Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

CNJ - “Ainda temos muito a avançar para que as crianças sejam reconhecidas como cidadãs”, afirma Fux

Publicado em: 20/08/2021
A prioridade e a destinação de recursos públicos para a atenção e o cuidado a crianças e jovens é a política pública mais estratégica que um país pode fazer em seu futuro. Com essa avaliação, o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux, fez nesta quinta-feira (19/8) a abertura do Seminário do Pacto Nacional pela Primeira Infância – Região Sul, evento coordenado pelo CNJ que busca fortalecer a atuação do sistema de Justiça para o cumprimento e garantia dos direitos das crianças com idades de zero a seis anos.
 
Em consequência à mobilização feita em âmbito nacional para que seja dada prioridade à primeira infância, conforme prevê a Constituição Federal, e a partir da realização dos seminários sobre esse tema em todas as regiões do país, Fux informou que subiu para 300 o número de instituições que aderiram ao Pacto Nacional pela Primeira Infância. “A ciência e as boas práticas demonstram que oferecer condições favoráveis ao desenvolvimento infantil, além de representar a garantia dos direitos fundamentais de todas as crianças, também representa o melhor investimento que uma nação pode fazer em seu desenvolvimento.”
 
O pacto estabelece os princípios e diretrizes a serem seguidos pelas instituições, órgãos públicos e pela sociedade civil organizada para a efetiva proteção às crianças com até 6 anos de idade. “Embora seja algo óbvio, sabemos que ainda temos muito a avançar para que as crianças sejam de fato reconhecidas como cidadãos, inclusive com o direito a participar de decisões que lhe dizem respeito de acordo com a sua faixa etária. A concreta implementação dessa nossa legislação requer que atuemos juntos, cada um conforme sua dimensão e competência, razão pela qual implantamos o Pacto Nacional da Primeira Infância.”
 
Ações efetivas
A corregedora nacional de Justiça, ministra Maria Thereza de Assis Moura, destacou algumas das ações para a primeira infância postas em práticas pelo CNJ. Ela comentou que uma contribuição importante para tornar efetivas as políticas públicas voltadas à infância e adolescência é buscar a agilidade e a eficiência no cumprimento dos atos da Justiça.
 
Entre as iniciativas que partiram do CNJ, constam ações junto a cartórios de registro civil e instituições de saúde para a erradicação da subnotificação de registro civil; orientações para o correto preenchimento do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA); aprimoramento do provimento que trata das audiências concentradas no sistema protetivo e socioeducativo; regulamentação da autorização eletrônica de viagem nacional e internacional de crianças e adolescentes até 16 anos pelos serviços notariais; e a importância da reavaliação de crianças e jovens em situação de acolhimento.
 
A corregedora frisou ainda que não há como pensar no aprimoramento da atividade jurisdicional, em criação de políticas judiciárias e garantia da continuidade dos serviços da justiça à sociedade sem que haja olhos atentos para a primeira infância. “Garantir e fiscalizar o bom desempenho da atividade judiciaria é uma grande missão da Corregedoria, principalmente diante de situações em que são potencializadas as vulnerabilidades socioeconômicas a que milhões de crianças e adolescentes, juntamente com suas famílias, estão sujeitas. Essa grave realidade brasileira impõe ao sistema de justiça ações eficientes e céleres que assegurem a efetividade à prioridade absoluta estabelecida no Artigo 227 da nossa Carta Magna.”
 
A conselheira do CNJ e presidente do Fórum Nacional da Infância e Juventude (Foninj), Flávia Pessoa, ressaltou que a finalidade do seminário é sensibilizar os profissionais do Sistema de Justiça da região Sul para a importância do marco legal da primeira infância. “O objetivo é fomentar a implementação da prioridade absoluta prevista no Artigo 227 da nossa Constituição 

Fonte: Conselho Nacional de Justiça
Deixe seu comentário
 
 
507966

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.349.785
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Designar Tatiane de Souza Alves Ludugero, brasileiro(a), casado(a), portador(a) do RG. nº 44.319.290 -X - SSP/SP, para exercer a função de Juiz(a) de Casamentos Ad hoc, no Registro Civil das Pessoas Naturais e Tabelião de Notas do Distrito de Parelheiros, a fim de realizar os casamentos que foram celebrados no dia 24 de abril de 2021

LEIA MAIS