Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

AnoregSP – “É preciso que qualquer espaço público seja acessível para as pessoas surdas"

Publicado em: 17/08/2021
Em entrevista exclusiva à Anoreg/SP, o presidente Associação dos Surdos de São Paulo, fala sobre a importância do atendimento público à comunidade surda
 
Desde 2016, a Associação dos Notários e Registradores do Estado de São Paulo (Anoreg/SP) implantou o Sistema de Atendimento em Libras nos cartórios associados adimplentes do Estado de São Paulo, visando atender a regulamentação do Provimento nº 32/2016, da Corregedoria Geral da Justiça do Estado de São Paulo.
 
Ao oferecer acessibilidade nos atendimentos por meio de intérpretes de libras, notários e registradores buscam garantir a autonomia e a independência dos portadores da surdez na realização de atos de cidadania e de relações jurídicas pessoais e patrimoniais.
 
Para falar sobre este projeto e a importância de oferecer um atendimento aquedado aos deficientes auditivos, a Anoreg/SP, entrevistou de forma exclusiva o presidente da Associação dos Surdos de São Paulo (ASSP), Jorge Rodrigues.
 
Na entrevista, o presidente abordou a importância da Língua Brasileira de Sinais em todos serviços públicos, além da falta de atendimento adequado em unidades que não aderiram à iniciativa da Anoreg/SP.
 
Confira a entrevista na integra.
 
Anoreg/SP: Como a implantação de atendimento apropriado aos surdos pode ajudar no cotidiano dos deficientes auditivos?
 
Jorge Rodrigues: Poderá proporcionar uma grande autonomia às pessoas surdas para que não precisem depender de terceiros e para que haja um atendimento eficiente. Tudo o que nós, da comunidade surda, queremos é poder resolver as coisas por conta própria.
 
Anoreg/SP: Na sua opinião, quais ambientes públicos deveriam assegurar de forma correta o atendimento aos deficientes auditivos?
 
Jorge Rodrigues: Todos os ambientes públicos, sem exceção. Que vão de mercados até o Tribunal da Justiça. É preciso que qualquer espaço público seja acessível para as pessoas surdas.
 
Anoreg/SP: Quais ações poderiam ser realizadas para garantir aos surdos uma vida mais inclusiva e autônoma em sociedade?
 
Jorge Rodrigues: Que as pessoas soubessem, pelo menos, o básico de Libras, é o mínimo. Além disso, seria bacana ter intérprete de Libras disponível para o atendimento caso a comunicação exija.
 
Anoreg/SP: Há 5 anos, os Cartórios do Estado de São Paulo implantaram o sistema de atendimento ao surdo, com intérpretes de Libras. Como avalia esta iniciativa?
 
Jorge Rodrigues: Eu, como presidente atual da ASSP e o Leandro Miguel, ex-presidente da mesma, avaliamos que tem muito o que melhorar, pois diversos cartórios não possuem intérpretes. Se tiver, seria interessante ter um adesivo anunciando que tem acessibilidade logo na entrada, além de avisar nos sites como o Google Mapas, no site próprio, entre outros espaços virtuais.
 
Anoreg/SP: Qual a importância desta acessibilidade em atendimentos e atos extrajudiciais, garantindo a segurança jurídica e a prática de serviços de cidadania?
 
Jorge Rodrigues: A de garantir que as pessoas com deficiência possam ter consciência do que está sendo escrito e/ou dito durante o atendimento jurídico. Que elas, como cidadãs brasileiras, possuem o direito de terem as mesmas informações que as pessoas ouvintes.
 
Anoreg/SP: Além da disponibilidade de intérpretes, quais materiais e formatos de atendimento sugeriria para favorecer a qualidade da comunicação com os deficientes auditivos?
 
Jorge Rodrigues: Ao meu ver, como surdo, é imprescindível ter a consciência de que a pessoa surda que for ser atendida é capaz intelectualmente da mesma forma que uma pessoa não-surda. É saber conduzir uma comunicação acessível, estar disposto para sanar as dúvidas da pessoa.
 
Anoreg/SP: Como avalia o atual cenário de acessibilidade para os surdos em instituições públicas e privadas em São Paulo? Quais são as principais dificuldades?
 
Jorge Rodrigues: Avalio que o atual cenário de acessibilidade nas instituições está aquém do esperado. A falta de disponibilidade dos intérpretes/profissionais que saibam Libras ainda é recorrente. Além de existir, ainda, profissionais que não estão preparados para atender pessoas que fazem parte de qualquer minoria social.

Fonte: Assessoria de Comunicação - Anoreg/SP
Deixe seu comentário
 
 
182983

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.090.602
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

JR News - Em Manaus, ministro Luiz Fux anuncia proposta de criação para vaga de representante da atividade cartorária no CNJ

LEIA MAIS