos disciplinares relativos aos Magistrados que, nele enquadrados, deixarem de dar integral cumprimento ao prazo disposto no art. 1º.

Parágrafo único. Nessa hipótese, as eventuais participações do Magistrado em Comissões do Tribunal ou autorizações para docência serão encaminhadas ao Conselho Superior da Magistratura, para reapreciação.

Artigo 4º. Este Provimento entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário, encaminhando-se cópia ao Conselho Superior da Magistratura e ao Órgão Especial.

Publique-se.
São Paulo, 14 de agosto de 2014.
(a) HAMILTON ELLIOT AKEL
Corregedor Geral da Justiça


DICOGE 1.1

CORREGEDORES PERMANENTES

Diante do decidido em expedientes próprios, publicam-se os Editais de Corregedores Permanentes que seguem:

Páginas 63 a 64



PROVIMENTO CG N.º 17/2014

(Processo 2012/24480)

Modifica os itens 65, da Subseção II, da Seção III, do Capítulo XIII, e 41, 41.1, 41.2 e 41.7, da Subseção III, da Seção III, do Capítulo XX, todos do Tomo II das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, nos termos da anexa minuta de provimento

O DESEMBARGADOR HAMILTON ELLIOT AKEL, CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA, NO EXERCÍCIO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

CONSIDERANDO a implantação do processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo;

CONSIDERANDO que cabe ao Corregedor Geral da Justiça orientar, disciplinar e aprimorar os serviços notariais e de registro no Estado de São Paulo, nos termos dos Incisos XVI a XXXIII, do art. 28, do Regimento Interno deste E. Tribunal de Justiça;

CONSIDERANDO que a dúvida registral é regulamentada no Tomo II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça;

CONSIDERANDO a necessidade de se adequar a dúvida registral ao processo eletrônico;

CONSIDERANDO a necessidade de se uniformizar o procedimento da dúvida eletrônica em todo o Estado de São Paulo como fator de segurança jurídica;

RESOLVE:

Artigo 1º - É acrescida a alínea "l" ao item 65, da Subseção II, da Seção III, do Capítulo XIII, Tomo II, das Normas de Serviço da Corregedoria
Geral da Justiça, nos seguintes termos:

l) Títulos das dúvidas registrais eletrônicas (somente para os Oficiais de Registro)

Artigo 2º - É acrescida NOTA ao item 41, da Seção III, do Capítulo XX, Tomo II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, nos
seguintes termos:

41. ...

Nota: Se a suscitação da dúvida for eletrônica, o registrador digitalizará as razões da dúvida, o título e os documentos que o acompanham, informará se lhe foi apresentada a via original do título e a arquivará em ordem cronológica no classificador "Títulos das dúvidas registrais eletrônicas" até o trânsito em julgado. Sempre que o juiz reputar necessário, solicitará ao registrador que lhe apresente a via original do título, a qual não poderá ser desentranhada do classificador sem prévia autorização judicial.

Artigo 3º - É acrescida NOTA ao item 41.1, da Seção III, do Capítulo XX, Tomo II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça,
nos seguintes termos:

41.1. ...

Nota: Suscitada por meio eletrônico, o Juízo dará ciência dos termos e da data da suscitação ao oficial de registro e aguardará a apresentação dos motivos da recusa do registro. O suscitante encaminhará ao registrador a via original do título em cinco dias contados da data do protocolo da dúvida, sob pena de arquivamento. Ao receber o título, o registrador o prenotará, dará recibo ao apresentante e, no prazo de 15 dias, informará ao Juízo se lhe foi apresentada a via original do título dentro do prazo e as razões da recusa. Se o interessado no registro não tiver advogado constituído, poderá apresentar a petição em meio físico no distribuidor do Fórum, onde será protocolada, digitalizada, e destruída após a formação do processo eletrônico. Os documentos que instruem a petição, o título recusado pelo registrador inclusive, serão apresentados em cópia, não cabendo ao distribuidor esse exame. Distribuída a dúvida, o suscitante encaminhará a via original do título ao registro de imóveis nos termos do parágrafo acima. As petições intermediárias em meio físico serão apresentadas diretamente no Ofício Judicial competente, que a digitalizará e a inserirá no processo eletrônico.

Artigo 4º - O item 41.2, da Seção III, do Capítulo XX, Tomo II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, passa a ter a seguinte redação:

41.2. O registrador dispõe do prazo de 15 (quinze) dias para apresentação das razões da dúvida, a contar do protocolo do pedido de suscitação, ou do recebimento dos autos de dúvida inversa. Tratando-se de dúvida inversa eletrônica, o prazo será contado na forma da "Nota" ao item 41.1.

Artigo 5º - O item 41.7, da Seção III, do Capítulo XX, Tomo II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, passa a ter a seguinte redação:

41.7. Aplicam-se ao procedimento administrativo comum em matéria de registro de imóveis, de competência recursal da Corregedoria Geral da Justiça, com base no artigo 246 do Código Judiciário do Estado, as disposições previstas nestas normas para o procedimento da dúvida registral, a eletrônica inclusive.

Artigo 6º - Este provimento entrará em vigor 30 dias da data de sua primeira publicação no DJE.

São Paulo, 14 de agosto de 2014.
(a) HAMILTON ELLIOT AKEL
Corregedor Geral da Justiça


Parecer 240/2014-E

Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça - Dúvida registral - Processo eletrônico - Regulamentação - Sugestão nos termos da minuta de Provimento

Excelentíssimo Senhor Corregedor Geral da Justiça:

A Lei nº 11.419/06 inovou o ordenamento jurídico ao instituir a informatização do processo judicial e permitir que os órgãos do Poder Judiciário desenvolvam sistemas eletrônicos de processamento de ações preferencialmente por meio da internet (art. 8º). Em seu art. 18, incumbiu aos Tribunais locais a regulamentação do funcionamento do processo eletrônico1 o que, em São Paulo, ocorreu por meio da Resolução TJSP no 551/20112.

Embora a implementação do processo eletrônico tenha sido abrangente, restaram pontos específicos no âmbito da dúvida registral que carecem de regulamentação administrativa de V. Exa., a quem cabe orientar, disciplinar e aprimorar os serviços notariais e de registro no Estado de São Paulo, nos termos do Regimento Interno deste E. Tribunal de Justiça³.

É preciso, então, adequar o regramento da dúvida registral "física" hoje existente nos itens 41 e 42, do Capítulo XX, das NSCGJ, ao processo eletrônico.

A despeito de esta Corregedoria Geral já ter regulamentado e autorizado a geração4e a tramitação5 dos títulos eletrônicos, a maioria deles ainda é instrumentalizada em suporte papel, realidade que, com o tempo, tende a mudar.

Extrai-se, daí, a primeira dificuldade a ser enfrentada: como compatibilizar a exigência da longeva jurisprudência do C. CSM6 de fazer com que a suscitação da dúvida esteja acompanhada da via original do título em papel, se este terá sido digitalizado e encaminhado por meio eletrônico ao Juiz Corregedor Permanente?

Examinando-se a jurisprudência do C. Conselho Superior da Magistratura, verifica-se que os principais fundamentos para a exigência da apresentação da via original do título são:

a) sem a apresentação da via original, se a recusa do registrador for afastada pelo juiz, o registro do título não poderá ser autorizado na forma do art. 203, II, da Lei nº 6.015/73, porque a via original não consta dos autos;

b) a exibição imediata da via original diz respeito ao direito obtido com a prenotação do título, direito que não enseja prazo reflexo de saneamento extrajudicial de deficiências da documentação apresentada; e

c) a cópia, ainda que autenticada, não é título hábil a ingressar no registro na forma exigida pelo art. 221, da Lei nº 6.015/73.

A análise dos argumentos acima mostra ser possível - e necessário - compatibilizá-los ao processo eletrônico conforme se passa a demonstrar.

O registrador é o destinatário por excelência, nato, do título, haja vista que a maioria deles têm efeito constitutivo do direito neles inscrito (por ex: a existência jurídica da pessoa jurídica tem início com o registro do atos constitutivos no registro civil de pessoa jurídica, o domínio de um imóvel é adquirido mediante o registro da escritura pública no registro de imóveis).

E é o registrador quem dispõe de estrutura adequada para armazenar, com critérios de organização e cuidados de preservação, os documentos da Serventia, até porque esse é um dos seus principais deveres (art. 30, I, da Lei nº 8.935/94).

Se assim é, parece natural que, ao suscitar a dúvida eletrônica, o registrador possa manter sob sua guarda a via original do título qualificado negativamente até decisão final com trânsito em julgado que defina se ele deve ser registrado ou devolvido ao interessado.

A guarda do título pelo registrador durante a dúvida não conflita com a jurisprudência do C. CSM porque: a) a via original foi a apresentada ao registrador e sobre ela recaíram a qualificação e a prenotação; b) inexiste risco de indevida prorrogação da prenotação porque o título original foi o
apresentado; e c) há título hábil para registro caso a recusa seja afastada, nos moldes exigidos pelo art. 221, da LRP. Além disso, é preciso lembrar que a questão debatida na dúvida registral é de direito, o que significa dizer que a presença da via original nos autos serve apenas para os fins acima indicados nos precedentes do C. CSM, notadamente o de se garantir que a via original seja a registrada, e não para permitir um melhor exame do título.

Logo, é possível concluir que a ausência da via original nos autos da dúvida eletrônica, desde que se encontre em poder do registrador, não implicará a prejudicialidade do procedimento pois, repita-se, ela existe, foi apresentada, qualificada e prenotada pelo registrador. E, no caso de a recusa ser afastada pelo juiz, há título hábil para ser registrado.

A situação, portanto, é bem diversa daquela em que consta dos autos apenas a cópia do título que jamais poderá ser registrada.

Observe-se, no entanto, que a guarda do título pelo registrador durante o processamento da dúvida (direta ou inversa) não afastará do juiz a possibilidade de examiná-lo caso entenda necessário. Deste modo, sempre que reputar necessário, pode solicitar ao registrador que o apresente em juízo.

Para que o modelo ora proposto funcione, é preciso que o Juiz Corregedor Permanente tenha certeza de que via original foi apresentada ao registrador, pois, do contrário, corre-se o risco de o juiz afastar a recusa contida na nota de devolução e determinar o registro de uma via não original do título, o que não poderia ser atendido pelo Oficial de Registro.

Como nas duas modalidades de dúvida, direta ou inversa, o título será apresentado diretamente ao registrador, é preciso que este comunique ao Juiz se a via que lhe foi apresentada é a original, o que deverá fazer no momento em que suscitar a dúvida, no caso da direta, ou quando apresentar as razões da recusa, na inversa.

É certo que, à medida que o sistema do processo eletrônico se desenvolver, essa informação poderá ser substituída por simples item a ser preenchido no formulário eletrônico de peticionamento. Contudo, até que este estágio seja alcançado, pode-se seguir nos moldes ora sugeridos sem qualquer problema.

Resta, agora, verificar a forma de peticionamento eletrônico em cada modalidade de dúvida: direta, inversa com advogado e inversa sem advogado.

Tratando-se de dúvida direta, o Oficial de Registro deverá digitalizar as razões da dúvida, o título e os documentos que o acompanham7 e peticionar eletronicamente no sistema do Tribunal de Justiça.

Ao receber a suscitação eletrônica, tudo corre da mesma forma de sempre, porém por meio eletrônico: o juiz aguardará a apresentação da impugnação do interessado, ouvirá o Ministério Público e proferirá decisão (arts. 198/201 da Lei nº 6.015/73 e itens 41/43, do Capítulo XX, das NSCGJ).

Se a dúvida for inversa (suscitada pelo interessado), o peticionamento eletrônico poderá ocorrer de duas formas, haja vista que a participação do advogado não é obrigatória em primeiro grau.

Assim, se o interessado estiver representado por advogado, caberá a este acessar o sistema do Tribunal de Justiça e peticionar normalmente

1
Art. 18. Os órgãos do Poder Judiciário regulamentarão esta Lei, no que couber, no âmbito de suas respectivas competências.
2
http://www.tjsp.jus.br/Download/PeticionamentoEletronico/Resolucao551.pdf
3
Incisos XVI a XXXIII, do art. 28, do RITJSP.
4
Por exemplo, as escrituras públicas (Itens 197/2014, do Capítulo XIV, das NSCGJ)
5
Item 354, do Capítulo XX: A postagem e o tráfego de traslados e certidões notariais e de outros títulos, públicos ou particulares, elaborados sob a forma de documento eletrônico, para remessa às serventias registrais para prenotação (Livro nº 1 - Protocolo) ou exame e cálculo (Livro de Recepção de Títulos), bem como destas para os usuários, serão efetivados por intermédio da Central
Registradores de Imóveis
6
Dentre muitas outras: Apelações Cíveis nºs 2.177-0, 4.258-0, 4.283-0, 12.439-0/6, 13.820-0/2,16.680-0/4 e 17.542-0/2 7 Petição de suscitação com os motivos da recusa e certidão de que tem em seu poder a via original do título arquivada em classificador na Serventia, título, nota devolutiva, requerimento do interessado, certidão da matrícula ou transcrição, prova da ciência dos termos da dúvida ao apresentante para impugnação no prazo legal, e demais documentos apresentados como faria em qualquer outro processo.

Se não tiver advogado, o interessado apresentará a petição física ao distribuidor, onde ela será digitalizada e dará origem ao processo eletrônico, tudo na forma do art. 19, da Resolução TJSP no 551/20118, ora aplicado por analogia em virtude da ausência de norma expressa sobre dúvida registral e da similitude entre a suscitação da dúvida inversa sem advogado e o ajuizamento de ação no juizado especial também sem advogado.

Os documentos que instruem a dúvida, o título desqualificado inclusive, deverão ser apresentados em cópia porque o distribuidor os destruirá após o protocolo e a digitalização.

Desta forma, o interessado manterá em seu poder a via original do título, a qual deverá encaminhar ao registrador na forma explicada mais adiante.

As petições intermediárias, por sua vez, poderão ser apresentadas no meio físico diretamente ao ofício judicial competente para digitalização e inserção no sistema.

Com ou sem advogado, uma vez protocolada a dúvida inversa, o juízo corregedor permanente dará ciência dos termos e da data da suscitação ao oficial de registro e deste aguardará as informações sobre os motivos da recusa do registro.

A guarda do título na dúvida inversa também caberá ao registrador pois, além das razões já indicadas no caso da dúvida direta, é preciso que a via original chegue às suas mãos para prenotação, qualificação e, eventualmente, registro.

Portanto, depois de suscitar a dúvida inversa, caberá ao interessado, dentro de cinco dias contados da data do protocolo da distribuição (prazo razoável se levada em conta a mobilidade hoje existente), apresentar ao registrador o título original sob pena de arquivamento.

Ao receber a via original do título na Serventia, o registrador imediatamente a prenotará e dará recibo ao apresentante. Em seguida, prestará informações ao Juízo Corregedor Permanente dentro de 15 dias9.

Note-se que, diferentemente da dúvida inversa física, na eletrônica, o prazo para o registrador prestar as informações ao Juízo terá início com a chegada do título - e não dos autos - na Serventia, pois a prenotação e a qualificação do título são pressupostos das informações.

Observe-se, porém, que isso não implicará prorrogação do prazo de prenotação, porque esta só acontecerá com a chegada do título na Serventia de Imóveis.

Recebidas as informações do registrador, o Juiz Corregedor Permanente dará vista ao Ministério Público e proferirá decisão.

Em quaisquer das modalidades da dúvida (direta ou inversa), fica mantida, como não poderia deixar de ser, a possibilidade de participação do notário que lavrou o título recusado10, bastando que peticione diretamente no sistema do Tribunal, caso já cadastrado, ou que apresente a petição
física ao Ofício Judicial em que tramita a dúvida para digitalização e inserção no processo eletrônico.

Em relação ao recurso, como a jurisprudência do C. Conselho Superior da Magistratura não admite a interposição de recurso em dúvida registral sem a presença de advogado constituído nos autos11, não é preciso qualquer regulamentação por parte desta Corregedoria, bastando que sejam observados os procedimentos já em vigor.

É importante frisar, para evitar dúvidas, que a normatização ora sugerida:

a) só será obrigatória para os juízos em que o processo eletrônico já esteja em funcionamento;

b) embora prevista no Capítulo XX, valerá para todo tipo de dúvida registral, não se restringindo à imobiliária; e

c) valerá também para os títulos sujeitos à averbação.

No que diz respeito ao cadastramento dos registradores e notários no sistema, de acordo com as informações colhidas no setor técnico deste Tribunal, o sistema encontra-se apto a inserir novos usuários, de modo que não haverá problema para o registrador ainda não cadastrado suscitar dúvida.

Contudo, uma ressalva deve ser feita. Como o cadastro compreende a inserção dos dados do titular (ou interino) e de seu substituto, se todas as Serventias do Estado de São Paulo solicitassem-no de imediato, a DICOGE teria de realizar aproximadamente 2700 cadastros, o que causaria desnecessário estancamento de suas atividades.

Para que isso não ocorra, basta que os notários e registradores solicitem o cadastro12 apenas quando instados a se manifestarem em autos de processo eletrônico, o que permitirá a inserção gradual e inteligente no sistema.

Por fim, vale lembrar que, se o caminho do processo eletrônico é irreversível e vem se mostrando satisfatório a despeito dos naturais e sempre superáveis problemas decorrentes da sua implantação, é preciso que também a dúvida registral eletrônica seja regulamentada e uniformizada em todo o Estado de São Paulo por meio desta Corregedoria Geral para que notários, registradores, advogados, serventuários e os próprios interessados no registro saibam como proceder para suscitar dúvida e peticionar durante seu trâmite.

Diante do exposto, o parecer que respeitosamente submeto à elevada apreciação de Vossa Excelência é no sentido de que a dúvida registral eletrônica seja regulamentada nos termos da anexa minuta de Provimento.

Em caso de aprovação, sugere-se a publicação da íntegra do parecer, por três dias alternados, para conhecimento geral.

Sub censura.
São Paulo, 04 de agosto de 2014.
(a) Gustavo Henrique Bretas Marzagão
Juiz Assessor da Corregedoria

DECISÃO: Aprovo o parecer do MM. Juiz Assessor da Corregedoria e, por seus fundamentos, que adoto, determino a alteração dos itens 65, da Subseção II, da Seção III, do Capítulo XIII, e 41, 41.1, 41.2 e 41.7, da Subseção III, da Seção III, do Capítulo XX, todos do Tomo II das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça, nos termos da anexa minuta de provimento, que acolho.

Para conhecimento geral, determino a publicação na íntegra do parecer no DJE por três dias alternados.

Publique-se.
São Paulo, 04/08/2014
(a) HAMILTON ELLIOT AKEL
Corregedor Geral da Justiça
(18, 20 e 22/08/2014)


8
Art. 19 - Nas ações dos Juizados Especiais e no Habeas Corpus poderão ser recepcionados pedidos formulados pelas partes, em meio físico, nas hipóteses em que for dispensada e não houver assistência de advogado.
9
41.2. O registrador dispõe do prazo de 15 (quinze) dias para apresentação das razões da dúvida, a contar do protocolo do pedido de suscitação, ou do recebimento dos autos de dúvida inversa. 10 41.4.1. O Juiz Corregedor Permanente, diante da relevância do procedimento de dúvida e da finalidade da função pública notarial, poderá, antes da prolação da sentença, admitir a intervenção espontânea do tabelião de notas que lavrou a escritura pública objeto da desqualificação registral ou solicitar, por despacho irrecorrível, de ofício ou a requerimento do interessado, a sua manifestação facultativa, no prazo de 15 (quinze) dias de sua intimação.
11 CSMSP - AP. CÍVEL: 0001243-53.2013.8.26.0315, DJE: 05/05/2014, Relator Des.: Elliot Akel 12 A solicitação de cadastro deve ser enviada ao e-mail dicoge@tjsp.jus.br

PROVIMENTO CG N.º 18/2014

(Processo 2014/97562)

Altera a redação do item 285.8, do Capítulo XX, Seção X, Subseção II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça.

O DESEMBARGADOR HAMILTON ELLIOT AKEL, CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

CONSIDERANDO a necessidade de aperfeiçoamento do texto da normatização administrativa;

CONSIDERANDO o exposto, sugerido e decidido nos autos do processo n.º 2014/00097562;

RESOLVE:

Artigo 1º - O item 285.8, do Capítulo XX, Seção X, Subseção II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça - Extrajudicial passa a ter a seguinte redação:

Item 285.8. Nas hipóteses de a) interposição de recurso da rejeição liminar da impugnação infundada e b) de impugnação fundamentada, previstas, respectivamente, no item 285.6, inciso I, segunda parte e 285.6, inciso II, os autos serão encaminhados ao Juiz Corregedor Permanente que, de plano ou após instrução sumária, ouvido o Ministério Público, examinará apenas a pertinência da impugnação e, em seguida, determinará o retorno dos autos ao oficial de registro de imóveis para as providências que indicar, isto é, extinção ou continuidade do procedimento, no todo ou em parte.

Artigo 2º - Este provimento entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições contrárias.

São Paulo, 14 de agosto de 2014.
(a) HAMILTON ELLIOT AKEL
Corregedor Geral da Justiça

Parecer 212/2014-E

REGISTRO DE IMÓVEIS - Regularização Fundiária - Impugnação - Razões que não impedem o prosseguimento do procedimento de regularização - Rejeição da impugnação, com sugestão de alteração da redação do item 285.8, do Capítulo XX, Seção X, Subseção II, das NSCGJ.

Excelentíssimo Senhor Corregedor Geral da Justiça:

Trata-se de recurso tirado contra sentença que rejeitou impugnação - apresentada de acordo com os itens 285.2 e seguintes do Capítulo XX, das NSCGJ - a pedido de regularização fundiária.

Conforme o item 285.1, depois de prenotado o requerimento de regularização fundiária de interesse específico do núcleo Estância Park Azul, na comarca de São José do Rio Preto, foi constatada a possível expansão do parcelamento para além da área descrita na matrícula. Por isso, os confrontantes em tese atingidos foram notificados e dois deles apresentaram impugnações. Em uma delas, houve acordo. A outra impugnação, ora analisada, foi afastada pelo Juízo de Primeiro Grau.

A impugnação baseia-se na alegação de que a regularização representa invasão parcial da área do imóvel de matrícula nº 68.192, de propriedade do Espólio impugnante.

Após a oitiva do interessado, do profissional que assinou a documentação técnica e do Ministério Público, rejeitou-se a impugnação, pois se verificou que a regularização não representa invasão alguma. O que ocorre é que há, em tese, um esbulho possessório sobre a área do imóvel do Espólio, mas praticado por particular, dono de lote confrontante.

Houve recurso, voltando o impugnante a afirmar a irregularidade do procedimento, sem a adição de qualquer novo fundamento.

O Ministério Público voltou a defender a improcedência da impugnação e, por consequência, do recurso.

É o relatório.

Passo a opinar.

O recurso não merece guarida.

Não há dúvida de que o projeto de regularização fundiária não implica qualquer invasão à área de propriedade do impugnante.

O engenheiro ouvido à fl. 185 foi categórico: "O próprio croqui apresentado pelos impugnantes (fls. 24 da intimação), quando sobreposto ao projeto de regularização, demonstra cabalmente que o projeto de regularização não contempla invasão alguma da área da matrícula nº 68.192."

O que acontece, aqui, é que o proprietário de dois lotes confrontantes ao imóvel do impugnante invadiu, em tese, parte de seu terreno. Em outras palavras, praticou esbulho possessório.

As fotografias de fls. 172/175 toram a questão bem fácil de ser compreendida. É possível, nelas, ver a área em tese esbulhada. Cuida-se, no entanto, de ato - o esbulho - praticado por particular e que deve ser resolvido, portanto, pela via apropriada. O esbulho nada tem que ver com o procedimento de regularização fundiária. O traçado do projeto de regularização não implica invasão ao imóvel do impugnante.

Aliás, é de se estranhar a insistência do impugnante, na medida em que ele mesmo parece saber que não há irregularidade no traçado, mas invasão de um particular. Veja-se o boletim de ocorrência de fl. 170, onde a declarante diz,expressamente: "nesta data percebeu que um morador do condomínio estância parque azul, que faz divisa com a propriedade de seu pai, invadiu três metros para dentro da referida propriedade rural, tendo já construído no local."

Ou seja, o impugnante sabe que se trata de esbulho praticado por confrontante particular, fato que não guarda qualquer ligação com o projeto de regularização fundiária.

Dessa forma, o recurso não merece prosperar, devolvendo-se os autos ao Oficial do Registro de Imóveis, para continuidade do procedimento, nos termos do item 285.8, do Capítulo XX, das NSCGJ.

Aproveitando o ensejo, entendo que deva ser alterada a redação do mencionado item.

A redação atual é a seguinte:

285.8. Em qualquer das hipóteses previstas no item 285.6, os autos serão encaminhados ao Juiz Corregedor Permanente que, de plano ou após instrução sumária, ouvido o Ministério Público, examinará apenas a pertinência da impugnação e, em seguida, determinará o retorno dos autos ao
oficial de registro de imóveis para as providências que indicar, isto é, extinção ou continuidade do procedimento, no todo ou em parte.

As hipóteses previstas no item 285.6, a que faz alusão, são de impugnação infundada (o item 285.7 conceitua o que se considera impugnação infundada) e de impugnação fundamentada. Na primeira hipótese, poderá haver rejeição de plano, pelo próprio Oficial do Registro de Imóveis. Se não houver recurso da rejeição de plano, no prazo de dez dias, o Oficial dará seguimento ao procedimento de regularização fundiária. Se houver recurso, os autos serão remetidos ao Juiz Corregedor Permanente. Já no caso de impugnação fundamentada, os autos serão necessariamente remetidos ao Juiz Corregedor Permanente.

Há, portanto, três hipóteses diferentes: a) impugnação infundada, com rejeição de plano, sem recurso; b) impugnação infundada, com rejeição de plano, com recurso; c) impugnação fundamentada.

Ora, apenas nas duas últimas hipóteses os autos serão remetidos ao Juiz Corregedor Permanente. Na primeira hipótese, de rejeição liminar da impugnação infundada, sem recurso, os autos não serão remetidos ao Juiz Corregedor Permanente. Ao contrário, o Oficial do Registro de Imóveis dará seguimento ao procedimento independentemente de qualquer outra providência.

Há necessidade, assim, de alteração da redação do item 285.8, a fim de dar maior clareza ao dispositivo. Da maneira como redigido, o item faz entender que sempre - "em qualquer das hipóteses do item 285.6" - os autos serão remetidos ao Juiz Corregedor Permanente, o que não é verdade.

Portanto, o parecer que submeto a Vossa Excelência, é no sentido de:

1 - Negar provimento ao recurso administrativo, determinando, nos termos do item 285.8, do Capítulo XX, Seção X, Subseção II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça - Extrajudicial, o retorno dos autos ao Oficial do Registro de Imóveis, para continuidade do procedimento de regularização fundiária;

2 - Alterar, conforme minuta de Provimento que segue, a redação do mencionado item 285.8, tão somente em sua parte inicial.

Sub censura.
São Paulo, 18 de julho de 2014.
(a) Swarai Cervone de Oliveira
Juiz Assessor da Corregedoria

DECISÃO: Aprovo o parecer do MM. Juiz Assessor da Corregedoria e, por seus fundamentos, que adoto, nego provimento ao recurso administrativo, determinando, nos termos do item 285.8, do Capítulo XX, Seção X, Subseção II, das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça - Extrajudicial, o retorno dos autos ao Oficial do Registro de Imóveis, para continuidade do procedimento de regularização fundiária;

Aprovo, ademais, a edição do Provimento sugerido, conforme minuta apresentada, a ser publicado, juntamente com o parecer, por três vezes, em dias alternados, no DJE.

Publique-se.
São Paulo, 28/07/2014
(a) HAMILTON ELLIOT AKEL
Corregedor Geral da Justiça

DICOGE 5.1

COMUNICADO CG Nº 915/2014
A Corregedoria Geral da Justiça reitera os termos do Comunicado CG nº 844/2014, disponibilizado no DJE em 05/08/2014
- pag. 06, e determina o cumprimento, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, aos Notários e Registradores das Unidades a seguir descritas, para que prestem as informações semestrais sobre arrecadação e produtividade ao Egrégio Conselho Nacional de Justiça:

Páginas 71 a 74.



SEÇÃO III
MAGISTRATURA


Nada publicado.


caderno 3
1ª Vara de Registros Públicos



JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA DE REGISTROS PÚBLICOS
JUIZ(A) DE DIREITO TANIA MARA AHUALLI
ESCRIVÃ(O) JUDICIAL LEILA FARIA MENDES FURTADO
EDITAL DE INTIMAÇÃO DE ADVOGADOS

Processo 0012202-20.2011.8.26.0100 - Usucapião - Registro de Imóveis - M. C. e P. Ltda. - Certifico e dou fé que, nos termos do art. 162, § 4º, do CPC, preparei para remessa ao Diário da Justiça Eletrônico o(s) seguinte(s) ato(s) ordinatório(s): a parte autora deverá providenciar, no prazo de 5(cinco) dias, a certidão de distribuição cível na modalidade inventário/arrolamento da comarca da capital, pelo período de 20(vinte) anos, em nome de B.J.G. F, E. de C. G, G de C. G, G C.G, N. M, I.M, K. E.M. Sendo esta positiva é necessário o encaminhamento de certidão de inteiro teor dos autos noticiados na qual deverá constar nome, qualificação e endereço dos herdeiros/inventariantes, a qual deverá ser providenciado no prazo de 60(sessenta) dias, ficando ressalvado que havendo comprovação do nome dos herdeiros e/ou inventariante uma carta de anuência com firma reconhecida supre a necessidade de citação. Os prazos aqui fixados são improrrogáveis e este Juízo não conhecerá de requerimentos de reconsideração. Requerimento de reconsideração não interromperá a contagem de prazo. USUC 277. Nada Mais. -

JUÍZO DE DIREITO DA 1ª VARA DE REGISTROS PÚBLICOS
JUIZ(A) DE DIREITO TANIA MARA AHUALLI
ESCRIVÃ(O) JUDICIAL LEILA FARIA MENDES FURTADO
EDITAL DE INTIMAÇÃO DE ADVOGADOS

RELAÇÃO Nº 0208/2014

Processo 1016387-79.2014.8.26.0100 - Retificação de Registro de Imóvel - Bloqueio de Matrícula - W. C. P. - Vistos. Fl.41: Ante as razões expostas, defiro o prazo suplementar de 30 (trinta) dias para juntada da certidão de objeto e pé do processo nº 0059125-23.2013.8.19.0038, bem como para manifestação acerca das informações do Oficial Registrador às fls.25/32. Ressalto que novo pedido de dilação de prazo deverá ser feito através de petição devidamente fundamentada, a fim de evitar a procrastinação desnecessária do feito. Com a juntada do documento, abra-se nova vista ao Ministério Público e tornem os autos conclusos. Int. -

Processo 1017390-69.2014.8.26.0100 - Pedido de Providências - Registro de Imóveis - R. M. M. - Vistos. Primeiramente certifique a z. Serventia o trânsito em julgado da sentença de fls. 55/57, dando-se ciência do Oficial Registrador. Após, cumpra-se a parte final da decisão, encaminhando os documentos originais à Serventia extrajudicial. Por fim, aguarde-se em Cartório por 10 (dez) dias. Nada sendo requerido, remetam-se os autos ao arquivo.

Processo 1073044-41.2014.8.26.0100 - Pedido de Providências - Registro de Imóveis - 11º Oficial de Registro de Imóveis da Comarca da Capital do Estado de São Paulo - I. H. do Y.Ltda - Vistos. Manifeste-se a credora fiduciária, no prazo de 10 (dez) dias, acerca das informações do Oficial Registrador às fls. 01/10. Com a juntada da manifestação, abra-se vista ao Ministério Público e tornem os autos conclusos. Int. -

Processo 1073046-11.2014.8.26.0100 - Pedido de Providências - Registro de Imóveis - 11º Oficial de Registro de Imóveis da Comarca da Capital do Estado de São Paulo - I. H.do Y. Ltda - Vistos. Manifeste-se a credora fiduciária, no prazo de 10 (dez) dias, acerca das informações do Oficial Registrador às fls. 01/10. Com a juntada da manifestação, abra-se vista ao Ministério Público e tornem os autos conclusos. Int. -

Processo 1073452-32.2014.8.26.0100 - Retificação de Registro de Imóvel - Registro de Imóveis - D. da S. C.e outro - Vistos. Tendo em vista os documentos juntados às fls. 12/13, defiro a prioridade na tramitação do feito, nos termos da Lei 10.741/03. Anote-se, tarjando os autos. No mais, manifeste-se o Oficial do 5º Registro de Imóveis da Capital, para informações, no prazo de 10 (dez) dias. Com a juntada da manifestação, abra-se vista ao Ministério Público e tornem os autos conclusos.

Processo 1101397-28.2013.8.26.0100 - Pedido de Providências - Registro de Imóveis - M. S/A - C. E A. - Vistos. Primeiramente certifique a z. Serventia o trânsito em julgado da sentença de fls. 137/141, dando-se ciência ao Oficial Registrador. Após, aguarde-se em Cartório por 10 (dez) dias. Nada sendo requerido, remetam-se os autos ao arquivo. Int. -


2ª Vara de Registros Públicos
Nada publicado.


Caderno 5
2ª Vara de Registros Públicos


Nada publicado.

Fonte: Diário da Justiça Eletrônico
Deixe seu comentário
 
 
570867

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.350.272
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping - A Tribuna: Central Nacional de Registro Civil simplifica emissão de certidões

LEIA MAIS